Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

PORTAS,,,Mserá veredade? Eu não acredito...

Portas Golden (muita informação e muito humor) por Carlos de Matos Gomes  

 

A mosca varejeira é conhecida pela mosca da merda. A corrupção atrai Paulo Portas como a merda atrai as varejeiras. São muitos os montes de merda onde Portas tem pousado ao longo do seu percurso: a universidade Moderna, o caso dos sobreiros na herdade Porto Cale, helicópteros, blindados, submarinos e agora os vistos gold. Onde há merda, surge Paulo Portas pousado nela. Paulo Portas é uma varejeira. O governo português tem uma varejeira como vice-primeiro ministro. Os habitantes da zona de Vila Franca são infetados pela bactéria da Legionela, Portugal está infetado por Paulo Portas. A linguagem é ofensiva? Em minha opinião, muito maior é a ofensa de ter Paulo Portas como ministro.

Algumas notícias avulso sobre os dejectos onde pousou Paulo Portas:

Blindados Pandur

Francisco Pita, amigo de Paulo Portas e proprietário da fábrica onde eram montados os Pandur, ganhou 50 milhões de euros em dinheiro com o acordo obtido com a General Dynamics, empresa norte-americana que forneceu aquelas viaturas blindadas a Portugal, num contrato assinado quando Paulo Portas era ministro da Defesa.

Cinema indiano

Luís Varela Marreiros, antigo parceiro de Portas, foi detido juntamente com o vice-presidente da Câmara de Portimão, Luís Carito, vereador da mesma autarquia, Jorge Campos, administrador da Portimão Urbis, Lélio Branca, e o empresário da Picture Portugal, Artur Curado, no âmbito de um processo que envolve suspeitas de corrupção, administração danosa, branqueamento de capitais e participação económica em negócio, informou a Procuradoria-Geral da República. Marreiros foi adjunto do ex-secretário-geral do CDS-PP, João Rebelo, entre 1998 e 2000, altura em que o partido já era presidido por Paulo Portas e Portas, enquanto ministro dos Negócios Estrangeiros não se esqueceu de Marreiros. Em Março de 2013 levou-o na comitiva que o acompanhou na visita oficial que fez à India. Marreiros, ex-candidato centrista à Câmara do Cadaval (1997) e actual presidente da Assembleia de Freguesia da Lapa, em Lisboa, em representação do CDS, desenvolveu contactos com empresas indianas ligadas à indústria cinematográfica, procurando encontrar parceiros para o projecto de Portimão e Paulo Portas esteve presente na assinatura de acordo, que ainda não saiu do papel e que deveria custar três mil milhões de euros, entre o seu companheiro de partido e um responsável da Real Image, uma grande empresa indiana que vende material de projecção para cinemas.

Portucale

João Paulo da Silva Carvalho, funcionário do CDS-PP há 12 anos e um dos arguidos no caso Portucale, foi contratado para o gabinete da subsecretária de Estado Adjunta do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), quando este foi liderado por Paulo Portas.

No caso o Portucale, nome do empreendimento turístico do Grupo Espírito Santo em Benavente, as suspeitas da justiça envolviam o ex-tesoureiro do CDS-PP Abel Pinheiro, que, segundo a acusação, usou a sua influência para conseguir a autorização do governo PSD/CDS-PP para o abate de 2500 sobreiros, essencial para viabilizar o investimento do Grupo Espírito Santo (GES) na herdade da Vagem Fresca, em Benavente. O despacho que permitiu o abate foi assinado quatro dias antes das eleições legislativas que viriam a dar a vitória ao PS, pelos ministros Costa Neves (PSD), Nobre Guedes e Telmo Correia (CDS). E apontava o depósito de um milhão de euros nos últimos dias de 2004, dois meses antes do despacho dar luz verde às pretensões do Grupo Espírito Santo, como provável contrapartida pela decisão dos ministros. O facto dos recibos justificativos desse “donativo” terem sido impressos em 2005 e terem identidades fictícias dos doadores, acrescentou ao rol de acusados alguns funcionários do CDS acusados de falsificação de documentos. Um deles, João Carvalho, foi nomeado no ano passado para trabalhar no gabinete de Paulo Portas no MNE.

O nome que fez correr tinta nos jornais no caso Portucale, como o benfeitor do CDS que doou dinheiro ao partido de Paulo Portas era Jacinto Leite Capelo Rego. Um “nome esquisito”, que levantou as suspeitas da PJ quando o CDS, em 2004 entregou cerca de quatro mil recibos de doações ao partido,

Submarinos:

Apoiada nas escutas aos intervenientes no negócio Portucale, a investigação deu origem a outras sobre o processo de compra e das contrapartidas dos submarinos à empresa alemã Ferrostaal. A linha de investigação defendeu que os representantes do Estado português beneficiaram os alemães e obtiveram cerca de 30 milhões de euros em luvas, pagas através de uma conta na Suíça à Escom (empresa então detida pelo Grupo Espírito Santo), para além de 1,7 milhões pagos a Rogério d’Oliveira, ex-consultor da Ferrostaal. O rasto completo deste dinheiro nunca foi encontrado pelas autoridades.

O cônsul honorário de Portugal em Munique, também investigado por corrupção, relatou aos administradores da Ferrostaal os encontros que manteve com Paulo Portas, Durão Barroso e o seu assessor Mário David, mas os três envolvidos sempre negaram esses contactos. Juergen Adolff, que foi exonerado do cargo quando surgiu a acusação da justiça alemã, terá recebido 1,6 milhões de euros para convencer o Governo português, mas ninguém soube também do rasto deste dinheiro.

A compra de dois submarinos para a marinha portuguesa custou cerca de mil milhões de euros aos contribuintes e o negócio foi financiado por um consórcio bancário formado entre o BES e o Crédit Suisse, escolhido em 2004 pelo então ministro da Defesa do CDS-PP Paulo Portas. A proposta vencedora do BES terá sido posteriormente agravada com prejuízo para o Estado, com a duplicação do spread cobrado pelo banco, mas ainda assim aceite pelo ministro.

A justiça portuguesa investiga o rasto de cerca de 24 milhões de euros que os alemães transferiram para a ESCOM UK, e que daí terão seguido para uma conta do BES nas Ilhas Caimão, e que se suspeita que terão sido utilizados para pagar subornos a responsáveis políticos e militares portugueses que tomaram a decisão de avançar com o negócio, uma vez que os serviços prestados pela ESCOM não justificariam mais que 5 milhões de euros.

Universidade Moderna

O ex-vice-reitor da Universidade Moderna, Sousa Lara, afirmou, esta quarta-feira (Maio de 2002), em tribunal, que o CDS/PP recebeu apoio directo da cooperativa e que Paulo Portas está implicado no Caso Moderna, o que terá levado à dissolução da Alternativa Democrática (AD).

O ex-vice-reitor da Moderna contou ao colectivo de juízes que, em Fevereiro de 1999 (altura em que «rebentou» o Caso Moderna), o assessor do PP Nuno Gonçalves entrou no seu gabinete «sem bater à porta» e lhe disse que o Governo do PS tinha «elementos altamente comprometedores» sobre Paulo Portas, que iam obrigar o antigo director do «Independente» a aceitar o lugar no Parlamento Europeu por causa da «imunidade parlamentar».

Sousa Lara afirmou que ficou «chocado» com as declarações do assessor do PP e que tentou falar com Paulo Portas, tendo acabado por fazê-lo só mais tarde. O arguido disse ainda que falou com Pedro Santana Lopes e com Horta e Costa, o secretário-geral do PSD na altura, que, por sua vez, terá falado com Marcelo Rebelo de Sousa e dias depois terminou a AD.

Uma aliança irrevogável

A corrupção e Paulo Portas têm uma sociedade irrevogável. Paulo Portas não tem um currículo, tem um cadastro. Paulo Portas é vice-primeiro do governo português, anda aí pelo mundo com passaporte diplomático e a bandeirinha da República na lapela a vender vistos gold a amigos, que se presumem ser da mesma laia. Os vistos são emitidos pelo Estado Português e, queiramos ou não, comprometem-nos a todos.

Muitos portugueses sorriem de orgulho quando no estrangeiro revelam a sua nacionalidade, mesmo nos confins do planeta, e recebem uma palavra: Ronaldo! Temo que daqui a uns tempos façam um esgar de vergonha ao passarem a ouvir o nome de Paulo Portas e dos seus Visa Gold!

Pessoalmente estou convencido que se Paulo Portas entrar num jardim de infância, daí a uns tempos vai aparecer um cambalacho para a venda e distribuição de chupa-chupas às crianças!




 

Sem comentários: