Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

TELENOVELAS

Eu escuto... tu escutas..ele (não) escuta... nós escutamos...vós escutais..eles ( não) escutam.
SIM...ELES NÃO ESCUTAM... NÃO ESCUTAM A VOZ DOS SEISCENTOS MIL DESEMPREGADOS...NÃO ESCUTAM A VOZ DOS QUE NÃO SABEM SE AMANHÃ NÃO SÃO DESPEDIDOS... NÃO ESCUTAM A VOZ DOS PROFESSORES OFENDIDOS E VILIPENDIADOS...
ELES ESCUTAM-SE A ELES MESMOS..ELES BRINCAM CONNOSCO..TORNANDO ESTE PAÍS NO RIDÍCULO DAS NAÇÕES CIVILIZADAS.
E AQUI FICA UM POEMA DE ZECA AFONSO

Das eleições acabadas
Do resultado previsto
Saiu o que tendes visto
Muitas obras embargadas
Mas não por vontade própria
Porque a luta continua
Pois é dele a sua história
O Povo saiu à rua
Mandados da alta finança
Fazem tudo andar pra trás
Dizem que o mundo só anda
Tendo à frente um capataz »

terça-feira, 29 de setembro de 2009

COMUNICADO DO " PROMOVA"

PROmova orgulha-se de ter estado na origem da estratégia conhecida como COMPROMISSO EDUCAÇÃO, imediatamente acolhida, promovida e dinamizada, com extraordinário empenho, pelos três movimentos independentes de professores (APEDE, MUP e PROmova) e a qual constituiu uma das vertentes mais impressiva e eficaz da contestação empreendida pelos professores.
Desde Fevereiro de 2009, enquanto os sindicatos se entretiveram em negociações com o ME que toda a gente sabia que não dariam em nada e enquanto ziguezaguearam em aparições e hibernações ao sabor de agendas nem sempre claras, como ocorreu com a misteriosa mudança de agulha na luta prometida para o mês de Setembro, os movimentos independentes de professores foram construindo o COMPROMISSO EDUCAÇÃO com a visão estratégica e a tenacidade que faltou a outros que, certamente, tinham mais disponibilidade de recursos e de tempo para o fazer. Mas, adiante…
O COMPROMISSO EDUCAÇÃO contou com o acolhimento e o apoio de todos os partidos da oposição, trouxe a contestação dos professores para o centro do debate político, influenciou a campanha e os resultados das eleições para o parlamento europeu, apareceu explicitamente plasmado nos programas eleitorais de todos os partidos da oposição, voltando, agora, a ter impacto na retirada da maioria absoluta ao PS e no consequente reforço das forças parlamentares favoráveis à concretização das duas principais reivindicações dos professores (fim da divisão da carreira e do modelo de avaliação), as quais são transversalmente defendidas por todos os partidos da oposição que, nesta redistribuição de mandatos de deputados, se tornaram maioritários no parlamento.
Não restam dúvidas que os resultados eleitorais do dia 27 de Setembro também são, por um lado, um reflexo da persistência dos professores na defesa de reivindicações justas e inatacáveis que os portugueses e os partidos da oposição compreenderam e valorizaram, e, por outro, o resultado da arrogância e da prepotência de Maria de Lurdes Rodrigues e de Sócrates que não tiveram a inteligência e a humildade democrática para compreenderem que, se a divisão da carreira aviltou os professores e degradou o ambiente nas escolas, pela arbitrariedade e injustiça inerente à sua concretização, o modelo de avaliação imposto gerou resistências generalizadas e inultrapassáveis, dada a sua inadequação, inconsistência e falta de seriedade.
Nestas eleições legislativas, o povo português pronunciou-se com clareza e legitimou a resolução parlamentar dos graves problemas da escola pública, tal como denunciados e combatidos pelos professores.
Estão, pois, reunidas as condições para, no momento político oportuno, um ou vários dos partidos da oposição (temos esse compromisso afirmado pelo PSD, mas não temos dúvidas que o BE, o PCP e o CDS/PP também o farão) apresentem as iniciativas legislativas tendentes a revogar, liminarmente, a divisão arbitrária e injusta da carreira e a suspender este modelo de avaliação.
Em conformidade com o objectivo da concretização parlamentar do COMPROMISSO EDUCAÇÃO, os movimentos independentes de professores vão procurar reunir com as lideranças dos partidos da oposição, esperando, neste domínio, o mesmo empenho da parte dos sindicatos.
As revogações da divisão da carreira e deste modelo de avaliação urgem, pois vivem-se as realidades mais diferenciadas, discricionárias e disparatadas nas escolas (vejam-se os diferentes enquadramentos das entregas e das recusas na entrega dos objectivos individuais), bem como climas de medo e de intimidação, frequentemente dirigidos àqueles professores que tiveram a coragem e a coerência de resistirem a medidas erradas e nada sérias, sem esquecer aqueles que recusam, de todo, participar na farsa desta avaliação e estão cheios de razão para o fazer, além de que souberam dar o melhor de si à escola e aos seus alunos, no período sob avaliação. Apenas não pactuam com a implementação de medidas erradas e iníquas, que ninguém do governo tem a coragem de contestar frente-a-frente com esses professores.
À investida dos movimentos de professores em prol do COMPROMISSO EDUCAÇÃO, devem os sindicatos acrescentar uma pressão imediata sobre o novo governo e a nova equipa do ministério da Educação, no sentido de poder ser dada ao novo governo a oportunidade de tomar a iniciativa de alterar as políticas educativas prosseguidas por Maria de Lurdes Rodrigues, pois só os espíritos superiores são capazes de reconhecer e de corrigir os erros que cometem.

Octávio V Gonçalves
(NEP e NBlogger)

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

comunicado da "Nova esquerda""

Nova Esquerda

As eleições legislativas confirmaram, mais uma vez, a confiança dos portugueses na aplicação de políticas de esquerda. Agora na perspectiva de sair da profunda crise, nacional e internacional, que se vive.

Por razões históricas, a formulação de políticas de esquerda em Portugal têm sido fortemente condicionadas por sentimentos de desconfiança entre os partidos. Cabe aos políticos de esquerda responsáveis aproveitar a actual conjuntura de mudança social e política a nível global para pôr um fim em tais sentimentos e dar uma oportunidade às esquerdas de se entenderem. Sob pena de darmos início a um novo ciclo de uma ou duas dezenas de anos sem ser possível fazer convergir a esquerda social e a esquerda política.

É indispensável acabar com a distorção política originária do PREC – já passou tempo suficiente, que diabo – e assim ultrapassar as causas profundas da irritabilidade social, bem evidente na última legislatura. Não são as essas mesmas as causas da instabilidade governativa sistemática, que sempre operam, apesar das convergências de votos nas maiorias absolutas oferecidas pelo povo português?

Cabe aos políticos eleitos, e também aos partidos, não acrescentar às tendências sociais e institucionais vigentes de exclusão de uma parte da população da vida económica e política. Pelo contrário, cabe-lhes organizarem-se de modo a dar esperança aos portugueses de que o novo ciclo pós-crise poderá incluir contributos de todas as esquerdas para incluir todos nos planos de desenvolvimento.

A Nova Esquerda toma o desafio de abrir diálogos construtivos à esquerda como seu e apela aos políticos eleitos para fazerem o mesmo, de acordo com as suas possibilidades. Um qualquer tipo de aliança à esquerda seria a) respeitar os desejos políticos tradicionais dos portugueses expressos nas urnas e b) incluir necessariamente todas as forças de esquerda eleitas pelos eleitores. Portugal só teria a ganhar. Essa será a novidade que estabilizará um regime até aqui decadente.

A Comissão Promotora da Nova Esquerda

Sobre as eleições..Mário Crespo escreveu

Está bem... façamos de conta

00h30m
Façamos de conta que nada aconteceu no Freeport. Que não houve invulgaridades no processo de licenciamento e que despachos ministeriais a três dias do fim de um governo são coisa normal. Que não houve tios e primos a falar para sobrinhas e sobrinhos e a referir montantes de milhões (contos, libras, euros?).
Façamos de conta que a Universidade que licenciou José Sócrates não está fechada no meio de um caso de polícia com arguidos e tudo.
Façamos de conta que José Sócrates sabe mesmo falar Inglês.
Façamos de conta que é de aceitar a tese do professor Freitas do Amaral de que, pelo que sabe, no Freeport está tudo bem e é em termos quid juris irrepreensível.
Façamos de conta que aceitamos o mestrado em Gestão com que na mesma entrevista Freitas do Amaral distinguiu o primeiro-ministro.
Façamos de conta que não é absurdo colocá-lo numa das "melhores posições no Mundo" para enfrentar a crise devido aos prodígios académicos que Freitas do Amaral lhe reconheceu.
Façamos de conta que, como o afirma o professor Correia de Campos, tudo isto não passa de uma invenção dos média.
Façamos de conta que o "Magalhães" é a sério e que nunca houve alunos/figurantes contratados para encenar acções de propaganda do Governo sobre a educação.
Façamos de conta que a OCDE se pronunciou sobre a educação em Portugal considerando-a do melhor que há no Mundo.
Façamos de conta que Jorge Coelho nunca disse que "quem se mete com o PS leva".
Façamos de conta que Augusto Santos Silva nunca disse que do que gostava mesmo era de "malhar na Direita" (acho que Klaus Barbie disse o mesmo da Esquerda).
Façamos de conta que o director do Sol não declarou que teve pressões e ameaças de represálias económicas se publicasse reportagens sobre o Freeport.
Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por "onde é que eu ia começar" a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal.
Façamos de conta que Edmundo Pedro não está preocupado com a "falta de liberdade". E Manuel Alegre também.
Façamos de conta que não é infinitamente ridículo e perverso comparar o Caso Freeport ao Caso Dreyfus.
Façamos de conta que não aconteceu nada com o professor Charrua e que não houve indagações da Polícia antes de manifestações legais de professores.
Façamos de conta que é normal a sequência de entrevistas do Ministério Público e são normais e de boa prática democrática as declarações do procurador-geral da República.
Façamos de conta que não há SIS.
Façamos de conta que o presidente da República não chamou o PGR sobre o Freeport e quando disse que isto era assunto de Estado não queria dizer nada disso.
Façamos de conta que esta democracia está a funcionar e votemos. Votemos, já que temos a valsa começada, e o nada há-de acabar-se como todas as coisas. Votemos Chaves, Mugabe, Castro, Eduardo dos Santos, Kabila ou o que quer que seja. Votemos por unanimidade porque de facto não interessa.
A continuar assim, … é só a fazer de conta que votamos.

E AGORA,PS ?

Os resultados das eleições de ontem dão para todas as leituras.
Conforme se previa o P.S. foi o partido mais votado. Mas poderá falar-se em vitória?Posderá reclamar vitória um partido que numa só legislatura perdeu cerca de 500.000 votos, e desceu a sua percentagem de cerca de 45 p0r cento para pouco mais de 36 por cento , reduzindo os seus deputados de 121 para 96?
E o P.S.D. que ambicionava derrotar o P.S.( sobretudo depois dos resultados das europeias) e acabou por apenas conseguir 29,09 ao nível do que fora considerado uma catástrofe, o governo Santana Lopes.?
O centrão foi rejeitado por grande parte dos portugueses...
Os grandes vitoriosos da noite foram sem dúvida o CSDS/PP e o Bloco de Esquerda. O primeiro passou a ser a terceira força politica , ultrapassando os dez por cento e garantindoi 21 deputados..o Bloco duplicou votos e deputados ,passando a ter 16.
Tambem a CDU se paasou a ser a quinta força politica..mesmo assim subiu votos e um deputado.
E agora..que vai fazer o P.S.?
Tentar uma coligação com o PP.. seria a maior das hipocrisias..depois de se afirmar como a única hipótese de a esquerda ganhar..aliar-se á extrema direita?
à outra hipótese de aliança com BE e CDU( só com um deles não chega para uma maioria) tambem parece muito difícil dado serem partidos quye têm efectivamente uma visão de esquerda... ao contrário do PS.
Alianças pontuais..ora com um ora com outro..talvez...
E a médio prazo , com outro líder no PSD, a hipótese dum novo bloco central.?
Aguardemos.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

VOTO ÚTIL

É evidente que Belmiro, Amorim, os donos da Galp, da EDP, Jorge Coelho, Dias Loureiro, etc, têm todas as razões para votar P.S.D ou P.S.
Mas os trabalhadores ,arrasados por um código do trabalho profundamente injusto, os professores marginalizados por um governo que os hostilizou, os funcionários públicos, a grande massa do povo português que vê os seus salários a diminuir, o desemprego a aumentar, esse não têm qualquer motivo para votar P.S ou nos partidos à sua direita.
Esta eleição não é para escolher um primeiro ministro, é para escolher 230 deputados, donde sairá o futuro governo.
Muita gente pensa que deve votar num dos dois que presumivelmente será o mais votado.
PURO ENGANO.
Mas mesmo esses já não têm esse motivo da dúvida a invocar.
Todos os estudos de opinião asseguram que o P.S seja o mais votado.
~E depois?
Vai continuar a sua politica de direita?
Vai aliar-se a essa direita?
Quanto mais força os partidos de esquerda( Bloco e CDU) tiverem mais hipóteses haverá de o P.S. vir a fazer uma politica com alguns laivos de esquerda( do mal o menos)
NÃO SE ESQUEÇA..NO MOMENTO DE VOTAR.

TÃO DIFERENTES...TÃO IGUAIS

Este caso em que José Lello e António Braga são acusados tem uma diferença notória quando comparado com o caso da compra de votos no PSD: os socialistas negoceiam com cargos de estado e o PSD negoceia com fundos próprios.

Estão bem uns para os outros!

Já agora, é de recordar o episódio que envolveu o Joana Amaral Dias e o convite que lhe foi dirigido (ela própria o confirmou) para integrar as listas do PS a troco da presidência do Instituto das Drogas. Como disse Elisa Ferreira, «é do Estado, é do PS do Governo Socialista».


Já agora, pessoal do DN: se tiverem por aí algum email ou alguma fonte para revelar sobre o caso da oferta de cargos em troca de financiamento partidário, não se coíbam.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

ELEIÇÕES

O Bloco de Esquerda multiplicou os ataques ao governo de José Sócrates e à sua campanha, não querendo deixar qualquer dúvida aobre a possibilidade de vir a existir uma coligação Bloco-PS. "O verbo não é coligar, é derrotá-los, vencê-los", disse o deputado Fernando Rosas. "Sócrates é um perigoso radical de mercado", atirou Louçã. Veja as fotografias.



Discursando no salão da colectividade "Os Franceses", no Barreiro, Francisco Louçã apontou os malefícios trazidos pela governação de Sócrates: "o Código do Trabalho, pior que o de Bagão Félix, subsídio de desemprego retirado aos trabalhadores, promoção do trabalho temporário, multiplicação dos falsos recibos verdes, desprezo da função pública, ataque aos trabalhadores, promoção da desigualdade, cultura da injustiça".

Para o coordenador do Bloco de Esquerda, o governo sempre teve dois pesos e duas medidas: enquanto promovia a violência social, beneficiava os mais fortes. "Foi por arrogância e por ter dois pesos e duas medidas que eu nunca ouvi um ministro dizer que quando passou um administrador pela Caixa Geral de Depósitos por 18 meses e de lá saiu com 10 mil euros de pensão para toda a sua vida, nunca ouvi uma palavra contra este abuso, isto é dois pesos e duas medidas, uns privilegiados, outros perseguidos", apontou, sob fortes aplausos.

Evocando a visita que realizara nesse mesmo dia à EMEF (Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário), Louçã insistiu na proposta de reforma integral ao fim de 39 anos de descontos, apontando o caso de milhares de trabalhadores que se vêem penalizados por terem começado a trabalhar aos 15 anos e só se poderem reformar depois de 51 anos de trabalho.

Para Louçã, a alternativa que se coloca, assim, nestas eleições é entre "a esquerda e maioria absoluta". E mostrou-se convicto de que no domingo a esquerda ficará "mais forte" com a derrota da maioria absoluta.

Já Fernando Rosas, cabeça-de-lista por Setúbal, tinha insistido no diálogo com aqueles que ainda hesitam em quem votar, com medo da vitória da direita. "Mas será que é uma escolha digna de um homem livre e de uma mulher livre ter de optar entre morrer pela forca ou pela cadeira eléctrica?", questionou.

Num inspirado discurso que empolgou os presentes, Rosas apontou que o crescimento do desemprego, da miséria e da fome não são erros acidentais e sim fruto de um modelo de desenvolvimento adoptado pelo governo. "Podemos fazer uma coligação com este governo?", perguntou, para ouvir um sonoro "Não" da plateia. "Não podemos: o verbo não é coligar, é vencê-los, derrotá-los"

Já Mariana Aiveca tinha dado o mote dos ataques à governação de José Sócrates: "É uma vergonha que um governo de um partido que se diz socialista tenha feito uma reforma da Segurança Social em que quem perde são os trabalhadores."

O comício foi aberto por Mário Durval, cabeça-de-lista à autarquia local.

]

CINISMO

o GOVERNO INTERROMPEU O TAL PROGRAMA "MAGALHÃES" DEPOIS DE TER DADO OS DITOS COMPUTADORES APENAS A UMA PARTE DOS ALUNOS...
SE O PROGRAMA ERA TÃO BOM..PORQUE SÓ OS DEU A UMA PARTE DOS INTERESSADOS?
SIMPLES..PORQUE AGORA FAZ CHANTAGEM..SE O P.S. GANHAR LEVA O COMPUTADOR..DE CONTRÁRIO...LEVAM UM "MANGUITO".
QUEREM, MAIOR CINISMO QUE ISTO?

terça-feira, 22 de setembro de 2009

LERAM'

lERAM AS NOTICIAS NOS JORNAIS DE HOJE SOBRE O ALBINO?
SIM...O TAL...O DA CONFAP...
CLARO ..OS FAVORES PAGAM-SE...
´MAS A SÉRIO..MESMO A SÉRIO QUEM NÃO COMPREENDEU AGORA QUE O TAL SENHOR ERA APENAS UM SERVENTUÁRIO DA LURDINHAS?

Ò MANUELA

A Manuela...( não a Moura Guedes..mas "a outra" como lhe chamou o João Soares) não tinha mais nada para atacar o Sócrates.
O TGV fora chão que não chegara a dar uvas... as politicas dos dois são iguais( ambos gostam muito dos banqueiros..dos lobbys..etc) e então resolveu aproveitar uma intentona dum acessor do Cavaco( do acessor..ah..ah) de que o dito Cavaco estava a ser expiado pelo governo, que havia asfixia democrática...bla..bla .
Teve azar porque o DN demonstrou que a intentona era mesmo uma intentona.
Voltamos ao "quem tramou quem"?

Bom..unma certeza tenho eu..., com esta gente quem se trama é o povo português.

WATERGATE

Foi há bastantes anos. Lembram-se?
Numa eleição presidencial nos Estados Unidos da América, a sede de candidatura do partido democrático foi assaltada.
O que a princípio parecia um vulgar assalto foi, graças á persistência de dois jornalistas começado a ser relacionado com a Casa Branca .
Começou por se revelar a interferência de figuras menores...que foram subindo..subindo...até se chegar á prova irrefutável de que o próprio presidente Nixon...estava implicado.
O mesmo acabou por ter de pedir a demissão.
E assim a democracia funcionou...

NB- Qualquer semelhança com situações passadas em Portugal (não) é pura coincidência...

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

DÁ PARA P.S. E PARA P.S.D.

pRIMEIRO LEIAM DE CIMA PARA BAIXO.
QUANDO ACABAREM LEIAM DEBAIXO PARA CIMA.
O nosso partido cumpre o que promete.
Só os tolos podem crer que
não lutaremos contra a corrupção.
Porque, se há algo certo para nós, é que
a honestidade e a transparência são fundamentais.
para alcançar os nossos ideais
Mostraremos que é uma grande estupidez crer que
as máfias continuarão no governo, como sempre.
Asseguramos sem dúvida que
a justiça social será o alvo da nossa acção.
Apesar disso, há idiotas que imaginam que
se possa governar com as manchas da velha política.
Quando assumirmos o poder, faremos tudo para que
se termine com os marajás e as negociatas.
Não permitiremos de nenhum modo que
as nossas crianças morram de fome.
Cumpriremos os nossos propósitos mesmo que
os recursos económicos do país se esgotem.
Exerceremos o poder até que
Compreendam que
Somos a nova política.

Quem tem medo da Esquerda?

Bloco de Esquerda tem sido o ultimo alvo dos ataques da direita..invocando um hipotético acordo com o P.S.
E..certamente..o Bloco tem que agradecer À direita estes ataques.
Como o B.E. tem dito( aliás como tambem a CDU) que acordos com este P.S....NÃO... o que a direita tem medo é que o P.S. possa vir a Acordar à sua esquerda algo mais favorável para os trabalhadores do que a última governação socratiana...
O P.S.D. NÃO TEM MEDO DO P.S. ...AS SUAS POLITICAS SÃO SIMILARES.
O P.S.D. TEM MEDO..SIM..TEM MEDO ..QUE O P.S. POPSSA ATRAVÉS DUMA ALIANÇA Á SUA ESQUERDA TOMAR ALGUMAS MEDIDAS QUE RETIRTEM PRIVILÉGIOS AOS GRANDES GRUPOS ECONÓMIICOS DA BANCA , DOS SEGUROS, DA CONSTRUÇÃO CIVIL.

O P.S. E P.S.D. DIVIDEM-SE SÓ PELOS BOYS E GIRLS QUE FAVORECEM.
MAS EM RELAÇÃO A BLOCO E CDU... O PROBLEMA É DIFERENTE.
AÍ SIM..HÁ DIFERENÇAS,..DIFERENÇAS QUE PODERIAM LEVAR O PAÍS A OUTRO RUMO.

domingo, 20 de setembro de 2009

A pol]itica do P.S * copiado do blogue Fliscorno(

Repesco uma imagem de Dezembro de 2008 sobre o que entendia se estar a preparar para ser a estratégia eleitoral do PS. Na altura a sopa que se estava a fazer tinha todos os ingredientes para que os professores fossem os bobos da festa, pela continuação e aplicação da governação pela inveja.

Afinal o PS perdeu as europeias e descobriu que os «míseros votos» dos professores faziam falta e o mel começou a jorrar. Mas a estratégia de desviar a atenção manteve-se. Casamento gay, uniões de facto, o sal no pão e mais umas quantas novelas de jornalismo de sarjeta são episódios que aí estão para corroborar a tese. Enquanto se discutir o supérfluo, continuará por se fazer o balanço da governação socialista.

Francisco Louçã e os P.P.R.

Vários politicos e jornalistas têm atacado Louçã por numa entrevista ter criticado os P.P.R. privados( planos de poupançla reforma) e afinal ter subscrito um.
À primeira vista parece uma contradição.
Será?
Louçã, como eu e como muitos milhares de portugueses da classe média subscreveu um P.P.R.
Louçã, como eu e muitos milhares de portugueses verificou que havia um benefício fiscal que poderia tornar o produto atractivo.
Mas Louçã, como eu e muitos milhares de portugueses verificou que esse benefício era facilmente "comido" pelos bancos no período do contrato, os quais pagam taxas de juro inferiores às dum simples depósito a prazo.
Louçã, como eu e como milhares de portugueses tivemos oportunidade de verificar que os PPR são mais um produto criado por quem nos tem governado não para beneficiar a classe média mas sim os grandes bancos.

sábado, 19 de setembro de 2009

A BRINCAR CA GENTE

Cavaco, Ps, PSD, jornal "Público"( próximo do PSD) , jornal Diário de Notícias( próximo do PS) andam a brincar às escondidas "cá ca gente"...com o " agora escuto eu..agora escuta tu..escutamos juntos"
Mas ninguém escuta os 507.OOO desempregados ( números oficiais..fora os outros)..as listas cde espera na saúde, os professores marginalizados, os enfermeiros lixados, etc..etc..
E VAMOS VOTAR NESTA GENTE?

A HONESTIDADE DA MANUELA

Manuela Ferreira Leite não gosta dos espanhois, pois não, mas já gostou!

A menos de um mês da tomada de posse do novo Executivo liderado por Pedro Santana Lopes, o Ministério das Finanças, liderado por Ferreira Leite, concedeu o regime de neutralidade fiscal à reestruturação do Grupo Totta, que na época integrava o Banco Totta & Açores, o Crédito Predial Português e... o Banco Santander Portugal!!
Esta operação terá permitido ao Grupo Totta beneficiar de um benefício fiscal de aproximadamente um milhão de euros!!!!!!!!
Pouco mais de um ano e meio depois, em 9 de Fevereiro de 2006, Manuela Ferreira Leite integrou a administração do Banco Santander em Portugal, assumindo um cargo não executivo mas nem por isso mal remunerado, dado que, durante o ano de 2007, MFL terá auferido perto de 83 mil euros em salários (vê, é para isto que vão as taxas e as despesas de manutenção que pagamos aos bancos). O convite para o cargo foi, obviamente, uma compensação pela decisão do seu Ministério em favor desta instituição de crédito. Um excelente negócio, alguém conceder 83 mil euros por ano a outrém, quando o último acabou de ajudar o primeiro a poupar um milhão de euros!!

É esta a política de verdade desta senhora.
Foi outro tempo, dirá a senhora, pois é, mudam-se os tempos, mudam-se as verdades digo eu. Esquecem-se é que, a confiança também muda!
Mas eu não esqueço e perante o discurso da amnésia que a maioria dos partidos faz, precisava partilhar esta verdade.
É que para certas pessoas a verdade muda consoante os interesses, esquecendo-se que o futuro é já ali, ao virar da esquina.

A HONESTIDADE DA MANUELA

Manuela Ferreira Leite não gosta dos espanhois, pois não, mas já gostou!

A menos de um mês da tomada de posse do novo Executivo liderado por Pedro Santana Lopes, o Ministério das Finanças, liderado por Ferreira Leite, concedeu o regime de neutralidade fiscal à reestruturação do Grupo Totta, que na época integrava o Banco Totta & Açores, o Crédito Predial Português e... o Banco Santander Portugal!!
Esta operação terá permitido ao Grupo Totta beneficiar de um benefício fiscal de aproximadamente um milhão de euros!!!!!!!!
Pouco mais de um ano e meio depois, em 9 de Fevereiro de 2006, Manuela Ferreira Leite integrou a administração do Banco Santander em Portugal, assumindo um cargo não executivo mas nem por isso mal remunerado, dado que, durante o ano de 2007, MFL terá auferido perto de 83 mil euros em salários (vê, é para isto que vão as taxas e as despesas de manutenção que pagamos aos bancos). O convite para o cargo foi, obviamente, uma compensação pela decisão do seu Ministério em favor desta instituição de crédito. Um excelente negócio, alguém conceder 83 mil euros por ano a outrém, quando o último acabou de ajudar o primeiro a poupar um milhão de euros!!

É esta a política de verdade desta senhora.
Foi outro tempo, dirá a senhora, pois é, mudam-se os tempos, mudam-se as verdades digo eu. Esquecem-se é que, a confiança também muda!
Mas eu não esqueço e perante o discurso da amnésia que a maioria dos partidos faz, precisava partilhar esta verdade.
É que para certas pessoas a verdade muda consoante os interesses, esquecendo-se que o futuro é já ali, ao virar da esquina.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

PROFESSORES

Resposta ao Caríssimo que veio aos jornais INDIGNAR-SE contra os professores.

Tal demonstra bem como os profs trabalham tanto e "nem se dá por ela".

Caro anónimo indignado com a indignação dos professores,
Homens (e as mulheres) não se medem aos palmos, medem-se, entre outras coisas, por aquilo que afirmam, isto é, por saberem ou não saberem o que dizem e do que falam.
O caro anónimo mostra-se indignado (apesar de não aceitar que os professores também se possam indignar! Dualidade de critérios deste nosso estimado anónimo... Mas passemos à frente) com o excesso de descanso dos professores: afirma que descansamos no Natal, no Carnaval, na Páscoa e no Verão, (esqueceu-se de mencionar que também descansamos aos fins-de-semana). E o nosso prezado anónimo insurge-se veementemente contra tão desmesurada dose de descanso de que os professores usufruem e de que, ao que parece, ninguém mais usufrui.
Ora vamos lá ver se o nosso atento e sagaz anónimo tem razão. Vai perdoar-me, mas, nestas coisas, só lá vamos com contas.
O horário semanal de trabalho do professor é 35 horas. Dessas trinta e cinco, 11 horas (em alguns casos até são apenas dez) são destinadas ao seu trabalho individual, que cada um gere como entende. As outras 24 horas são passadas na escola, a leccionar, a dar apoio, em reuniões, em aulas de substituição, em funções de direcção de turma, de coordenação pedagógica, etc., etc.
Bom, centremo-nos naquelas 11 horas que estão destinadas ao trabalho que é realizado pelo professor fora da escola (já que na escola não há quaisquer condições de o realizar): preparação de aulas, elaboração de testes, correcção de testes, correcção de trabalhos de casa, correcção de trabalhos individuais e/ou de grupo, investigação e formação contínua. Agora, vamos imaginar que um professor, a quem podemos passar a chamar de Simplício, tem 5 turmas, 3 níveis de ensino, e que cada turma tem 25 alunos (há casos de professores com mais turmas, mais alunos e mais níveis de ensino e há casos com menos - ficamos por uma situação média, se não se importar). Para sabermos o quanto este professor trabalha ou descansa, temos de contar as suas horas de trabalho.
Vamos lá, então, contar:
1. Preparação de aulas: considerando que tem duas vezes por semana cada uma dessas turmas e que tem três níveis diferentes de ensino, o professor Simplício precisa de preparar, no mínimo, 6 aulas por semana (estou a considerar, hipoteticamente, que as turmas do mesmo nível são exactamente iguais -- o que não acontece -- e que, por isso, quando prepara para uma turma também já está a preparar para a outra turma do mesmo nível). Vamos considerar que a preparação de cada aula demora 1 hora. Significa que, por semana, despende 6 horas para esse trabalho. Se o período tiver 14 semanas, como é o caso do 1.º período do presente ano lectivo, o professor gasta um total de 84 horas nesta tarefa.
2. Elaboração de testes: imaginemos que o prof. Simplício realiza, por período, dois testes em cada turma. Significa que tem de elaborar dez testes. Vamos imaginar que ele consegue gastar apenas 1 hora para preparar, escrever e fotocopiar o teste (estou a ser muito poupado, acredite), quer dizer que consome, num período, 10 horas neste trabalho.
3. Correcção de testes: o prof. Simplício tem, como vimos, 125 alunos, isto implica que ele corrige, por período, 250 testes. Vamos imaginar que ele consegue corrigir cada teste em 25 minutos (o que, em muitas disciplinas, seria um milagre, mas vamos admitir que sim, que é possível corrigir em tão pouco tempo), demora mais de 104 horas para conseguir corrigir todos os testes, durante um período.
4. Correcção de trabalhos de casa: consideremos que o prof. Simplício só manda realizar trabalhos para casa uma vez por semana e que corrige cada um em 10 minutos. No total são mais de 20 horas (isto é, 125 alunos x 10 minutos) por semana. Como o período tem 14 semanas, temos um resultado final de mais de 280 horas.

5. Correcção de trabalhos individuais e/ou de grupo: vamos pensar que o prof. Simplício manda realizar apenas um trabalho de grupo, por período, e que cada grupo é composto por 3 alunos; terá de corrigir cerca de 41 trabalhos. Vamos também imaginar que demora apenas 1 hora a corrigir cada um deles (os meus colegas até gargalham, ao verem estes números tão minguados), dá um total de 41 horas.
6. Investigação: consideremos que o professor dedica apenas 2 horas por semana a investigar, dá, no período, 28 horas (2h x 14 semanas).
7. Acções de formação contínua: para não atrapalhar as contas, nem vou considerar este tempo.

Vamos, então, somar isto tudo:
84h+10h+104h+280h+41h+28h=547 horas.
Multipliquemos, agora, as 11horas semanais que o professor tem para estes trabalhos pelas 14 semanas do período: 11hx14= 154 horas.
Ora 547h-154h=393 horas. Significa isto que o professor trabalhou, no período, 393 horas a mais do que aquelas que lhe tinham sido destinadas para o efeito.

Vamos ver, de seguida, quantos dias úteis de descanso tem o professor no Natal.
No próximo Natal, por exemplo, as aulas terminam no dia 18 de Dezembro. Os dias 19, 22 e 23 serão para realizar Conselhos de Turma, portanto, terá descanso nos seguintes dias úteis: 24, 26, 29 30 e 31 de Dezembro e dia 2 de Janeiro. Total de 6 dias úteis. Ora 6 dias vezes 7 horas de trabalho por dia dá 42 horas. Então, vamos subtrair às 393 horas a mais que o professor trabalhou as 42 horas de descanso que teve no Natal, ficam a sobrar 351 horas. Quer dizer, o professor trabalhou a mais 351 horas!! Isto em dias de trabalho, de 7 horas diárias, corresponde a 50 dias!!! O professor Simplício tem um crédito sobre o Estado de 50 dias de trabalho. Por outras palavras, o Estado tem um calote de 50 dias para com o prof. Simplício.

Pois é, não parecia, pois não, caro anónimo? Mas é isso que o Estado deve, em média, a cada professor no final de cada período escolar.
Ora, como o Estado somos todos nós, onde se inclui, naturalmente, o nosso prezado anónimo, (pressupondo que, como nós, tem os impostos em dia) significa que o estimado anónimo, afinal, está em dívida para com o prof. Simplício. E ao contrário daquilo que o nosso simpático anónimo afirmava, os professores não descansam muito, descansam pouco!

Veja lá os trabalhos que arranjou: sai daqui a dever dinheiro a um professor. Mas, não se incomode, pode ser que um dia se encontrem e, nessa altura, o amigo paga o que deve.

Para que seja clarificada a situação, para que todos estejamos correctamente informados , por favor, reencaminhem para todos os amigos, conhecidos e anónimos!!!

A GRIPE SUÍNA

Apesar de tudo, convém não descurar as recomendações, feitas pelas Autoridades Sanitárias!



Imunização contra a pandemia de burrice


Morrem todos os anos milhões de pessoas vítimas de Malária que se podia prevenir com um simples mosquiteiro. Morrem todos os anos 2 milhões de crianças com diarreia que se poderia evitar com um simples soro que custa 25 cêntimos. Morrem todos os anos 10 milhões de pessoas com sarampo, pneumonia e enfermidades curáveis com vacinas baratas. Mas raramente os noticiários falam disto.

Porém, há cerca de 10 anos, quando apareceu a famosa gripe das aves, os noticiários mundiais inundaram-se de notícias... Uma epidemia, a mais perigosa de todas... Uma Pandemia!

Não obstante, a terrífica gripe das aves apenas causou a morte de 250 pessoas - 25 mortos por ano. Ora a gripe comum mata anualmente meio milhão de pessoas.

Porquê, então, tanto escândalo com a gripe das aves?!
Porque atrás desses frangos havia um "galo" de crista grande.
Com a gripe das aves, a Roche e a Relenza, as duas maiores empresas farmacêuticas que vendem os antivirais - panaceias que apenas aliviam sintomas, mas nada curam - obtiveram milhões de dólares de lucro.

Primeiro foi a gripe das aves, agora é a dos porcos. E todos os noticiários do mundo só falam disto...
Já não se fala da crise económica nem das políticas educacionais nem dos problemas ambientais...
Só a gripe A, a gripe dos porcos...(enquanto o povo pensa nisso esquece a sua cada vez maior falta de dinheiro nos bolsos)

Na gripe dos suínos há um fenómeno novo: a Vacina!
Pois é!... Tantos anos e ainda não se conseguiu inventar uma vacina eficaz para a gripe comum e em 2 meses criaram a salvação da gripe A! - Uma vacina que obviamente não funciona - mas se vende aos milhares.
E já estão encomendadas vacinas para 30% da população portuguesa. Sem comentários.

Se atrás dos frangos havia um "galo", não haverá também um "grande porco" atrás da gripe suína?
A empresa norte-americana Gilead Sciences tem a patente do Tamiflú. O principal accionista desta empresa é nada menos que um personagem sinistro, Donald Rumsfeld, secretário da defesa de George Bush, artífice da guerra contra Iraque. Os accionistas da Roche e da Relenza esfregam as mãos, felizes pelas suas vendas novamente milionárias com o duvidoso Tamiflú.

A verdadeira pandemia é de lucro, os enormes lucros destes mercenários da saúde.

Não devem descurar-se as necessárias medidas de precaução que estão a ser tomadas pelos países.
Mas se a gripe porcina é uma pandemia tão terrível como anunciam os meios de comunicação e se a Organização Mundial de Saúde se preocupa tanto com esta enfermidade, porque não a declara como um problema de saúde pública mundial e autoriza o fabrico de medicamentos genéricos para combatê-la?
Por que não prescindir das patentes da Roche e da Relenza e distribuir medicamentos genéricos gratuitos a todos os países, especialmente os pobres?

VIRÓ DISCO E TOCA O MESMO

Custa a acreditar mas a história é simples:
Ferreira Leite foi líder da distrital de Lisboa do PSD numa altura em que isso só acontecia com a ajuda de António Preto.
Ele foi seu vice-presidente e acabou por lhe suceder.
Ferreira Leite ficou-lhe grata para sempre mas é extraordinário que essa gratidão a cegue.
E ainda mais extraordinário é o facto de ninguém lhe abrir os olhos.(...)
O que diriam Rui Rio ou Pacheco Pereira se tivessem sido Luís Filipe Menezes ou Santana Lopes a colocar
A. Preto nas listas quando está acusado de fraude fiscal e falsificação e vai a julgamento este ano?
Admito que António Preto não seja condenado, apesar de as escutas do processo serem esclarecedoras.
Admito que o dinheiro que trazia na mala não era para pagar quotas dos militantes,
mas para prestar serviços de advogado, admito que os construtores civís lhe tinham dado o dinheiro
em notas porque não tinham cheques, admito que o contrato de prestação de serviços seja posterior
aos factos por esquecimento.
Mas não admito que uma pessoa que engessa o braço com a ajuda de um familiar num hospital,
para faltar a uma perícia na Polícia Judiciária, seja deputado. Mas vai ser.

Acreditem: nós vamos ter um deputado que no exacto dia em que tinha de se apresentar na polícia judiciária para um teste de caligrafia foi ter com um cunhado que é médico no Hospital de Santa Marta, no serviço de cirurgia vascular (!), para engessar um braço por completo do ombro até ao pulso.
A Ordem dos Médicos considerou que colocar o gesso foi má prática clínica".
Não consigo encontrar um adjectivo para qualificar a prática do candidato a deputado.
Mas consigo classificar a prática da Lista do PSD: uma vergonha."
Viva a pouca-vergonhice!
 

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

GRIPE(S)

Na imprensa de hoje e em páginas interiores vem um estudo de médicos americanos segundo o qual a chamada gripe A é muito menos mortal que a gripe sazonal.
Este estudo veio corroborar algo que já muitos outros médicos tinham dito.
Então porquê ..todo essa histeria que se tem tentado criar à volta da tal gripe A?
Terá algo a ver com o facto do medicamento Tamiflu ( o único que se conhece para combater a dita gripe e cujas consequências secundárias ainda não se conhecem bem) ser fabricado por uma multinacional ligada ao ex vice presidente dos EUA e ao próprio Bush?

José Niza e Manuela Moura Guedes

José Niza é do P.S.
Isso é conhecido.

Mas vale a pena ler este seu artigo

Minha Leitura (José Niza) sobre MANUELA M.GUEDES

(vale MUITO a pena ler este artigo. O que a imprensa escrita e as TV's
não contam)



TVI - A Minha Leitura (José Niza)

Fui director de programas da RTP e depois seu administrador. E garanto-vos
que, se alguma vez algum apresentador ou jornalista desse uma entrevista a
chamar-me "estúpido", a primeira coisa que aconteceria seria o
cancelamento imediato do seu programa, independentemente de haver ou não
eleições em curso.

Por isso me parece incompreensível que, embora rios de tinta já se tenham
escrito sobre o cancelamento do jornal nacional que Manuela Moura Guedes
(MMG) apresentava na TVI, todos os analistas e comentadores tenham
ignorado a explosiva e provocatória entrevista que MMG deu ao Diário de
Notícias dias antes de a administração da TVI lhe ter acabado com o
programa.

Em meu entender essa entrevista, realizada com antecedência para ser
publicada no dia do regresso de MMG com o seu jornal nacional, foi a gota
de água que precipitou a decisão da TVI. É que, o seu conteúdo, de tão
explosivo e provocatório que era, começou a ser divulgado dias antes. E se
chegou ao meu conhecimento, mais cedo terá chegado à administração da TVI.

Nessa entrevista MMG chama "estúpidos" aos seus superiores. Aliás, as
palavras "estúpidos" e "estupidez" aparecem várias vezes sempre que MMG se
refere à administração.

É um documento que merece ser analisado, não somente do ângulo
jornalístico, mas sobretudo do ponto de vista comportamental. É uma
entrevista de uma pessoa claramente perturbada, convicta de que é a maior
("Eu sou a Manuela Moura Guedes"!) e que se sente perseguida por toda a
gente. (Em psiquiatria esse tipo de fenómenos são conhecidos por "ideias
delirantes", de grandeza ou de perseguição).

MMG diz-se perseguida pela administração da TVI; afirma que os accionistas
da PRISA são "ignorantes"; considera-se "um alvo a abater"; acusa José
Alberto de Carvalho, José Rodrigues dos Santos e Judite de Sousa de
fazerem "fretes ao governo" e de serem "cobardes"; acusa o Sindicato dos
Jornalistas de pessoas que "nunca fizeram a ponta de um corno na vida";
diz que o programa da RTP 2, Clube de Jornalistas, é uma "porcaria";
provoca a ERC (Entidade Reguladora da Comunicação Social); arrasa Miguel
Sousa Tavares e Pacheco Pereira, etc.

E quando o entrevistador lhe pergunta se um pivô de telejornal não deve
ser "imparcial", "equidistante", "ponderado", ela responde: "Então metam
lá uma boneca insuflável"!

Como é que a uma pessoa que assim "pensa" e assim se comporta, pode ser
dado tempo de antena em qualquer televisão minimamente responsável?

Ao contrário do que alguns pretendem fazer crer - e como sublinhou Mário
Soares - esta questão não tem nada a ver com liberdade de imprensa ou com
a falta dela. Trata-se, simplesmente, de um acto e de uma imperativa
decisão administrativa, e de bom senso democrático.

Como é que alguém, ou algum programa, a coberto da liberdade de imprensa,
pode impunemente acusar, sem provas, pessoas inocentes? É que a liberdade
de imprensa não é um valor absoluto, tem os seus limites, implica também
responsabilidades. E quando se pisa esse risco, está tudo caldeirado. Há,
no entanto, uma coisa que falta: uma explicação totalmente clara e
convincente por parte da administração da TVI, que ainda não foi dada.

Vale também a pena considerar os posicionamentos político-partidários de
MMG e do seu marido.

J. E. Moniz tem, desde Mário Soares, um ódio visceral ao PS. Sei do que
falo. MMG foi deputada do CDS na AR.Até aqui, nada de especialmente
especial.

O que já não está bem - e é criminoso - é que ambos se sirvam de um
telejornal para impunemente acusarem pessoas inocentes, sem quaisquer
provas, instilando insinuações e induzindo suspeições.

. Mas Salazar dizia: "O que parece, é"!

E eles aprenderam.

- 1984. Eu era, então, administrador da RTP. Um dia a minha secretária
disse-me que uma das apresentadoras tinha urgência em falar comigo: -
"Venho pedir-lhe se me deixa ir para a informação, quero ser jornalista"!
Perguntei-lhe se tinha algum curso de jornalismo. Não tinha. Perguntei-lhe
se, ao menos, tinha alguma experiência jornalística, num jornal, numa
rádio... Não tinha. "O que eu quero é ser jornalista"! Percebi que estava
perante uma pessoa tão determinada quanto ignorante. E disse-lhe: "Vá
falar com o director de informação; se ele a aceitar, eu passo-lhe a guia
de marcha e deixo-a ir". A magricelas conseguiu. Dias depois, na primeira
entrevista que fez - no caso, ao presidente do Sporting, João Rocha - a
peixeirada foi tão grande que ficou de castigo e sem microfone uma data de
tempo.

P.S.

A jovem apresentadora chamava-se Manuela Moura Guedes.

E se eu soubesse o que sei hoje...

Ribatejo - Portugal

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

SER PORTUGUÊS

Será que o simples facto de ser português justifica um voto favorável numa eleição para um cargo como aquele para o qual Durão Barroso foi eleito com os votos de toda a direita europeia?
Não seria mais importante analisar a política concreta com que o presidente da Comissão Europeia a dirigiu nos ultimos 4 anos e assim vai continuar?
Ao contrário da maioria dos deputados socialistas europeus o P.S. português provou mais uma vez que embora se diga de esquerda a sua opção é a direita e votou em conjunto com P.S.D., P.P. e a direita e extrema direita da Europa...
A QUEM QUEREM ELES ENGANAR ?

terça-feira, 15 de setembro de 2009

MAIS UMA

PROSEGUR guarda a GNR?!!!
Posto GNR Armação de Pêra...

SÓ FALTAVA MAIS ESTA!

O Ministério de Administração Interna deste Governo mandou instalar sistemas de segurança de empresas privadas para proteger as instalações das forças policiais!!!...
Até parece um "apanhado"', mas não é!
Com este tipo de "irresponsabilidades" nunca haverá Receita Pública suficiente para sustentar os "Amigos" da Coisa Pública.
Percebe agora, mais uma vez, porque pagamos tantos e tão elevados impostos?
Este é um caso em milhões, que teimam em sufocar este País. É sempre para os mesmos!!!!

e mail

novo e-mail de José Sócrates:


Para quem quiser enviar mensagens directas ao nosso Primeiro aqui fica o seu novo endereço de e-mail

zézito.porreiro.pa.arrouba o que puderes .pt

Não é qualquer PC que lê o @ por extenso.

NOTA: É preciso ter sofetuere do Magalhães, em portogêz.

Copiado do blogue filiscorno...

Posted: 14 Sep 2009 03:37 PM PDT
A propósito da Gripe A e das consequências para os professores que tenham que faltar por doença, afirmou a ministra da educação na passada semana, muito escandalizada, que era absolutamente falso que alguém ficasse prejudicado se faltasse por motivos de saúde. Não sendo professor mas mantendo-me atento à actualidade, lembrei-me que só quem nunca faltar - justificadamente ou não - é que terá direito a um dia extra de férias. Um episódio isolado?

Vem esta introdução a propósito de um outro caso relatado no Mairdenuboske sobre uma professora que precisou de faltar para "dar assistência ao filho", "doente com varicela" e que "viu o vencimento reduzido em cerca de 600 euros". A pergunta colocada, "É assim, Sr. Engenheiro, que se institui um Estado Social?", põe a nu a dualidade entre a propaganda socialista e a dura realidade.

Um episódio e um caso mas também a constatação da distância que vai da governação pela estatística à governação para as pessoas.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

COPIADO DO BLOGUE FLISCORNO

José Sócrates disse no último debate que o próximo governo terá novos ministros em todas as pastas. Para mim é um alívio constatar que o candidato do PS ache que a pasta de primeiro-ministro será ocupada por outra pessoa

VIRAM O DEBATE?

Viram o debate entre Manuela Ferreira Leite e José Sócrates ?
Viram bem?
Repararam que Sócrates não falou em António Prieto ( um candidato do PSD acusado de grave corrupção) nem em Dias Loureiro, nem no BPN nem na Sociedade Lusa de Negócios?
E..reparararam que Manuela não falou na TVI, nem no Freeport ?
Repararam que nada os separa relativamente aos impostos sobre as grandes fortunas?

Repararam que a maioria do debate foi sobre questões relativamente menores como o TGV?
O que os separa afinal?
Que pacto secreto têm que os impede de falar e separar as águas em questões como a corrupção??
Dia 27... se votarmos nalgum deles..dia 28..pagamos as favas...

Manuel António Pina..escreve no JN

Um casal desavindo
01h16m

Estou convencido de que os debates eleitorais entre candidatos pouco aquecem ou arrefecem, mas o espectáculo de dois indivíduos à caça de votos em grande plano tem virtualidades para dar algum ânimo ao habitual tédio televisivo. Vi apenas, numa pachorrenta noite de sábado sem futebol, aquele em que um homem satisfeito consigo mesmo discutia com uma mulher zangada. Pareceu-me uma cena da vida conjugal, cada um culpando o outro da ruptura da união de facto e do mau comportamento da prolífica descendência de problemas que ambos e os respectivos partidos geraram e deixaram ao país e andam hoje por aí à solta, entregues a si mesmos, e senti-me desconfortavelmente na pele de um consultor sentimental. Como sempre, houve de tudo: recriminações recíprocas, ressentimento, vitimização. Até caneladas por baixo da mesa, como aquela da "credibilidade académica" dela e a sua aljubarrótica constatação, com a suspensão do "Jornal Nacional" da TVI no horizonte, de que "Portugal não é uma província de Espanha". A partilha de bens e de responsabilidades parentais de um casal desavindo nunca é coisa bonita de ver.

domingo, 13 de setembro de 2009

PROFESSORES

SÓ PARA PENSAR.....
--------------------------------

O material escolar mais barato que existe na praça é o professor!
É jovem, não tem experiência.
É velho, está superado.
Não tem automóvel, é um pobre coitado.
Tem automóvel, chora de "barriga cheia”.
Fala em voz alta, vive gritando.
Fala em tom normal, ninguém escuta.
Não falta ao colégio, é um “Adesivo”.
Precisa faltar, é um “turista”.
Conversa com os outros professores, está “malhando” nos alunos.
Não conversa, é um desligado.
Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
Brinca com a turma, é metido a engraçado.
Não brinca com a turma, é um chato.
Chama a atenção, é um grosso.
Não chama a atenção, não se sabe impor.
A prova é longa, não dá tempo.
A prova é curta, tira as hipóteses do aluno.
Escreve muito, não explica.
Explica muito, o caderno não tem nada.
Fala correctamente, ninguém entende.
Fala a “língua” do aluno, não tem vocabulário.
Exige, é rude.
Elogia, é debochado.
O aluno é retido, é perseguição.
O aluno é aprovado, deitou “água-benta”.
É! O professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele.








--

"I do believe that

E mail enviado a um jornalista do "Notícias de sábado"

Sabe... algo que aprecio num jornalista é a honestidade intelectual e o escrever com conhecimento de causa.
Sobre o seu artigo ontem publicadoe em relação ao primeiro aspecto... não me pronuncio.
Mas quanto ao segundo...:
1- Por acaso sabe que os mais de 100.00 professores que se manifestaram contra as ditas reformas deste governo tiveram o apoio não dum sindicato..mas duma plataforma sindical constituída por mais de dez sindicatos..onde há docentes das mais diversas ideologias( por sinal a maioria até terá votado nas ultimas eleições no P.S)?
3- Sabe que todos os partidos da oposição...TODOS..se manifestaram contra esta dita reforma? Sabe que até o P.S.( será por oportunismo? ) já reconhece ter "cometido erros" e o seu candidato a primeiro ministro até já deixou implicito que se ganhar as eleições muda de ministra?
3- Conhece as propostas sindicais que nunca recusaram uma avaliação?
4-Sabe que, por exemplo, o PSD se propõe negociar todo o sistema de avaliação com as estruturas representativas dos professores?
5- Sabe que no próximo dia 19.. vários movimentos( que de modo algum se podem identificar como influenciados pela esquerda) se vão manifestar em Lisboa contra as politicas educativas deste governo?

Mais poderia dizer-lhe...que talvez não saiba( ou não queira saber).
Mas vale a pena?

CONCURSO DE PROFESSORES

Este post serve para que os não professores tenham uma pequena (e será sempre pequena) ideia do sofrimento e exaustão mental a que este Ministério expõe os professores desde o final do ano lectivo passado.
Já passámos por duas fases diferentes de concurso. Na primeira fase entraram aqueles professores que fazem parte dos quadros e pouco mais. Na segunda entraram os restos dos quadros e alguns (poucos) contratados.
Claro que tudo isto aconteceu sem datas e sem qualquer conhecimento de número de vagas. Desde o início de Agosto que andamos nisto. E agora, para facilitar mais o suicídio, chegou uma nova forma de concurso: a Bolsa de Recrutamento. Aliás, mentira. Segundo o Valter Lemos, esse iluminado da Educação, no dia 31 de Agosto eram colocados 5500 professores em Bolsa de Recrutamento. Pois...tal não aconteceu. Ah, e que a Bolsa começava a receber horários de escolas no dia 1 de Setembro. Pois...tal não aconteceu.
Soube através de um fórum de professores que, afinal, a Bolsa começava a dia 7. Pois...aconteceu...a partir das 16h. O que invalidou o primeiro dia. Ah, e que os primeiros resultados saíam hoje (dia 9). Pois...tal não aconteceu. Para além disso, deixou de haver listas para que possamos acompanhar a nossa evolução (ou saber se existem colocações com factor C). Conveniente. Ou seja, enquanto a Bolsa durar, pelo que eu sei, todos os candidatos na Bolsa atrás de mim podem ficar colocados e eu ficar em casa a dar em maluco. Assim decidiu o Ministério, que achou ser melhor escurecer o processo em vez de o deixar às claras.
Para além disso, temos as Ofertas de Escola. Encarem isto como uma candidatura a um emprego. Mandam uma proposta com o vosso currículo (neste caso com médias e graduações) e nunca chegam a saber quem entrou, se estava atrás de vós nos concursos. Nada. Novamente, um processo escurecido pelo Ministério, pois no ano passado, em todas as ofertas de escola mandavam um mail a dizer que não tínhamos sido seleccionados e quem tinha sido. Para além disso, são as Escolas que escolhem os critérios a serem pedidos na escolha de professores. Por exemplo, já vi uma escola que tinha um critério giro: ser Bombeiro Voluntário na localidade em questão. Ora, ser Bombeiro, como todos sabem, é essencial para ser professor. Ou isso, ou alguém queira colocar um primo numa escola. Uma de duas.
Agora que já vos fiz um resumo (e garanto que isto é a versão resumida dos concursos) imaginem o que me irrita ver os paizinhos a concordarem com a Ministra, afirmando que a culpa do estado do ensino é dos professores, que são bem pagos demais e não fazem nada. Imaginem o que me irrita o silêncio dos sindicatos nesta altura, em que só os contratados lutam, e esses não têm poder para os eleger, nem para lhes dar tacho. Imaginem o que me irrita o silêncio dos meios de comunicação social, que se preocupam com a cor das cuecas do Ronaldo, mas não se preocupam com uma situação que afecta 50000 portugueses.
Agora, imaginem o que é viverem agarrados a um telefone há mais de 9 dias à espera de um contacto de uma escola. Imaginem o que é esperar um mail com uma colocação. Imaginem o que é não saber onde vão parar, se vão parar, quando vão parar. Imaginem o que é terem de deixar a vossa família num sítio e terem de atravessar meio país para ganhar dinheiro, aturando pais e crianças que já desistiram da escola.
Imaginem o que é viverem assim. E talvez percebam que quando saímos à rua é por algum motivo. Porque estamos fartos de viver assim.
Agora vou ver o meu mail e olhar para o telemóvel até me deixar dormir.

sábado, 12 de setembro de 2009

PENSAMENTOS

Um coelhinho felpudo estava fazendo suas necessidades matinais quando olha para o lado, e vê um enorme urso fazendo o mesmo.
O urso se vira para ele e diz: - Hei, coelhinho, soltas pêlos?
O coelhinho, vaidoso e indignado, respondeu:
- De jeito nenhum, venho de uma linhagem muito boa...
Então o urso pegou o coelhinho e limpou o cu com ele.

MORAL DA HISTÓRIA:

CUIDADO COM AS RESPOSTAS PRECIPITADAS, PENSA BEM NAS POSSÍVEIS CONSEQÜÊNCIAS ANTES DE RESPONDER!



No dia seguinte, o leão, ao passar pelo urso diz:
- Olá amigo urso! Com toda essa pinta de bravo, forte e machão
vi - te ontem, dando o cu pra um coelhinho felpudo.
Já contei a toda a gente!!!



MORAL DA MORAL:

PODES ATÉ SACANEAR ALGUÉM, MAS LEMBRA-TE QUE EXISTE SEMPRE ALGUÉM PIOR QUE TU!

"O problema de Portugal é que,

quem elege os governantes
não é o pessoal que lê jornal,
mas quem limpa o cu
com ele!"

BLOCO CENTRAL


<


SE ISTO SE CONCRETIZA EM VEZ DE SERMOS LIXADOS POR UM SOMOS POR DOIS...

CAVACO

Cavaco Silva e ..muito bem..alertou para os gastos excessivos das campanhas dos diversos partidos.
Só é pena que se tenha esquecido dos gastos milionários da sua campanha para a Presidência da República...

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

UM PENSAMENTO LAPIDAR DE Boaventura Sousa Santos(suponho)

Quando está no poder a direita tem dois poderes: o poder político e o poder económico; quando está na oposição, a direita cede o poder político à esquerda mas continua a ter o poder económico".
Sabendo-se como se sabe que a economia é que governa a política (o que já se sabe pelo menos desde o tempo em que Marx o constatou), a esquerda quando, nas nossas democracias (ditas clássicas, representativas, parlamentares, burguesas ou como lhes queiram chamar) está no poder, exerce-o sempre de maneira envergonhada uma vez que o poder económico que a direita continua a deter, a impede de pôr em prática uma verdadeira política de esquerda. E aí só tem um caminho: fazer também política de direita para evitar que os obstáculos que o poder económico lhe poria se tentasse fazer uma política de esquerda, a ponham a breve prazo fora de combate pela degradação da situação económica e consequente viragem do eleitorado novamente à direita.
A única solução para a esquerda parece ser pois a de retirar à direita o poder económico sem cair em ditadura o que até hoje ainda não foi possível (v.inúmeros exemplos na história recente desde o regime soviético até à Venezuela actual, passando pelo regime castrista em Cuba). Conseguirá alguma vez a esquerda essa proeza? Enquanto o não conseguir estará sempre condenada ao fracasso.

A TAXA DE ROUBO-ARTIGO DE MÁRIO CRESPO

Taxa de Roubo

Jornal de Notícias, 17 de Agosto de 2009

Os técnicos do Instituto Nacional de Estatística têm que criar mais um índice. A Taxa de Roubo. Um indicador
destes devia ser periodicamente elaborado e divulgado em conjunto com os níveis de desemprego, de inflação
ou do Produto Interno Bruto. Com uma Taxa de Roubo incluída no conjunto das funções estatísticas que já
compilamos, teríamos uma imagem muito mais clara do Estado da Nação.

Se houvesse Taxa de Roubo, os noticiários da semana passada, para além dos números do PIB e do
Desemprego, teriam incluído que no primeiro trimestre a Taxa de Roubo em Portugal se tinha mantido entre as
mais elevadas do mundo industrializado. Os analistas podiam depois ir à TV para nos desagregar a Taxa de
Roubo (TR) nos seus componentes mais expressivos, o NSP (Nível de Sonegação Pura), que inclui tudo o que
seja trocas em dinheiro vivo em malas, e o GDC (Grau de Desfalque Contabilizável), que descrimina os
montantes em off shore e os activos já transformados (quintas, apartamentos, carros, barcos e acções não
cotadas na Bolsa que valorizem mais de um centena de pontos em recompra). Assim, ao sabermos que já temos
mais de meio milhão de desempregados e que a economia nacional continua a soluçar em níveis anémicos,
ficaríamos a saber também que o grau de gatunagem nacional continua intocado e que, apesar da crise, de facto,
a nacional roubalheira subiu em termos homólogos quando comparada com trimestres passados. Ficaríamos a
saber que a volumetria do roubo em Portugal é das mais imponentes na Zona do Euro e que, contrariando o
pessimismo de Pedro Ferraz da Costa quando disse ao Expresso que Portugal não tinha dimensão para se
roubar tanto, há perspectivas para a Taxa de Roubo continuar crescer. A insistência do Partido Socialista nos
mega-projectos que, antes de começar já assinalam derrapagens indiciadoras de que a componente PPF
(Pagamentos a Partidos e Figurões) vai crescer muito, é uma garantia de uma Taxa de Roubo que
rivaliza com qualquer democracia africana ou sultanato levantino. No PSD, a presença de candidatos
com historial em posições elegíveis e em ternurenta proximidade com a líder, sugere que as boas práticas
que têm sustentado a Taxa de Roubo vão continuar nos eventuais Ministérios de Ferreira Leite. Neste
ambiente de bagunça ideal, em que se juntam as possibilidades de grandes obras públicas com o frenesim
eleitoral, os corretores podem mesmo, à semelhança do que se passa no mercado de capitais, criar valor com
Futuros baseados nos potenciais de subida da Taxa de Roubo Portuguesa. Por exemplo a inclusão de António
Preto nas listas do PSD funciona como uma espécie de colateral de garantia de que os fluxos de dinheiros
partidários continuam com todas as perspectivas de crescimento. Mudam as malas, mas continua tudo na
mesma. Pode-se pois criar à confiança um produto derivado colateralizado de alto rendimento e risco
relativo, porque os dois grandes partidos obviamente confiam que a ingenuidade do eleitor
português se mantenha. Julgo que, tal como Ferraz da Costa, também Henrique Medina Carreira foi
excessivamente prudente ao comparar o Portugal político a um "grande BPN". Acho que com TGV, auto-
estradas, Freeport e acções não cotadas da sociedade Lusa de Negócios a render lucros de centena e meia de
pontos, Portugal é uma holding de rapinagem que faz o que se passou no BPN parecer a contabilidade de uma
igreja mórmon.

EDUCAÇÃO

Esta informação tem de chegar aos 140MIL professores. POR FAVOR, REENVIA...
AJUDA OS PROFESSORES A DEFENDEREM A ESCOLA PÚBLICA.
------------------------------
ESTE MAIL FOI ENVIADO PELA PRESIDENTE DO CONSELHO EXECUTIVO DA ESCOLA BáSICA DOS 2º E 3ºCICLOS BARTOLOMEU DIAS, EM SACAVéM.

É A ESCOLA DE SACAVÉM QUE, A PAR COM A DA APELAÇÃO, RECEBE OS ALUNOS DA QUINTA DA FONTE .

É ALGUÉM QUE TEM ANOS DE EXPERIÊNCIA, DE SABER E DE HISTÓRIAS...
PELO QUE O QUE ELA DIZ DEVE SER ESCUTADO COM ATENÇÃO.

LEIAM E REENVIEM.
ESTAMOS A DEFENDER A ESCOLA PÚBLICA, O ENSINO, A EDUCAÇÃO, A CULTURA...
MAS SOBRETUDO A INTEGRIDADE DO SABER E DO APRENDER, COM CONSCIêNCIA E DIGNIDADE.
--------------------------

COMO ESTOIRAR COM A AVALIAÇÃO BUROCRÁTICA SEM COMETER ILEGALIDADES?

1. Há cerca de 140 mil professores. Com excepção dos PCEs, que ou não são avaliados ou sê-lo-ão pelas DREs, todos os outros dispõem da liberdade e da responsabilidade de recusarem ser avaliados.

2. Essa recusa aplica-se aos não titulares e aos titulares, aos que o são de facto e aos que o são em comissão de serviço.

3. Aplica-se também aos coordenadores de departamento.

4. De acordo com o decreto-lei 15/2007 e o decreto regulamentar 2/2008, um professor que recuse ser avaliado não pode progredir na carreira nesse ano.

5. Não existe mais nenhuma penalização prevista.
Como a esmagadora maioria dos docentes não progride este ano na carreira, a penalização é residual.

6. Está nas mãos de todos os professores - porque todos têm o estatuto de avaliados -, recusarem ser avaliados.

7. Não é necessário que os avaliadores recusem avaliar os colegas. Se o fizerem podem estar a incorrer numa violação dos direitos profissionais, visto que faz parte dos conteúdos funcionais dos professores titulares a avaliação dos colegas.

8. Quando o ME e algumas DREs - em especial aquela do Norte -, ameaçam com processos disciplinares estão a referir-se apenas aos avaliadores que recusam avaliar os colegas.

9. Como provei atrás, para estoirar com o modelo burocrático não é necessário que os avaliadores violem conteúdos funcionais.

10. Basta que os avaliadores, à semelhança dos não titulares, recusem ser avaliados.

11. E desta forma simples, o modelo estoira. O ME sabe disso. A ministra também. Por isso é que ela está acabada. O Pedreira também sabe. Todos sabem. E nós também sabemos. É um segredo de Polichinelo.

REENVIEM A TODOS OS QUE CONHECEM POR MAIL!!!!

PROFESSORES OU NÃO, POIS UM NÃO PROFESSOR TEM AMIGOS PROFESSORES.

Esta informação tem de chegar aos 140MIL.

VOU JÁ COMEÇAR! FAZ O MESMO e pede para reenviar.

É a maneira mais simples e barata de acabar com esta palhaçada.

ASSIM, DEPUTADOS FALTISTAS QUE CONTINUEM...
E VEJAM A FIGURINHA QUE FAZEM E ASSIM QUE USEM O SIMPLEX CRIADO PARA NÓS...

ME, QUE SE PREOCUPE EM VER EM QUE SITUAÇÃO COLOCOU A EDUCAÇÃO...

E NÓS... VAMOS FAZER O QUE MAIS GOSTAMOS... DAR AULAS... SER PROFESSOR...

REENVIA JÁ...
------------------------------






Esta mensagem e os ficheiros anexos podem conter informação confidencial ou reservada. Se, por engano, receber esta mensagem, solicita-se que informe de imediato o remetente e que elimine a mensagem e ficheiros anexos sem os reproduzir.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

OS BANCOS E NÓS

SE O LEITOR TIVER UM PEQUENO NEGÓCIO PAGA IVA NA TOTALIADADE
MAS OS BANCOS SÓ PAGAM 15 POR CENTO....GANHARAM MUITOS MILHÕES DE MILHÕES DE EUROS
BLOCO DE ESQUERDA E PCP DENUNCIARAM A SITUAÇÃO.PROPUSERAM AUMNENTO DAS TAXAS QUE ESSES BANCOS PAGAM.
PS , PSD E PP PELAS VOZES AUTORIZADAS DE SÓCRATES, FERREIRA LEITRE E PAULO PORTAS DISSERAM ESTAR DE ACORDO COM A LEI ACTUAL.
AFINLA QUEM DEFENDE AQUELES QUE TRABALHAM?

VIVÓ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Ao que apurei, cada escola vai receber

750 € para despesas relacionadas com a gripe A e
500 € para gastar nas celebrações do Dia do Diploma, no próximo dia 11 (amanhã).
Ora eu estou escandalizado pois os valores deviam ser ao contrário. 500 € mal dá para os croquetes e a gripe A, dê por onde der, todos a apanharemos.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Consulado português em Sevilha

Governo Português anunciou que irá encerrar o Consulado Geral de Portugal em Sevilha.
Esse encerramento implica a perda de um Edifício Histórico Português, que foi construído para albergar Pavilhão de Portugal na Exposição Universal de Sevilha de 1929 e cuja propriedade será devolvida ao Ayuntamiento de Sevilha.

Este Edifício Histórico está localizado no centro da cidade de Sevilha, ao lado do Hotel Alfonso XIII, um dos melhores de Espanha e é cobiçado por grandes interesses espanhóis e internacionais. Nós que o temos na mão, por direito, decidimos abandoná-lo.

Será que o Governo entende que temos demasiadas referências culturais portuguesas em Espanha?

Será que, decididamente, preferimos acabar com todos os símbolos nacionais? Como este que a Espanha nos cedeu gratuitamente há quase um século, no centro de uma das suas mais importantes e bonitas cidades?

Um Consulado não se mede só pelos serviços que presta. Conta por ser uma presença de um País numa cidade amiga. Uma cidade onde trabalham Portugueses, onde estudam Portugueses, onde se ensina o Português a centenas de estudantes espanhóis. Uma cidade Amiga. Por isso e por estar num Edifício Histórico Português, pode ser também uma Referência da Cultura Portuguesa, a melhor Marca de Portugal. Em Espanha.

Todo o Português que vai a Sevilha se orgulha de ver o seu País, a sua Imagem, o seu Símbolo no centro da Cidade-Monumento.

O Governo Português vai acabar com ele. E sem ganhar nada com isso. Provavelmente veremos em breve no seu interior uma delegação do 'Gungenheim' ou do 'Rainha Sofia'. É que os Espanhóis tratam bem o que têm.

Denuncie esta situação aos seus amigos. E se conhecer o Presidente da República, ou o Primeiro-Ministro envie-lhes também. Para que não digam que o Povo não os avisou. Não envie é para Amigos Espanhóis. Por vergonha.

Grupo Promotor do Círculo de Portugal em Sevilha

terça-feira, 8 de setembro de 2009

POR UMA MELHOR ESCOLA

ESCOLA PÚBLICA
IGUALDADE E DEMOCRACIA

www.movescolapublica.net


Contra o oportunismo, afirmar a escola pública e regressar à luta

O Movimento Escola Pública condena as principais políticas educativas lançadas pelo governo Sócrates, que se caracterizam pela introdução na escola de uma cultura empresarial, burocrática, dirigista e castradora da imaginação e da pedagogia. Neste caldo autoritário e irresponsável, encontra-se o modelo de avaliação de professores, a divisão da Carreira Docente, o novo sistema de gestão das escolas, e a manutenção da precarização e desemprego de milhares de professores, quando a escola pública precisa de estabilidade e recursos para garantir a todos os alunos um ensino de qualidade, independentemente da origem social.

Assim, é com o maior desprezo que reagimos aos arrependimentos disfarçados de Sócrates e da sua Ministra da Educação, que têm como único objectivo comprar o voto dos professores em tempo de eleições.

Precisamente neste tempo de eleições, o Movimento Escola Pública posiciona-se com clareza.

Rejeitamos o slogan "vota à esquerda ou à direita mas não votes PS" porque coloca os professores numa posição estritamente corporativa, como se fosse indiferente para cada um deles o modelo de sociedade e de escola em que vivemos, interessados apenas em salvar a sua pele de forma desesperada.

Apelamos ao voto à esquerda, contra o PS e os partidos da direita, porque é o voto mais genuíno na defesa da importância e do reforço da escola pública, bem como das aspirações das dezenas de milhares de professores que anseiam por estabilidade para o exercício da sua profissão, virada para o sucesso real de todos os alunos, sem exclusões.

Denunciamos a atitude dos partidos da direita, que apenas subscrevem, sublinhe-se que de forma vaga, algumas das principais reivindicações dos professores, por mero oportunismo político. A verdade é que muitas dessas medidas correspondem à sua visão economicista sobre a educação, na linha de um Estado curto que mantém a precariedade dos seus profissionais e que está desejoso por poupar nos seus salários e carreiras. O PS fez o trabalho da direita, e a direita sabe-o bem, por mais que tente disfarçar.

Sintomática é também a defesa que os partidos da direita fazem do novo modelo de gestão das escolas do governo PS, que introduziu os directores para facilitar a transformação da escola numa repartição empresarial do Estado, com uma cadeia de comando hierarquizada.

É à esquerda, contra o PS e a direita, que podemos ajudar a garantir o direito de cada criança e de cada jovem ao sucesso com qualidade, e assegurar condições a professores e professoras, e a todos os profissionais de educação, para reforçar o seu compromisso com a escola e o futuro dos seus alunos e alunas.

Definido o campo da nossa escolha eleitoral importa também, neste período que precede as eleições, manter vivas as aspirações dos professores, que, evitando a instrumentalização por outros, têm tudo a ganhar na realização de uma nova acção de protesto, sem jugos partidários ou daqueles que só pretendem cavalgar a luta dos professores em nome de intenções populistas e justicialistas.

Nesse sentido, o Movimento Escola Pública promoverá contactos entre movimentos e sindicatos, para a definição de uma acção de protesto a realizar no próximo dia 19 de Setembro (data em aberto). Uma acção que coloque no centro o valor da escola pública inclusiva e a dignidade dos profissionais de educação, repetidamente enxovalhados nos últimos anos.


Movimento Escola Pública, 4 de Setembro de 2009

NA MADEIRA..DO JARDIM

Défice democrático?
Na Madeira?
NUNCA...NUNCA...
Ò Manuela...vc passou-se de vez?

EM ADORAÇÃO AO GRANDE LÍDER

NÃO NOS ESQUECEMOS

Manuela no seu melhor


Assim, se a chegar ao Governo, a dra. Ferreira Leite extinguirá o
pagamento especial por conta que a dra. Ferreira Leite criou em 2001;
a primeira-ministra dra. Ferreira Leite alterará o regime do IVA, que
a ministra das Finanças dra. Ferreira Leite, em 2002, aumentou de 17
para 19% ; promoverá a motivação e valorização dos funcionários
públicos cujos salários a dra. Ferreira Leite congelou em 2003;
consolidará efectiva, e não apenas aparentemente, o défice que a dra.
Ferreira Leite maquilhou com receitas extraordinárias em 2002, 2003 e
2004; e levará a paz às escolas, onde o desagrado dos alunos com a
ministra da Educação dra. Ferreira Leite chegou, em 1994, ao ponto de
lhe exibirem os traseiros. No dia anterior, o delfim Paulo Rangel já
tinha preparado os portugueses para o que aí vinha: "A política é
autónoma da ética e a ética é autónoma da política".»

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

DE MANUELA A SÓCRATES..DE SÓCRATES A MANUELA

Manuela no seu melhor


Assim, se a chegar ao Governo, a dra. Ferreira Leite extinguirá o pagamento especial por conta que a dra. Ferreira Leite criou em 2001; a primeira-ministra dra. Ferreira Leite alterará o regime do IVA, que a ministra das Finanças dra. Ferreira Leite, em 2002, aumentou de 17 para 19% ; promoverá a motivação e valorização dos funcionários públicos cujos salários a dra. Ferreira Leite congelou em 2003; consolidará efectiva, e não apenas aparentemente, o défice que a dra. Ferreira Leite maquilhou com receitas extraordinárias em 2002, 2003 e 2004; e levará a paz às escolas, onde o desagrado dos alunos com a ministra da Educação dra. Ferreira Leite chegou, em 1994, ao ponto de lhe exibirem os traseiros. No dia anterior, o delfim Paulo Rangel já tinha preparado os portugueses para o que aí vinha: "A política é autónoma da ética e a ética é autónoma da política".»

Manuel António Pina, Jornal de Notícias, 28 de Agosto de 2009.

sábado, 5 de setembro de 2009

Em espanhol..mas vale a pena ler

DES)DITOSA PÁTRIA MINHA AMADA.....
LISBOA, 21 sep (IPS) - Indicadores económicos y sociales periódicamente
divulgados por la Unión Europea (UE) colocan a Portugal en niveles de
pobreza e injusticia social inadmisibles para un país que integra desde
1986 el 'club de los ricos' del continente.
Pero el golpe de gracia lo dio la evaluación de la Organización para la
Cooperación y el Desarrollo Económicos (OCDE): en los próximos años
Portugal se distanciará aún más de los países avanzados.
La productividad más baja de la UE, la escasa innovación y vitalidad del
sector empresarial, educación y formación profesional deficientes, mal
uso de fondos públicos, con gastos excesivos y resultados magros son los
datos señalados por el informe anual sobre Portugal de la OCDE, que
reúne a 30 países industriales.
A diferencia de España, Grecia e Irlanda (que hicieron también parte del
'grupo de los pobres' de la UE), Portugal no supo aprovechar para su
desarrollo los cuantiosos fondos comunitarios que fluyeron sin cesar
desde Bruselas durante casi dos décadas, coinciden analistas políticos y
económicos.
En 1986, Madrid y Lisboa ingresaron a la entonces Comunidad Económica
Europea con índices similares de desarrollo relativo, y sólo una década
atrás, Portugal ocupaba un lugar superior al de Grecia e Irlanda en el
ranking de la UE. Pero en 2001, fue cómodamente superado por esos dos
países, mientras España ya se ubica a poca distancia del promedio del
bloque.
'La convergencia de la economía portuguesa con las más avanzadas de la
OCE pareció detenerse en los últimos años, dejando una brecha
significativa en los ingresos por persona', afirma la organización.
En el sector privado, 'los bienes de capital no siempre se utilizan o se
ubican con eficacia y las nuevas tecnologías no son rápidamente
adoptadas', afirma la OCDE.
'La fuerza laboral portuguesa cuenta con menos educación formal que los
trabajadores de otros países de la UE, inclusive los de los nuevos
miembros de Europa central y oriental', señala el documento.
Todos los análisis sobre las cifras invertidas coinciden en que el
problema central no está en los montos, sino en los métodos para
distribuirlos.
Portugal gasta más que la gran mayoría de los países de la UE en
remuneración de empleados públicos respecto de su producto interno
bruto, pero no logra mejorar significativamente la calidad y eficiencia
de los servicios.
Con más profesores por cantidad de alumnos que la mayor parte de los
miembros de la OCDE, tampoco consigue dar una educación y formación
profesional competitivas con el resto de los países industrializados.
En los últimos 18 años, Portugal fue el país que recibió más beneficios
por habitante en asistencia comunitaria. Sin embargo, tras nueve años de
acercarse a los niveles de la UE, en 1995 comenzó a caer y las
perspectivas hoy indican mayor distancia.
Dónde fueron a parar los fondos comunitarios? , es la pregunta
insistente en debates televisados y en columnas de opinión de los
principales periódicos del país. La respuesta más frecuente es que el
dinero engordó la billetera de quienes ya tenían más.
Los números indican que Portugal es el país de la UE con mayor
desigualdad social y con lossalarios mínimos y medios más bajosdel
bloque, al menos hasta el 1 de mayo, cuando éste se amplió de 15 a 25
naciones.
También es el país del bloque en el que los administradores de empresas
públicas tienen los sueldos más altos.
El argumento más frecuente de los ejecutivos indica que 'el mercado
decide los salarios'. Consultado por IPS, el ex ministro de Obras
Públicas (1995-2002) y actual diputado socialista João Cravinho
desmintió esta teoría. 'Son los propios administradores quienes fijan
sus salarios, cargando las culpas al mercado', dijo.
En las empresas privadas con participación estatal o en las estatales
con accionistas minoritarios privados, 'los ejecutivos fijan sus sueldos
astronómicos (algunos llegan a los 90.000 dólares mensuales, incluyendo
bonos y regalías) con la complicidad de los accionistas de referencia',
explicó Cravinho.
Estos mismos grandes accionistas, 'son a la vez altos ejecutivos, y todo
este sistema, en el fondo, es en desmedro del pequeño accionista, que ve
como una gruesa tajada de los lucros va a parar a cuentas bancarias de
los directivos', lamentó el ex ministro.
La crisis económica que estancó el crecimiento portugués en los últimos
dos años 'está siendo pagada por las clases menos favorecidas', dijo.
Esta situación de desigualdad aflora cada día con los ejemplos más
variados. El último es el de la crisis del sector automotriz.
Los comerciantes se quejan de una caída de casi 20 por ciento en las
ventas de automóviles de baja cilindrada, con precios de entre 15.000 y
20.000 dólares.
Pero los representantes de marcas de lujo como Ferrari, Porsche,
Lamborghini, Maserati y Lotus (vehículos que valen más de 200.000
dólares), lamentan no dar abasto a todos los pedidos, ante un aumento de
36 por ciento en la demanda. Estudios sobre la tradicional industria
textil lusa, que fue una de las más modernas y de más calidad del mundo,
demuestran su estancamiento, pues sus empresarios no realizaron los
necesarios ajustes para actualizarla.
Pero la zona norte donde se concentra el sector textil, tiene más autos
Ferrari por metro cuadrado que Italia.
Un ejecutivo español de la informática, Javier Felipe, dijo a IPS que
según su experiencia con empresarios portugueses, éstos 'están más
interesados en la imagen que proyectan que en el resultado de su trabajo'.
Para muchos 'es más importante el automóvil que conducen, el tipo de
tarjeta de crédito que pueden lucir al pagar una cuenta o el modelo del
teléfono celular, que la eficiencia de su gestión', dijo Felipe,
aclarando que hay excepciones.
Todo esto va modelando una mentalidad que, a fin de cuentas, afecta al
desarrollo de un país', opinó.
La evasión fiscal impune es otro aspecto que ha castrado inversiones del
sector público con potenciales efectos positivos en la superación de la
crisis económica y el desempleo, que este año llegó a 7,3 por ciento de
la población económicamente activa.
Los únicos contribuyentes a cabalidad de las arcas del Estadoson los
trabajadores contratados, que descuentan en la fuente laboral. En los
últimos dos años, el gobierno decidió cargar la mano fiscal sobre esas
cabezas, manteniendo situaciones 'obscenas' y 'escandalosas' , según el
economista y comentarista de televisión Antonio Pérez Metello.
'En lugar de anunciar progresos en la recuperación de los impuestos de
aquellos que continúan riéndose en la cara del fisco, el gobierno
(conservador) decide sacar una tajada aun mayor de esos que ya pagan lo
que es debido, y deja incólume la nebulosa de los fugitivos fiscales,
sin coherencia ideológica, sin visión de futuro', criticó Metello.
La prueba está explicada en una columna de opinión de José Vitor
Malheiros, aparecida este martes en el diario Público de Lisboa, que
fustiga la falta de honestidad en la declaración de impuestos de los
lamados profesionales liberales.
Según esos documentos entregados al fisco, médicos y dentistas
declararon ingresos anuales promedio de 17.680 euros (21.750 dólares),
los abogados de 10.864 (13.365 dólares), los arquitectos de 9.277
(11.410 dólares) y los ingenieros de 8.382 (10.310 dólares).
Estos números indican que por cada seis euros que pagan al fisco, 'le
roban nueve a la comunidad', pues estos profesionales no dependientes
deberían contribuir con 15 por ciento del total del impuesto al ingreso
por trabajo singular y sólo tributan seis por ciento, dijo Malheiros.
Con la devolución de impuestos al cerrar un ejercicio fiscal, éstos
'roban más de lo que pagan, como si un carnicero nos vendiese 400 gramos
de bife y nos hiciese pagar un kilogramo, y existen 180.000 de estos
profesionales liberales que, en promedio, nos roban 600 gramos por
kilo', comentó con sarcasmo.
Si un país 'permite que un profesional liberal con dos casas y dos
automóviles de lujo declare ingresos de 600 euros (738 dólares) por mes,
año tras año, sin ser cuestionado en lo más mínimo por el fisco, y
encima recibe un subsidio del Estado para ayudar a pagar el colegio
privado de sus hijos, significa que el sistema no tiene ninguna
moralidad', sentenció.

QUEM TRAMOU QUEM?

Terá sido alguém muito estúpido ligado ao P.S. que pensou que nesta altura do campeonato a suspensão do "jornal das sextas" da TVI iria beneficir o P.S.?
Ou terá sido alguém ligado ao P.S.D. que conseguiu que essa suspensão fosse feita para se pensar que fora o P.S. e assim beneficiar o P.S.D.?
Lembram-se daquela do " Eu sei que ele sabe que eu sei que ele sabe..."
Ou terá sido a própria Manuela que , sabendo quee ia ser corrida e com a ajuda do marido ( mestre em habilidades) fez com que acabassem mesmo com o programa?
Seja como for ..é um sintoma da baixa política que temos e um sintoma que para o "bloco central" as pessoas nnão contam mesmo..e o que vale é o melhor modo de lixar os outros?

BOA ESCOLHA

Afinal quem é???... Carolina Patrocínio ??? Mandatária para a
Juventude pelo Partido Socialista de José Sócrates???



Carolina Patrocínio é uma jovem com uns olhos espertos que gostam de
andar sempre muito juntos, uma cara patusca, um sorriso simpático e
fácil. É rica, famosa e aparece em tudo o que é programa de televisão
e revista cor de rosa. Ninguém sabe se aparece por ser famosa, ou se é
famosa porque aparece.

Os portugueses devem gostar muito de a ver em fato de banho, atendendo
a que é quase impossível arranjar na net uma fotografia da moça,
vestida com outra indumentária. Muitos desses portugueses devem ter,
para além disso, um especial prazer em vê-la a "ausentar-se", tal é a
quantidade dessas fotografias em que aparece de costas.

Até há pouco tempo, não se lhe conhecia uma ideia sobre coisa nenhuma.
Uma entrevista recente, e onde fala exaustivamente do que gosta e não
gosta, embora mantendo o suspense quanto às suas ideias sobre a
situação sócio/política nacional e internacional, as eleições que
temos aí à porta e a sua importância para a juventude portuguesa, as
saídas profissionais (ou a falta delas) para essa mesma juventude,
etc, etc, etc... mesmo assim, deu-nos a conhecer outras
características da jovem "apresentatriz". Ficamos a saber que trabalha
apenas para se divertir, pois "felizmente não precisa de trabalhar",
que "detesta frutas que tenham que ser descascadas" e a frase que anda
toda a gente a discutir, "só como cerejas se a minha empregada lhes
tirar os caroços", aplicando-se o mesmo princípio às grainhas das
uvas, que, segundo ela, "são uma grande trabalheira".

Foi escolhida para Mandatária para a Juventude pelo Partido Socialista
de José Sócrates.

Para além de, como quase toda a gente, também não vislumbrar o que é
que Sócrates acha que a juventude portuguesa com idade para votar deve
ver na jovem e mediática Carolina Patrocínio, que lhe sirva como
modelo ou exemplo a seguir, gostaria de chamar a atenção para uma
pequena frase da Mandatária, logo a seguir à tal das cerejas e que
parece ter escapado aos espectadores, que terão, muito
compreensivelmente, ficado apardalados com a problemática dos caroços
e grainhas. Diz a Mandatária da Juventude:

"Sou muito competitiva. Detesto perder! Prefiro fazer batota, a ter que perder!"

Ora aí está! Quase que aposto ter sido esta a "qualidade" (para
Sócrates um verdadeiro programa eleitoral...) que cativou o Primeiro
Ministro

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

PARABÉNS

Parabéns, Francisco Louçã… Parabéns Jerónimo de Sousa

Ontem no seu debate naTV, Francisco Louçã e Jerónimo de Sousa deram uma verdadeira lição de democracia.
Aqueles que julgavam ir assistir a um duelo entre dois líderes políticos com vista à disputa do terceiro lugar nas próximas eleições legislativas ficaram redondamente enganados.
Ambos tiveram a lucidez de não se deixar enredar em armadilhas e de denunciar a grave situação do país como fruto de sucessivos governos do P.S e do P.S.D.
Ambos reafirmaram a sua indisponibilidade para acordos em troca de lugares, mas sim a sua disponibilidade para acordos apenas nas situações em que isso traga benefícios para o Povo português.
No final a entrevistadora perguntou qual a razão porque estando B.E e P.C.P de acordo nas grande questões nacionais não formam uma frente única. na luta contra as politicas de direita.
Louça e Jerónimo argumentaram com a especificidade dos respectivos partidos.
Compreende-se e sabe-se que a esquerda ainda não está suficientemente madura para dar esse passo.
Mas aquilo que já se verifica nas lutas do dia a dia( contra o desemprego, no ensino..etc) e que já se traduz na grande unidade em volta da CGTP. acabará –assim o acreditamos - por forjar uma grande força de esquerda, unindo bloquistas, comunistas e os verdadeiros socialistas que não se revêem nas políticas de Sócrates.
Cabe-nos a nós, no próximo dia 27 e através do nosso voto reforçar as forças daqueles que querem um Portugal mais democrático, mais justo, mais solidário.
Que cada um vote em sua consciência…

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

MANUEL PINHO- ELE MERECE

Paços de Ferreira vai baptizar uma avenida com o nome de Manuel Pinho.
É um privilégio – relembro o ex-ministro de Durão Barroso, Amílcar Théias, cujo nome deveria ter sido consagrado num quartel de bombeiros celebrando a sua explicação de que os fogos de Verão eram devidos às armas que os ex-combatentes do Ultramar tinham enterrado nas matas. Na verdade, Portugal exibe um extenso rol de ex-ministros intelectualmente afins e que nunca receberam tão subida honra.
Em prol da sua nova carreira, Pinho deveria recusar a oferta. O País já se estava a habituar a vê-lo nas revistas cor–de-rosa, todo contente, garantindo que as pessoas, agora, “lhe pedem autógrafos”…
E, depois, porquê uma avenida? A figura de Pinho parece bem mais fadada para uma praça de toiros.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

QUE FALTA DE DIGNIDADE

lEVARAM QUATRO ANOS A ATACAR OS PROFESSORES... A DIZER QUE A SUA POLITICA EM RELAÇÃO AO ENSINO É QUE ERA A CERTA... E AGORA..MISERAVELMENTE...TENTANDO CONQUISTAR ALGUNS VOTOS QUASE PEDEM DESCULPA POR NÃO TER COMPREENDIDO A CLASSE.
MISERÁVEIS LÁGRIMAS DE CROCODILO..EM QUE CERTAMENTE NENHUM PROFESSOR IRÁ ACREDITAR.
FENPROF E FNE JÁ DERAM A RESPOSTA DAS ESTRUTURAS...OS PROFESSORES..CADA UM POR SI..FÁ-LO-ÃO A 26 DESTE MÊS.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

CULTURA Á MODA DA LURDINHAS

SÓ O PUGRAMA NOBAS OPURTONIDADES É QUE NOS BAI SALBAR...É BERDADE!



É DE RIR .....
Mas os comentários não ficam nada atrás
As seguintes afirmações foram retiradas de diversas provas globais este ano:

Biologia
'A respiração anaeróbia é a respiração sem ar que não deve passar de três minutos.'
(Queria ver o artista a experimentar)

' As plantas distinguem-se dos animais por só respirarem à noite.'
(E tu enquadras-te em que categoria? A julgar pela falta de oxigénio no
Cérebro deve ser na 1ª, não?)

'Os crustáceos fora de água respiram como podem.'
(É como a resposta: respondeu como pôde...)

'Carácter sexual secundário são as modificações morfológicas sofridas por um indivíduo após manter relações sexuais.'
(Deves ser cá um leão na cama!)

'A insónia consiste em dormir ao contrário.'
(Eu é que te viro ao contrário, sua anta!)

'Quando um animal irracional não tem água para beber, só sobrevive se for empalhado.'
(Por essa ordem de ideias, já há algum tempo que não deves ter nada para
beber...)

'O coração é o único órgão que não deixa de funcionar 24 horas por dia.'
(Pois, e os outros vão todos prós copos, seu maluco!)

'Os ruminantes distinguem-se dos outros animais porque o que comem, comem duas vezes.'
(Este fala por experiência própria, com certeza!)

'As aves têm na boca um dente chamado bico.'
(Tu é que precisavas de levar um bico nessa boca!)

'O Sol dá-nos luz, calor e turistas.'
(E gajas, esqueceste-te das gajas!)

'A principal função da raiz é enterrar-se.'
(Já te enterraste e bem )

'O vento é uma imensa quantidade de ar.'
(E ar é o que não falta dentro dessa cabecinha!)

História
'O objectivo de uma Sociedade Anónima é ter muitas fabricas desconhecidas.'
(E a sociedade por quotas é constituída por pessoas com alguma idade , certo?)

'Na Grécia a democracia funcionava muito bem porque os que não estavam de acordo envenenavam-se.'
(Se te envenenasses também não se perdia nada!!)

'As múmias tinham um profundo conhecimento de anatomia.'
(Eram muitos espertas, as múmias!)

'A arquitectura gótica notabilizou-se por fazer edifícios verticais.'
(Bem visto, nunca tinha reparado nisso!)

'A febre amarela foi trazida da China por Marco Polo..'
(E a febre tifóide, terá vindo da Tifolândia?)

'A harpa é uma asa que toca.'
(Tu é que podias bater as asinhas e ir cantar para outra freguesia...)

'Péricles foi o principal ditador da democracia Grega.'
(...Ou terá sido o principal democrata da ditadura Grega?!)

'Os Egípcios antigos desenvolveram a arte funerária para que os mortos pudessem viver melhor.'
(E resultou! Basta ver o ar de felicidade das múmias, quando saem da pirâmide para dar uma volta...)

Geografia



'O petróleo apareceu há muitos séculos, numa época em que os peixes afogavam-se dentro de água.'
(E em que século é que uma ave rara como tu apareceu?)

'O problema fundamental do terceiro mundo é a superabundância de necessidades.'
(E o teu problema é a superabundância de estupidez!)

Geologia
'Terramoto é um pequeno movimento de terras não cultivadas.'
(Sim, porque as terras cultivadas não se metem nisso!)

Química
'Lavoisier foi guilhotinado por ter inventado o oxigénio.'
(Um gajo já não pode ser bom!...)