Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

SARAMAGO TINHA RAZÃO

Não,..não falo da polémica sobre Caim.
Falo da su afirmação de que Portugal estaria bem se integrado numa federação ibéricacom a Espanha.
Com a podridão que grassa poraí..nem isso já nos safava...
Pobre país

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

TECNOLOGIA DO FUTURO.... E AS PESSOAS?

VAI UMA APOSTINHA?

Alguém quer apostar em como este processo vai ser como os outros do "Freeport"... "Submarinos"... "Casa Pia"... "BPN"... BPP"... etc..etc...
E ACABA EM ÁGUAS DE BACALHAU...
CLARO..os pobres que paguem a crise...

O vice-presidente do Millennium BCP e ex-ministro da Administração Interna do Governo Guterres, Armando Vara, foi hoje constituído arguido no âmbito da operação Face Oculta. Com o objectivo de esclarecer a adjudicação fraudulenta de concursos e consultas públicas na área da recolha e gestão de resíduos industriais, a operação da Polícia Judiciária terá surpreendido o empresário a pedir cerca de dez mil euros para pagar a intermediação de negócios.
Ler mais e comentar...

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

REZAR É FÁCIL

SOBRE O PADRE QUE É ACUSADO DE TRÁFICO DE ARMAS( é?)



Foi detido a seguir à missa, ainda na sacristia, no domingo da manhã em Covas do Barroso, uma aldeia no meio dos montes de Boticas, distrito de Vila Real. Foi assim que a história do padre Fernando Guerra transpirou. Mas, antes de sair nos jornais, já muitos conheciam o sacerdote e suspeitavam dos seus alegados negócios de compra e venda de pistolas e outras armas. Dizem que foi assim que fez fortuna. Que não soube parar quando tinha os bolsos já cheios, quatro ou cinco carros na garagem e várias casas espalhadas. Que, cometendo o pecado mortal da ganância, o "padre pistoleiro acabou por ser tramado".Adriano Miranda (arquivo)


Uma das igrejas de Covas do Barroso, a aldeia onde Fernando Guerra é padre há três décadas.
Com 74 anos e há três décadas na mesma paróquia, vai aguardar julgamento em casa, com termo de identidade e residência, proibido de comprar e usar armas. O sorriso de domingo foi apagado pelo cansaço de segunda-feira à noite, após um longo interrogatório no tribunal. Ontem regressou ao trabalho e rezou uma missa encomendada.

Mas regressemos a domingo. A missa começou às sete com muita chuva cá fora e pouca gente dentro da igreja na freguesia com 300 habitantes, um terço dos quais tem mais de 70 anos. Aos outros as vindimas roubam tempo e a outros ainda a troca das horas baralhou os relógios. A proprietária do café Palifrão foi a primeira a sair. "Ainda estavam a cantar, quando saí para ir abrir o café. Mas nem vi jipes, nem nada, como contam. Vi dois ou três homens à civil ali à espera e fui à minha vida", conta Glória Alves. Aos homens à civil juntaram-se alguns jipes e muitos elementos da Guarda Nacional Republicana que cercaram o adro da igreja. "Dizem que parecia o Iraque. Acho que não era preciso tanto", confirma o presidente da junta que, como é hábito, faltou à eucaristia.

Cooperante e sorridente, o padre Fernando Guerra foi levado da igreja para casa, ali ao lado, só com o cemitério no meio. Dentro da casa de pedra, enquanto os militares da Guarda Nacional Republicana encontravam armas ilegais na sua posse, quis telefonar para o posto público de Canedo, para avisar as gentes que o esperavam que não ia rezar a missa das oito. Sobre as armas admitiu que apenas uma estava legal e que outras seriam heranças. Para as que sobravam não tinha explicação. No total foram apreendidas 16 armas ilegais entre pistolas, revólveres e caçadeiras, milhares de munições. Saiu de casa ainda a sorrir, de óculos escuros, e foi levado para a esquadra, com outros três homens detidos no âmbito da mesma investigação. Telefonou depois para o presidente da junta de freguesia de Covas do Barroso, a quem pediu que lhe levasse os medicamentos esquecidos. Não lhe chegou sequer a agradecer o favor. "Estava calmo. Mas estava baralhado e nem agradeceu. Qualquer um ficava baralhado, não é?", diz Olímpio Gomes, o autarca da aldeia, incomodado. "Acaba por ser uma coisa que nos envergonha."

Com a perspectiva de passar a noite na esquadra, o padre quis então que o deixassem ir rezar uma missa de sétimo dia encomendada para segunda-feira de manhã em Covas do Barroso. Que o levassem lá e o trouxessem de volta a seguir. Mas não. Impedido de cumprir o dever, esperou pelo interrogatório. Na tarde de domingo, o caso do padre já aparecia na televisão. Foi assim que alguns fiéis da vizinha Canedo souberam do motivo da falta do sacerdote.

Quando chegou ao tribunal, o padre levava vestido o mesmo sorriso e os mesmos óculos escuros. Desta vez, era esperado por algumas dezenas de habitantes de Covas do Barroso e outras aldeias onde deixou marcas. Aí, chamaram-lhe "padre pistoleiro", pediram justiça e criticaram a hora do acerto de contas: "Custou a entrar lá dentro, mas agora vai." O presidente da junta de Couto de Dornelas contava a quem o quisesse ouvir que, nos tempos em que o padre dava aulas de religião e moral na escola secundária de Boticas, havia armas em cima da mesa do professor e maços de notas para contar à vista dos alunos. Fernando Guerra saiu horas depois do tribunal, cansado. Já era noite, quando regressou a casa de boleia, apesar de o seu Mercedes ter sido levado para Boticas no dia da detenção. Foi posto em liberdade, mas todas as semanas terá de se apresentar em Boticas. Até ao dia do julgamento.

Na segunda-feira, enquanto esperava para prestar contas à justiça, as histórias polémicas que envolvem o padre faziam eco em Boticas. Com mais ou menos pormenores, contava-se o caso da agressão de Fernando Guerra ao coveiro no cemitério num dia de desentendimento por causa de um funeral. O coveiro terá sido agredido com uma chave e desceu a rua a escorrer sangue. Mas a discussão já vinha de casa do defunto e a vítima também não terá sido inocente no caso, justificam os mais crentes. Lembravam ainda, com mais ou menos ironia, o dia em que o sacerdote afirmou ter sido alvo de um atentado nunca provado que envolveu tiros ao seu carro e até um ferimento na mão. Vítima ou um embuste do padre? Havia ainda o registo da polémica sobre a disputa entre o padre e a junta de freguesia pela posse da Casa do Santo, em Couto de Dornelas, que terá tido como último episódio uma abaixo-assinado da população a pedir o fim dos seus serviços de missas e funerais.

Os assuntos do padre Fernando foram tema de conversa no dia seguinte à detenção. Mais nesse dia do que nos outros. A verdade é que nos outros dias cada um tem a sua vida por ali. Sobre o sacerdote faz-se um refrão na cantiga dos lugares, nem amigo, nem inimigo. Sim, tem armas. E daí? "Se formos prender todos os que têm armas em casa, fica pouca gente por aqui. Há muitos caçadores e, ao que sei, ele, de vez em quando, caça", ouve-se no café da aldeia, onde duas pessoas encostadas ao balcão sorriem às perguntas, envoltos numa nuvem de moscas. Disparava uns tiros no quintal? E daí? "Eu também faço isso no fim de ano e não vou preso por isso." Quanto ao resto: "Isso já não sei, nunca vi", "eu cá não tenho o que dizer dele", "não tenho queixa". No outro café da aldeia, o Palifrão, Glória pede desculpa por ter a camisola suja, enquanto limpa os óculos embaciados. "Pouco ou nada sei", diz a proprietária do café, mais preocupada com o jejum dos clientes do que com os negócios do padre. A conversa é interrompida duas vezes. Uma para atender o telefone e responder da mesma forma vaga às perguntas de outro jornalista à distância e outra para preparar duas sandes de queijo aos famintos, oferta da casa. "Queixa dele, não tinha nenhuma. A minha conversa com ele era pouca. Não vou sempre à missa, mas, digo-lhe, as palavras dele às vezes comovem a gente" "Padres há muitos"

Na rua, Profetina Barros espreita pelo portão velho, em frente à casa de pedra do padre Fernando Guerra. Ouve o presidente da junta a falar e pára de cara desconfiada debaixo de um barrete de lã. Por fim, leva os curvados 88 anos pelo caminho do carreiro de terra em silêncio até ao beiral de uma porta e daí atira. "Padres há muitos, se ele não voltar, há-de vir outro qualquer." Mas gosta do padre dona Profetina? "Se gosto ou não gosto, sei-o eu", dita em tom de desafio. E nós aceitamos. Diga lá, intercede Olímpio Gomes. "Digo porquê? Não me estou a confessar." A conversa com o presidente da junta continua e, por fim, Profetina já apoiada na carrinha do autarca concede: "Gosto e sempre gostei. Nunca fui bater à porta dele que não fosse servida." O autarca passa os dedos grossos pela testa, apoia-se na carrinha onde leva as bilhas de gás vazias que trocou em casa de Profetina, e admite que "havia quem se perguntasse como ele teria tanto dinheiro. Falava-se nisso, de vez em quando". Olímpio não sabe, nem quer saber as contas do padre mas constata que "carros ele tem pelo menos quatro, dois jipes, um Mercedes e uma carrinha". Mas isso, frisa, "é lá a vida dele". "Se me voltar a ligar, volto a ir lá. Nem que seja à prisão. O que faço por ele, fazia por qualquer um daqui." Os olhos e o sorriso franco do homem fazem com que seja impossível duvidar.

Na aldeia vizinha de Canedo, onde no domingo esperavam o padre para a missa das oito, Aníbal ri-se. À sombra das pedras, de camisola grossa com torcidos e boné de xadrez, é mais um dos habitantes dos montes que diz não estar preocupado com o futuro do padre. "Ele tem meia dúzia de carros e várias casas", assegura. Ao lado, um homem enfurecido vai gritando insultos ao sacerdote. Que não lhe baptizou o neto porque o filho não era casado e, ainda assim, lhe levou "sete contos e meio" pela declaração que o remeteu para outro padre. Aníbal continua: "Dizem que era rico. Eu nunca vi o dinheiro dele, mas olhe que ele viu bastante do meu." E quanto à questão que agita a região sobre quem teria denunciado o padre, Aníbal parece certo: "Foi algum amigo que ele tinha." O outro homem, irado, sobe a rua em frente a agitar os braços para sentenciar: "Por mim, padres era um por concelho e todos capados!"

"Toda a gente sabia na região que se metia no que desse dinheiro", ouve-se longe das aldeias onde o padre reza missa. A fama do homem nascido em Gralhas, em Montalegre, transborda dos montes. Arriscou de mais e, depois da fortuna garantida, devia ter-se desfeito dos negócios, dizem uns que preferem não envolver o nome nesta "embrulhada antiga".

Nem o bispo de Vila Real será capaz de meter as mãos no fogo. Joaquim Gonçalves disse ao Jornal de Notíciasque as armas do padre poderiam estar ligadas "ao vício da caça entre o clero". "Admito que, embora sendo ilegal, ajudasse a fornecer os que caçam. É ilegal, não é bonito, mas, nesse contexto, é humanamente compreensível (...). Se for além desse fornecimento para caça e se se estiver perante um caso de terrorismo ou de uso para a violência, aí o caso é sério e merece ponderação", acrescentou o bispo, que anunciou que, para já, o padre Fernando Guerra mantém-se à frente da paróquia.Missa vazia

Ontem à tarde, as conversas acalmaram. Os portões da casa do pároco estavam abertos. Lá dentro apenas o cão ladrava face à presença de estranhos. Dizem-nos que o padre não está: "Saiu depois da missa." O padre chegou tarde na noite anterior, depois de ter sido ouvido no tribunal, mas hoje de manhã voltou ao trabalho. "Antes das nove já estava o sino a tocar para a missa", conta Napoleão Rebelo, enquanto se equilibra entre a enxada e uma bengala. À celebração só compareceram "quatro ou cinco pessoas". "Acho que ninguém estava a contar que houvesse missa." Era uma missa de 7º Dia em memória de um habitante da aldeia. Devia ter acontecido na segunda-feira, mas o pároco estava no tribunal. Ontem compensou os fiéis.

Em Covas de Barroso o dia foi calmo. "Foi a mais comum normalidade", elabora a mulher do presidente da junta. Olímpio Gomes, há mais de 20 anos no poder, fala num dia "normal". As pessoas fizeram a vida habitual. "Quase nem falaram do assunto", assegura o autarca. Diz que a população está à espera "que a Justiça decida" o futuro do padre, mas que até lá tudo "continuará como era".

Maria Helena, dona do Nosso Café, um dos dois da aldeia, confirma. "Foi um dia como os outros. As pessoas nem falaram muito do que se passou", assegura. Lembra os 30 anos que o padre leva na freguesia e afirma que "não tem que dizer" do religioso. "Se ele tinha problemas, era lá com ele, porque com a gente da aldeia nunca houve nada", afirma.

Napoleão Rebelo recorda uma história diferente. "Havia dias em que isto parecia uma carreira de tiro", afirma, apontando a casa do padre. Conta que o pároco experimentava armas nos terrenos anexos e que "até vinham uns rapazes de fora para ver as armas com ele".

Junto deste homem o padre não goza de boa fama. "Punha os cavalos a pastar no adro da igreja, nem parecia que acreditava naquilo que dizia na missa." Com Samuel Silva

MAIS UM

Escandaloso: HUGO MARÇAL ... JUÍZ ... !!!
Digam-me que isto é mentira !!!!!
Hugo Marçal... JUÍZ !!!!
Este processo das crianças violadas vai mesmo ficar em "águas de bacalhau".
É incrível a passividade do povo português face a este escândalo da
pedofilia. Tem que se fazer justiça !
Façam fwd do mail !!!!
"Hugo Marçal está em vias de ser admitido a frequentar o curso de auditor de
justiça do Centro de Estudos Judiciários. O nome do arguido no processo de
pedofilia da Casa Pia vem publicado no Diário da República de ontem, entre
centenas de candidatos a frequentar a escola que forma os juízes portugueses
Mas ao contrário dos outros, Hugo Marçal não vai prestar provas....
Pelo facto de ser doutor em Direito - grau académico que terá obtido em
Espanha - está por lei «isento da fase escrita e oral» e tem ainda
«preferência sobre os restantes candidatos». Resultado: o advogado de Elvas
está na prática à beira de ser seleccionado para o curso que formará a
próxima geração de magistrados! O nome de Hugo Manuel S. Marçal surge na
página 4961 do Diário da República, 2.ª série, com o número 802, na lista de
candidatos a ingressar no CEJ. Se concluir o curso com aproveitamento e
iniciar uma carreira nos tribunais - primeiro como auditor de justiça,
depois...
Como juiz de direito -
*Marçal terá também o privilégio de não ser julgado num tribunal de primeira
instância*.»

AH, POIS É !!!
É O PAÍS QUE TEMOS !!!

Assim vai a nossa sociedade. O que é preciso é estar na vanguarda da
"modernidade"!...

terça-feira, 27 de outubro de 2009

SÓ O VALE E AZEVEDO? nÃO HÁ OUTROS ?

ESSE NEM SEQUER É ESPERTO.
FOI Aprendam com Vale e Azevedo...

Vale e Azevedo:
Vai a uma churrasqueira e pede ao empregado que embrulhe dois frangos.

Enquanto o empregado embrulha os frangos, repara numas belas codornizes e pergunta ao empregado se pode trocar os 2 frangos por 4 codornizes, ao que o empregado responde: - Claro que sim.

Depois de embrulhadas as codornizes e entregues ao cliente, este vai-se embora, quando o empregado irrompe:

- Desculpe, mas o Sr. esqueceu-se de pagar as codornizes.

- Mas eu troquei-as pelos frangos! Disse Vale e Azevedo, "indignado" com a petulância do empregado.

- Mas também não pagou os frangos!

- Correcto, mas também não os levo...

(SÃO MUITOS ANOS .....)


O ÚNICO QUE SE DEIXOU APANHAR...

AINDA A GRIPE SUÍNA (2)

Posted: 26 Oct 2009 07:10 PM PDT
"Não faz qualquer sentido estar contra a vacinação [contra o H1N1], até porque quem integra estes movimentos não tem motivação científica para estar contra", Francisco George, citado pelo Público


Ligue-se esta afirmação a uma outra sobre eventuais processos judiciais a que certos profissionais estariam alegadamente sujeitos por recusarem a vacinação e conclua-se que o direito constitucional de não ser obrigado a um acto médico é para ir para as favas. Isto é uma campanha de medo porque, chegando a vias de facto, no tribunal isto nunca dará nada. Sintomático, no entanto.

Nisto tudo, há que não esquecer que em 1976 (apenas há 33 anos!) morreram mais pessoas da vacina do que da gripe propriamente dita!

Teorias da conspiração à parte, olhem-se os factos:

O Tamiflu já tinha sido apontado para a solução da anterior gripe aviária, cujo caos nunca se verificou;
A gripe suína foi declarada pandemia mas mesmo assim, no hemisfério sul, onde o inverno já passou, esta gripe não teve maior mortalidade do que a gripe comum*.
Não deixa de ser irónico que doenças que realmente matam, como o vírus do papiloma humano só para citar um caso (infecta 25% a 50% das mulheres a nível mundial) não tenha uma campanha vacinação séria mas esta gripe, que não é mais mortal do que as outras gripes, conseguiu ser a maior campanha de vacinação de sempre em Portugal.

O que é que está errado senhora ministra da gripe?

PORTUGAL É ASSIM

Portugal é assim

Este é o pensamento político que temos (em Portugal), está em todas:

· Estádios de futebol, hoje às moscas,
· TGV,
· novo aeroporto,
· nova ponte,
· auto-estradas onde bastavam estradas com bom piso,
· etc. etc.
A quem na verdade serve tudo isto?
PORTUGUESES, LEIAM AS LINHAS SEGUINTES E PENSEM
A QUEM VAI SERVIR O TGV ...

1. AOS FABRICANTES DE MATERIAL FERROVIÁRIO,
2. ÀS CONSTRUTORAS DE OBRAS PÚBLICAS E .... CLARO,
3. AOS BANCOS QUE VÃO FINANCIAR A OBRA ...

OS PORTUGUESES FICARÃO - UMA VEZ MAIS
- ENDIVIDADOS DURANTE DÉCADAS

POR CAUSA DE MAIS UMA OBRA MEGALÓMANA ! ! !


Experimente ir de Copenhaga a Estocolmo de comboio.
Comprado o bilhete, dá consigo num comboio que só se diferencia dos nossos 'Alfa' por não ser tão luxuoso e ter menos serviços de apoio aos passageiros.

A viagem, através de florestas geladas e planícies brancas a perder de vista, demorou cerca de cinco horas.

Não fora conhecer a realidade económica e social desses países, daria comigo a pensar que os nórdicos, emblemáticos pelos superavites orçamentais, seriam mesmo uns tontos.

Se não os conhecesse bem perguntaria onde gastam eles os abundantes recursos resultantes da substantiva criação de riqueza.
A resposta está na excelência das suas escolas,
· na qualidade do seu Ensino Superior,
· nos seus museus e escolas de arte,
· nas creches e jardins-de-infância em cada esquina,
· nas políticas pró-activas de apoio à terceira idade.


Percebe-se bem porque não
· construíram estádios de futebol desnecessários,
· constroem aeroportos em cima de pântanos,
· nem optam por ter comboios supersónicos que só agradam a meia dúzia de multinacionais.

O TGV é um transporte adequado a países de dimensão continental, extensos, onde o comboio rápido é, numa perspectiva de tempo de viagem/custo por passageiro, competitivo com o transporte aéreo.

É por isso que, para além da já referida pressão de certos grupos que fornecem essas tecnologias, só existe TGV em França ou Espanha (com pequenas extensões a países vizinhos).

É por razões de sensatez que não o encontramos
· na Noruega,
· na Suécia,
· na Holanda
· e em muitos outros países ricos.

Tirar 20 ou 30 minutos ao 'Alfa' Lisboa-Porto à custa de um investimento de cerca de 7,5 mil milhões de eurosnão trará qualquer benefício à economia do País.

Para além de que, dado ser um projecto praticamente não financiado pela União Europeia, ser um presente envenenado para várias gerações de portugueses que, com mais ou menos engenharia financeira, o vão ter de pagar.

Com 7,5 mil milhões de euros podem construir-se:

- 1000 (mil) Escolas Básicas e Secundárias de primeiríssimo mundo que substituam as mais de cinco mil obsoletas e subdimensionadas existentes (a 2,5 milhões de euros cada uma);
- mais 1000 (mil) creches (a 1 milhão de euros cada uma);
- mais 1000 (mil) centros de dia para os nossos idosos (a 1milhão de euros cada um).

E ainda sobrariam cerca de 3,5 mil milhões de euros para aplicar em muitas outras carências como, por exemplo, na urgente reabilitação de toda a degradada rede viária secundária.

Cabe ao Governo reflectir.

Cabe à Oposição contrapor.
Cabe-lhe a si participar




















-

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

TRISTE..MAS VERDADEIRO

O SALÁRIO MINIMO EM PORTUGAL PASSOU DE 426 PARA 450 EUROS POR DECISÃO DA ASSEMBLÉIA DA REPÚBLICA.
MAS ALGUNS DEPUTADOS INTERROGADOS SOBRE QUAL ERA ESSE SALÁRIO MINIMO RESPONDERAM COMO ABAIXO SE PODE VER


POBRE PAÍS...

FEZ-SE JUSTIÇA

Fez-se Justiça, finalmente...


A justiça portuguesa está de parabéns! Passem este e-mail a todos os Vossos amigos, pode ser que bata em porta certa.

Depois de anos e anos a batalhar eis que surgem os primeiros resultados.

· Desde a morte de Francisco Sá Carneiro e do eterno mistério que a rodeia,

· Ao desaparecimento de Madeleine McCann,

· Ao caso Casa Pia

· Do caso Portucale

· Operação Furacão

· Da compra dos submarinos

· Às escutas ao primeiro-ministro

· Do caso da Universidade Independente

· Ao caso da Universidade Moderna

· Do Futebol Clube do Porto

· Ao Sport Lisboa Benfica

· Da corrupção dos árbitros

· À corrupção dos autarcas

· De Fátima Felgueiras

· A Isaltino Morais

· Da Braga parques

· Ao grande empresário Bibi

· Das queixas tardias de Catalina Pestana

· Às de João Cravinho

· Dos doentes infectados por acidente e negligência de Leonor Beleza com o vírus da sida

· Do miúdo electrocutado no semáforo

· Do outro afogado num parque aquático

· Das crianças assassinadas na Madeira

· Do mistério dos crimes imputados ao padre Frederico

· Do autarca alentejano queimado no seu carro e cuja cabeça foi roubada do Instituto de Medicina Legal

· A miúda desaparecida em Figueira

· Todas as crianças desaparecida antes delas, quem as procurou

· As famosas fotografias de Teresa Costa Macedo. Aquelas em que ela reconheceu imensa gente 'importante', jogadores de futebol, milionários, políticos.

· Os crimes de evasão fiscal de Artur Albarran

· Os negócios escuros do grupo Carlyle do senhor Carlucci em Portugal.

· O mesmo grupo Carlyle onde labora o ex-ministro Martins da Cruz, apeado por causa de um pequeno crime sem importância, o da cunha para a sua filha.

· E aquele médico do Hospital de Santa Maria, suspeito de ter assassinado doentes por negligência...

· BPN, BCP, BPP

· Vale e Azevedo

· Freeport

Pois é... a justiça portuguesa está de Parabéns!
Depois de anos e anos a batalhar eis que surgem os primeiros resultados.

Prenderam um jovem que fez um download de música ...

YEAAAAAAAAH!... VIVA!!!!

Primeiro português condenado à prisão por pirataria musical na Internet!...

O Indivíduo poderá passar entre 60 a 90 dias atrás das grades por ter feito o download e partilhado música ilegalmente com outros utilizadores!...

domingo, 25 de outubro de 2009

ESPANTOSO

O SEGREDO DE FÁTIMA

A MADEIRA É UM JARDIM...

Impressionante


Depois de passar os olhos por este email, pode-se de certeza concluir que a ilha da Madeira se encontra completamente minada. Vejamos:
> Alberto João Jardim - Presidente do Governo Regional
> Filha - Andreia Jardim - Chefe de gabinete do vice-presidente do Governo Regional

> João Cunha e Silva - vice-presidente do governo Regional
> Mulher - Filipa Cunha e Silva - é assessora na Secretaria Regional do
> Plano e Finanças
> Maurício Pereira (filho de Carlos Pereira, presidente do Marítimo) assessor da assessora
> Nuno Teixeira (filho de Gilberto Teixeira, ex. conselheiro da Secretaria Regional) é assessor do assessor da assessora

> Brazão de Castro - Secretário regional dos Recursos Humanos
> Filha 1 - Patrícia - Serviços de Segurança Social
> Filha 2 - Raquel - Serviços de Turismo

> Conceição Estudante - Secretária regional do Turismo e Transportes
> Marido - Carlos Estudante - Presidente do Instituto de Gestão de
> Fundos Comunitários
> Filha - Sara Relvas - Directora Regional da Formação Profissional

> Francisco Fernandes - Secretário regional da Educação
> Irmão - Sidónio Fernandes - Presidente do Conselho de administração do Instituto do Emprego
> Mulher - Directora!!! do pavilhão de Basket do qual o marido é dirigente

> Jaime Ramos - Líder parlamentar do PSD/Madeira
> Filho - Jaime Filipe Ramos - vice-presidente do pai

> Vergílio Pereira - Ex. Presidente da C.M.Funchal
> Filho - Bruno Pereira - vice-presidente da C.M.Funchal, depois de ter
> sido director-geral!!!! do Governo Regional
> Nora - Cláudia Pereira - trabalha!!!!! na ANAM empresa que gere os aeroportos da Madeira

> Carlos Catanho José - Presidente do Instituto do Desporto da Região
> Autónoma da Madeira
> Irmão - Leonardo Catanho - director!!!! Regional de Informática (não sabia que havia este cargo)

> Rui Adriano - Presidente do Conselho de administração da Sociedade de
> Desenvolvimento!!!!! do Norte e antigo membro do Governo Regional
> Filho - ???? - Director do Parque Temático da Madeira

> João Dantas - Presidente da Assembleia Municipal do Funchal,
> administrador da Electricidade da Madeira e ex. presidente da
> C.M.Funchal
> Filha - Patrícia - presidente do Centro de Empresas e Inovação da Madeira
Genro (marido da Patrícia) - Raul Caíres - presidente da Madeira Tecnopólio (sabem o que isto é?)
> Irmão - Luís Dantas - chefe de Gabinete de Alberto João Jardim
> Filha de Luís Dantas - Cristina Dantas - Directora dos serviços
> Jurídicos da Electricidade da Madeira (em que o tio João Dantas é administrador)
> João Freitas, marido de Cristina Dantas director da Loja do Cidadão

E a lista continua...

Uma autêntica República das Bananas - (sem ofensa para as bananas!)
E depois ainda falam do Rubert Mugabe !!!
Só se for pela cor da pele ?!

(





.

sábado, 24 de outubro de 2009

PARA DESCONTRAIR

POBRES ALENTEJANOS! CONTINUAM A DAR MATÉRIA PARA ANEDOTAS.
FELIZ DIA PARA TODOS!

O Presidente dos Estados Unidos da América, Barak Obama, ouviu tanto falar dos alentejanos, que decidiu convidar um grupo deles para visitarem os Estados Unidos.
Mandou o seu próprio avião buscá-los ao Alentejo e prepararam uma grande recepção no hangar presidencial, onde colocaram um grande palanque, com banda, passadeira e cartazes de boas-vindas.

Ao chegar o avião, a banda começa a tocar, os coros a cantar, abre-se a porta do avião, assoma-se a hospedeira e,... nada, dos convidados… nada.

O presidente, descontrolado porque eles não descem, manda o seu secretário investigar.

O secretário regressa, fala com o presidente e diz-lhe: "Senhor, os alentejanos não querem descer porque têm medo do Well"

O presidente não percebe nada e diz-lhe: "Mas... quem é o Well?"

Regressa o secretário e diz ao alentejano: - O Presidente pergunta quem é Well?

E o alentejano diz-lhe: - Não sei! Mas ali, naquele cartaz diz:

*"WELL COME ALENTEJANOS"*

DESIGUALDADES EM PORTUGAL-DADOS OFICIAIS

As desigualdades e a exploração aumentaram muito em Portugal nos últimos anos. Mostrar isso, utilizando apenas dados oficiais, é o objectivo deste estudo. Desta forma procura-se contribuir para chamar a atenção para uma realidade preocupante que não poderá ser nem ignorada nem esquecida pelo governo “Sócrates 2”.

De acordo com dados do Banco de Portugal, do INE e do Eurostat a percentagem que as remunerações, quer incluindo as contribuições sociais quer sem contribuições sociais, representam da riqueza criada, ou seja, do PIB diminuiu muito após o 25 de Abril. Assim, em 1975, ano em que a situação foi mais favorável para os trabalhadores, as remunerações “liquidas”, ou seja, sem contribuições sociais mas antes do pagamento do IRS, representaram 59% do PIB, enquanto este ano (2009) prevê-se que representem apenas 34,1% do PIB, ou seja, menos 42,2% do que a percentagem de 1975 (em pontos percentuais, menos 24,9 pontos). Se os trabalhadores recebessem em 2009 um valor correspondente à mesma percentagem do PIB que receberam em 1975, receberiam em 2009 mais 40.860 milhões de euros de salários (Quadro I). Este valor dá uma ideia clara das consequências para os trabalhadores do agravamento da desigualdade na repartição da riqueza criada anualmente que se verificou depois de 1975.

Numa sociedade capitalista como é a nossa, o grau de exploração dos trabalhadores é medido pela taxa de mais valia ou taxa de exploração. As estatísticas em Portugal assim como as União Europeia não são elaboradas de molde a se poder calcular com precisão a taxa de mais valia, pois isso poria em causa o próprio sistema capitalista. No entanto mesmo com as limitações existentes pode-se utilizar os dados oficiais para calcular uma taxa que dá uma ideia clara do aumento da exploração em Portugal nos últimos anos. E o valor que se obtém para essa taxa é de 46,3% em 1975 e de 100,6% em 2009. Portanto, a dimensão da exploração dos trabalhadores em Portugal mais que duplicou entre 1975 e 2009.

De acordo com um estudo recente divulgado pela OCDE, Portugal é um dos países onde é maior a desigualdade na distribuição do rendimento. É precisamente no nosso País onde o coeficiente de Gini, que mede a desigualdade, é mais elevado (0,385). A média nos países da OCDE é de 0,311 (Gráfico I). Depois de Portugal, na OCDE apenas existem dois países: Turquia e México.

A pobreza está também a atingir milhares de trabalhadores com emprego devido aos baixos salários que auferem. No fim de 2008, 139,5 mil trabalhadores por conta de outrem recebiam um salário liquido médio mensal inferior a 310 euros por mês, e os que recebiam salários até 600 euros correspondiam a 40,9% do total de trabalhadores por conta de outrem (Quadro II).

Uma camada numerosa da população muito afectada pela desigualdade na repartição do rendimento são os reformados. Em Julho de 2009, a pensão média de velhice de 1.843.375 reformados era apenas de 384,72 euros por mês, e 981.181 mulheres recebiam da Segurança Social uma pensão média de velhice ainda mais baixa (292,10 euros), portanto um valor muito inferior ao limiar pobreza (354,28€/mês-14 meses). Em relação aos reformados por invalidez a situação é ainda mais grave. A pensão media dos 300.173 pensionistas por invalidez paga pela Segurança Social era, em Julho de 2009, de apenas 321,25 euros. E o valor das pensões auferidas pelas mulheres (em média 281,10€ por mês) correspondia apenas a 77,8% das do homem. Mas existem distritos em que as percentagens são ainda inferiores, como sucede com Lisboa (69,4%) e Setúbal (64,4%) – (Quadros III e IV). Se a análise for feita por escalões de pensões conclui-se que 79% dos pensionistas de velhice e de invalidez recebem uma pensão inferior a 407 euros (Quadro V)

Alterar a profunda desigualdade que existe na distribuição do rendimento e da riqueza em Portugal é uma obrigação do próximo governo. E isto até porque a desigualdade existente é uma das causas da fragilidade actual do tecido social e económico do país, e do atraso de Portugal. E como refere a própria OCDE, “ a única forma sustentável de reduzir a desigualdade é travar o desfasamento de salários e rendimentos de capital que lhe está subjacente” (Crescimento Desigual? Distribuição do Rendimento e Pobreza nos Países da OCDE, pág.3, 2009). Para além de uma politica salarial justa que o governo de “Sócrates I” sempre recusou é necessário também alterar um conjunto de leis que estão também a contribuir para agravar as desigualdades: leis fiscais que protegem os rendimentos do capital mas penalizam os rendimentos do trabalho; lei do subsidio de desemprego que exclui centenas de milhares de desempregados do acesso ao subsidio de desemprego; leis da segurança social que reduzem o valor das pensões dos trabalhadores que se reformam e que também impedem a melhoria mesmo das pensões mais baixas dos que já estão reformados; Código do Trabalho, Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas, Lei 12-A/2008, que estão a determinar a desregulamentação das relações de trabalho, dando todo o poder às entidades empregadoras e reduzindo drasticamente os direitos de quem trabalha; etc..

As desigualdades e a exploração têm aumentado em Portugal nos últimos anos. Os próprios dados oficiais sobre a repartição da riqueza criada no País e sobre a situação dos reformados confirmam esse facto. Mostrar isso é o objectivo deste estudo, procurando desta forma contribuir para chamar a atenção do “novo” governo para uma realidade preocupante que não poderá ser nem ignorada nem esquecida como aconteceu no passado recente.

O AGRAVAMENTO DA REPARTIÇÃO DA RIQUEZA CRIADA EM PORTUGAL
Portugal é um dos países da União Europeia onde o nível de desenvolvimento económico é dos mais baixos mas onde a desigualdade na repartição da riqueza criada e do rendimento é mais elevada, situação que se agravou nos últimos anos, o que constitui um dos factores mais importantes para as dificuldades que os portugueses estão a enfrentar e para o atraso do País.

O quadro seguinte, construído com dados oficiais do Banco de Portugal, do INE e do Eurostat, dá uma ideia clara como a repartição da riqueza criada anualmente em Portugal, medida pelo PIB, se agravou muito depois do 25 de Abril.

QUADRO I – A repartição da riqueza criada em Portugal (PIB) no período 1973-2009
ANOS

PIB Milhões escudos Remunerações com Contribuições(*) Milhões escudos Contribuições Sociais Remunerações sem contribuições sociais Milhões escudos % Remunera- ções com Contrib./PIB % Remunera-ções sem Contrib./PIB
Milhões escudos
1973 342.817 188.153 25.784 162.368 54,9% 47,4%
1974 405.744 247.302 34.165 213.138 61,0% 52,5%
1975 469.776 321.150 44.169 276.981 68,4% 59,0%
1976 561.947 373.076 51.772 321.305 66,4% 57,2%
1980 1.476.316 772.260 137.536 634.724 52,3% 43,0%
1985 4.131.014 1.894.891 422.554 1.472.337 45,9% 35,6%
1990 10.072.063 4.505.870 972.792 3.533.078 44,7% 35,1%
1995 15.912.873 7.535.440 1.968.248 5.567.193 47,4% 35,0%
ANOS
PIB Milhões euros Remunerações com Contribuições(*) Milhões euros Contribuições Sociais Milhões euros Remunerações sem contribuições sociais Milhões euros % Rem. c/ Cont./PIB % Rem. S/ Cont./PIB
1998 106.498 52.457 14.902 37.555 49,3% 35,3%
1999 114.192 56.269 15.781 40.488 49,3% 35,5%
2000 122.270 61.083 17.470 43.613 50,0% 35,7%
2001 129.308 64.349 18.513 45.836 49,8% 35,4%
2002 135.434 67.622 19.545 48.077 49,9% 35,5%
2003 138.582 69.431 20.635 48.796 50,1% 35,2%
2004 144.128 71.693 21.227 50.466 49,7% 35,0%
2005 149.123 75.197 23.056 52.141 50,4% 35,0%
2006 155.125 77.630 23.883 53.747 50,0% 34,6%
2007 162.811 80.147 25.405 54.742 49,2% 33,6%
2008 166.226 83.344 26.319 57.024 50,1% 34,3%
2009 ( E ) 163.785 81.638 25.864 55.773 49,8% 34,1%
NOTA: (*) As "Remunerações" incluem contribuições patronais para a Segurança Social e a transferência do Orçamento do Estado para a CGA
FONTE: 1972-1995 : Séries Longas – Banco Portugal; 1998-2007 : Relatório de 2007 do Banco de Portugal; 2008: Boletim Económico – Verão 2009 – Banco de Portugal
2009 ( E) : O valor do PIB e das Remunerações são previsões do Eurostat e o das Contribuições Sociais é uma estimativa nossa

Os dados do Banco de Portugal, do INE e do Eurostat revelam uma redução muito significativa do peso das remunerações quer com contribuições sociais quer sem contribuições sociais em percentagem da riqueza criada, ou seja, do PIB. E se a comparação for feita tomando como base os anos de 1974, 1975 e 1976, anos em que a repartição da riqueza criada foi mais favorável para os trabalhadores, os valores actuais revelam um agravamento muito grande na forma como a riqueza criada é distribuída em Portugal.

Assim, em 1975, as remunerações “liquidas”, ou seja, sem contribuições sociais mas antes do pagamento do IRS, representaram 59% do PIB desse ano, enquanto este ano (2009), de acordo com os dados do Eurostat, prevê-se que representem apenas 34,1% do PIB, ou seja, menos 42,2% do que a percentagem de 1975 (menos 24,9 pontos percentuais). Se os trabalhadores recebessem em 2009 a mesma percentagem do PIB que receberam em 1975, receberiam mais 40.860 milhões de euros salários. Este valor é suficiente para dar uma ideia clara das consequências para os trabalhadores do agravamento da desigualdade na repartição da riqueza criada em Portugal que se verificou nos últimos anos. Interessa ainda referir que, de acordo com os dados oficiais constantes do quadro I, prevê-se que o valor das remunerações em 2009 seja inferior ao valor de 2008 em 1.251 milhões de euros.

ENTRE 1975 E 2009 A TAXA DE EXPLORAÇÃO MAIS QUE DUPLICA EM PORTUGAL

Numa sociedade capitalista como é a nossa, o grau de exploração dos trabalhadores é medido pela taxa de mais valia ou taxa de exploração. E a taxa de mais-valia (m´ ) é dada pela relação mais-valia (m) e capital variável (v), ou seja (m´= m/v).

As estatísticas em Portugal assim como as da União Europeia, que são estatísticas burguesas, não são elaboradas de molde a se poder calcular com precisão a taxa de exploração, pois isso poria em causa o próprio sistema capitalista.

No entanto, vamos procurar, a partir das estatísticas oficiais, calcular uma taxa que permita avaliar a evolução da dimensão da exploração em Portugal entre 1975 e 2009. Para isso calculamos a taxa que se obtém dividindo o “PIB menos as remunerações com contribuições sociais”, ou seja, aquilo que teoricamente fica nas empresas, pelo valor de “Remunerações com contribuições sociais”, ou seja, tudo aquilo que teoricamente reverte para os trabalhadores de uma forma directa e indirecta, e de uma forma imediata ou diferida. Utilizando os dados do quadro I, o valor que se obtém é de 46,3% para 1975 e de 100,6% para 2009. Portanto, esta taxa mais que duplica entre 1975 e 2009. Este crescimento tão significativo revela, sem qualquer dúvida, o aumento da exploração dos trabalhadores em Portugal. Interessa referir que uma parcela importante da mais valia assim apropriada é feita pelos grupos financeiros, não só através das taxas de juros e de elevadas comissões que cobra, mas também através dos mercados financeiros, em que impera a especulação, o que tem permitido transferir riqueza dos pequenos accionistas para os grandes accionistas.

OCDE REVELA QUE PORTUGAL É UM DOS PAÍSES ONDE É MAIOR A DESIGUALDADE NA DISTRIBUIÇÃO DOS RENDIMENTOS

Uma medida muito utilizada para medir a desigualdade na distribuição do rendimento num país é o Coeficiente de Gini. Este coeficiente varia entre 0 (zero) e 1 (um). Quanto maior for o seu valor maior é a desigualdade na distribuição do rendimento. A OCDE calculou recentemente os valores deste coeficiente para um conjunto de países que se encontram disponíveis no seu “site”. São precisamente os valores obtidos pela OCDE que se apresentam seguidamente sob a forma de gráfico.
GRÁFICO I


Como mostra o gráfico I, Portugal é um dos países que apresenta maior desigualdade (Coeficiente de Gini igual a 0,385) quando a média dos países da OCDE é mais baixa (0,311). Depois de Portugal, na OCDE apenas existem dois países onde a desigualdade na distribuição do rendimento é maior: Turquia (0,430) e México (0,474). O mesmo estudo da OCDE revela o agravamento da desigualdade na distribuição do rendimento em Portugal. De acordo com dados divulgados também nesse estudo da OCDE, o valor do Coeficiente de Gini para Portugal teve a seguinte variação por décadas: Média da década de 80: 0,329; Media de 90: 0,359; Media de 2000: 0,385.

TRABALHADORES COM EMPREGO A RECEBEREM SALÁRIOS ABAIXO DO LIMIAR DA POBREZA

A pobreza está a atingir mesmos os trabalhadores com emprego devido aos baixíssimos salários que auferem, como mostra o quadro seguinte construído com dados do INE relativos a 2008.

QUADRO II– Trabalhadores por conta de outrem por escalão de rendimento salarial
mensal liquido – 4º Trimestre de 2008
ESCALÃO DE RENDIMENTO
SALARIAL PORTUGAL
Nº Trabalhadores
Mil % do
TOTAL


Trabalhadores por conta de outrem 3 953,1 100,0%
Menos de 310 euros 139,5 3,5%
De 310 a menos de 600 euros 1 479,5 37,4%
De 600 a menos de 900 euros 1 035,2 26,2%
De 900 a menos de 1 200 euros 416,2 10,5%
De 1 200 a menos de 1 800 euros 327,7 8,3%
De 1 800 a menos de 2 500 euros 108,3 2,7%
De 2 500 a menos de 3 000 euros 25,0 0,6%
3 000 euros e mais euros 25,3 0,6%
NS/NR 396,6 10,0%
Fonte: Estatísticas do Emprego – 4º Trimestre de 2008 – INE

Em 2008, 139,5 mil trabalhadores por conta de outrem recebiam um salário liquido médio mensal inferior a 310 euros por mês, e os que recebiam salários até 600 euros correspondiam a 40,9% do total de trabalhadores por conta de outrem. É evidente que com salários desta natureza centenas de milhares de trabalhadores com emprego vivem na pobreza ou muito próxima dela.

A PENSÃO MEDIA DOS REFORMADOS POR VELHICE É APENAS DE 384,72 EUROS EM 2009

Um dos grupos mais numerosos da população portuguesa atingidos por baixíssimos rendimentos e pela profunda desigualdade que se verifica a nível da repartição da riqueza criada anualmente são os reformados

A situação dos trabalhadores abrangidos pelo Regime Geral quando se reformam agravou-se significativamente com a alteração das leis da Segurança Social pelo governo “Sócrates I”, nomeadamente através da alteração da formula de cálculo da pensão (três formulas, depois passou a uma, e face ao protesto dos reformados passou a duas) e com a introdução do chamado factor de sustentabilidade, que é um factor de redução da pensão.

Uma análise por género, feita com base em dados recentes (Julho de 2009) divulgados pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, revela valores médios de pensões muitos baixos, inaceitáveis sob o ponto de vista social, e profundas desigualdades entre homem e mulher. O quadro, construído com dados oficiais, mostra com clareza a situação actual.

QUADRO III – Pensionistas e pensão média de velhice em Julho de 2009 – Segurança Social
DISTRITO PENSIONISTAS PENSÃO MÉDIA VELHICE - Euros Pensão da Mulher em % da do Homem
Mulheres Homens TOTAL Mulheres Homens TOTAL
Aveiro 63.187 58.361 121.548 280,17 € 461,91 € 367,43 € 60,7%
Beja 20.134 16.589 36.723 274,11 € 357,80 € 311,92 € 76,6%
Braga 69.590 52.244 121.834 289,86 € 417,78 € 344,72 € 69,4%
Bragança 18.028 13.846 31.874 258,03 € 290,33 € 272,06 € 88,9%
C. Branco 27.489 20.861 48.350 266,07 € 358,92 € 306,13 € 74,1%
Coimbra 45.591 36.413 82.004 269,97 € 432,99 € 342,36 € 62,4%
Évora 21.121 17.261 38.382 285,91 € 414,97 € 343,95 € 68,9%
Faro 34.932 33.250 68.182 279,79 € 407,81 € 342,22 € 68,6%
Guarda 22.409 16.281 38.690 262,21 € 323,56 € 288,03 € 81,0%
Leiria 45.706 40.163 85.869 278,15 € 422,05 € 345,45 € 65,9%
Lisboa 198.190 175.759 373.949 333,63 € 694,03 € 503,02 € 48,1%
Portalegre 17.296 13.378 30.674 271,22 € 387,10 € 321,76 € 70,1%
Porto 139.431 123.920 263.351 306,01 € 550,54 € 421,07 € 55,6%
Santarém 49.429 41.856 91.285 277,61 € 440,66 € 352,37 € 63,0%
Setúbal 69.616 67.702 137.318 298,06 € 617,94 € 455,77 € 48,2%
V. castelo 27.421 18.057 45.478 266,84 € 341,58 € 296,52 € 78,1%
Vila Real 23.017 18.171 41.188 259,08 € 316,04 € 284,21 € 82,0%
Viseu 40.044 33.602 73.646 261,39 € 336,80 € 295,80 € 77,6%
RA Açores 11.595 12.959 24.554 270,55 € 389,17 € 333,15 € 69,5%
RA Madeira 23.350 13.999 37.349 297,44 € 435,52 € 349,19 € 68,3%
Outros 13.605 37.522 51.127 202,37 € 202,79 € 202,68 € 99,8%
TOTAL 981.181 862.194 1.843.375 292,10 € 490,12 € 384,72 € 59,6%
FONTE: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social

De acordo com dados do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, em Julho de 2009, a pensão media de velhice era apenas de 384, 72 euros, e a pensão média de velhice das 981.181 mulheres abrangidas pela Segurança Social atingia somente 292,10 euros por mês, portanto um valor inferior ao limiar pobreza (354,28€/mês) o que mostra bem a situação de miséria em que vivem actualmente a esmagadora maioria dos reformados em Portugal, e nomeadamente as mulheres que auferem pensões ainda mais baixas do que as dos homens, embora as destes já sejam muito baixas. Se a análise for feita por distrito, a gravidade da situação ainda se torna mais clara pois em 18 das 21 regiões consideradas no quadro anterior a pensão media da mulher é ainda inferior ao valor da pensão média no País referido anteriormente (292,10€/mês).

A pensão media de velhice da mulher corresponde em média a nível do país apenas a 59,6% da pensão média do homem . E existem distritos (ex. Porto, Lisboa e Setúbal) onde essa percentagem é ainda mais baixa. E tudo isto em Julho de 2009.

A PENSÃO MEDIA POR INVALIDEZ É APENAS 321,21 EUROS POR MÊS EM 2009

Outro grupo populacional também numeroso e muito mal tratado pelos sucessivos governos, também a receber actualmente pensões muito baixas (inaceitáveis sob o ponto de vista social) são os reformados por invalidez da Segurança Social como mostra o quadro seguinte, construído com dados recentes (já de 2009) divulgados pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social.

QUADRO IV- Pensionistas e pensão média de invalidez da Segurança Social em Julho/2009
DISTRITOS Pensionistas Invalidez - Jul2009 Pensão média invalidez-Jul2009 Pensão da Mulher em % da do Homem
Mulher Homem TOTAL Mulher Homem TOTAL
Aveiro 9.771 9.246 19.017 277,64 € 342,52 € 309,18 € 81,1%
Beja 2.674 2.582 5.256 265,33 € 323,58 € 293,95 € 82,0%
Braga 14.226 12.307 26.533 302,81 € 334,56 € 317,54 € 90,5%
Bragança 2.001 2.345 4.346 250,06 € 261,38 € 256,17 € 95,7%
C. Branco 2.855 3.175 6.030 266,35 € 308,65 € 288,63 € 86,3%
Coimbra 7.085 7.265 14.350 275,25 € 377,15 € 326,84 € 73,0%
Évora 3.713 2.547 6.260 292,84 € 361,46 € 320,76 € 81,0%
Faro 3.911 4.334 8.245 271,46 € 332,97 € 303,79 € 81,5%
Guarda 2.700 2.724 5.424 262,76 € 296,97 € 279,94 € 88,5%
Leiria 7.298 7.377 14.675 291,40 € 403,70 € 347,85 € 72,2%
Lisboa 25.737 26.284 52.021 279,71 € 403,09 € 342,05 € 69,4%
Portalegre 2.379 1.960 4.339 274,80 € 331,35 € 300,34 € 82,9%
Porto 25.108 23.945 49.053 284,00 € 361,29 € 321,73 € 78,6%
Santarém 7.623 7.134 14.757 280,98 € 367,83 € 322,97 € 76,4%
Setúbal 11.272 10.838 22.110 299,94 € 465,90 € 381,29 € 64,4%
V. castelo 4.255 4.170 8.425 274,12 € 345,26 € 309,33 € 79,4%
Vila Real 2.931 3.779 6.710 253,82 € 268,37 € 262,01 € 94,6%
Viseu 3.789 4.763 8.552 246,21 € 276,31 € 262,97 € 89,1%
RA Açores 4.001 4.758 8.759 280,02 € 380,93 € 334,83 € 73,5%
RA Madeira 4.466 3.734 8.200 284,69 € 380,64 € 328,38 € 74,8%
Outros 1.831 5.280 7.111 214,34 € 226,04 € 223,03 € 94,8%
TOTAL 149.626 150.547 300.173 281,10 € 361,15 € 321,25 € 77,8%
FONTE: Mistério do Trabalho e da Solidariedade Social


A pensão media dos 300.173 pensionistas de invalidez paga pela Segurança Social era, em Julho de 2009, de apenas 321,25 euros, portanto um valor abaixo do limiar da pobreza que é 354,21€/mês. E se análise for feita por distritos conclui-se que em 14 das 21 regiões consideradas no quadro a pensão média total por distrito era ainda inferior à pensão média nacional. Igualmente verifica-se que as mulheres auferem pensões de invalidez ainda inferiores às dos homens já que a sua pensão media corresponde apenas a 77,8% da do homem. Mas existem distritos em que as percentagens são ainda inferiores, como sucede com Lisboa (69,4%) e Setúbal (64,4%). Portanto, a desigualdade atinge de uma forma extrema estes sectores da população que vivem em condições mais difíceis.

79% DOS PENSIONISTAS DE VELHICE E INVALIDEZ RECEBEM UMA PENSÃO INFERIOR A 407€

Se a análise for feita não com base em pensões médias, mas sim com base no agrupamento dos pensionistas por escalões de pensões, a gravidade e a injustiça da situação ainda se torna mais clara como mostra o quadro seguinte construído com dados da Conta da Segurança Social de 2008 que acabou de ser divulgada.

QUADRO V – Pensionistas de velhice e invalidez repartidos por escalões de pensões em 2008
ESCALÕES - Pensões Nº pensionistas % TOTAL % Acumulada
Até 101,87€ 19.845 1,1% 1,1%
De 101,88 a 236,46€ 168.647 9,8% 10,9%
De 236,47 a 407,40€ 1.178.747 68,2% 79,0%
De 407,41 a 611,11€ 156.356 9,0% 88,1%
De 611,12 a 2444,45€ 196.733 11,4% 99,5%
De 2444,46 a 5479,27€ 8.783 0,5% 100,0%
Superior a 5.479,28€ 491 0,0% 100,0%
TOTAL 1.729.602 100,0%
FONTE : Conta da Segurança Social - 2008

Portanto, 79% dos pensionistas recebiam uma pensões inferior a 407,40 euros, e 88,1% a 611,11 euros. Apenas 0,5% dos pensionistas recebiam uma pensão superior a 2.444,45 euros.

É URGENTE ALTERAR A REPARTIÇÃO DA RIQUEZA E DO RENDIMENTO EM PORTUGAL PARA REDUZIR AS DESIGUALDADES E IMPEDIR O AUMENTO DA POBREZA

Os dados oficiais mostram de uma forma clara, por um lado, que se verifica em Portugal uma forte desigualdade na distribuição da riqueza e do rendimento em prejuízo grave dos sectores mais desprotegidos da população e, por outro lado, como consequência disso a pobreza e mesmo a miséria estão a aumentar em Portugal. É uma realidade que é cada vez mais visível apesar da propaganda governamental procurar esconder. É ridículo o esforço feito pelos propagandistas oficiais para convencer a opinião pública que uma pessoa deixa de ser pobre pelo simples facto de receber mais um euro que o limiar da pobreza, que é apenas de 384,72 euros/mês, e que o chamado complemento solidário para idosos, cujo valor médio é apenas de 80 euros, tirou 200.000 reformados da situação de pobreza em que se encontravam.

Como consequência da grave desigualdade na repartição do rendimento, em Portugal, a pobreza atinge não só os reformados e desempregados mas também e cada vez mais os trabalhadores por conta de outrem com emprego devido aos baixos salários que uma percentagem elevada recebe, constituindo esse facto uma das causas importantes da fragilidade do tecido sócio -económico português, e do grande atraso do País.

Não é possível alcançar elevadas taxas de educação e de qualificação, construir um país moderno, desenvolvido e com elevadas taxas de crescimento económico sustentado com os níveis de desigualdades e pobreza existentes. Para concluir isso, basta ter presente que países altamente desenvolvidos, como são a Suécia e a Dinamarca, apresentam repartições da riqueza e do rendimento muito mais equilibradas do que Portugal. Portanto, a resolução do grave atraso do País também passa por uma melhor distribuição dos rendimentos. É essa a obrigação e uma tarefa urgente para o governo “Sócrates 2”, que será necessariamente avaliado pelas medidas que tomar para corrigir rapidamente as graves injustiças existentes, que foram agravadas pelo governo anterior.

Eugénio Rosa
Economista
edr2@netcabo.pt
24.10.2009

QUE SOCIEDADE ESTAMOS A CONSTRUIR?

ARTBaptista Bastos
Meditação sobre os suicidas da France Telecom
b.bastos@netcabo.pt





"Que sociedade estamos a construir? Que mundo vem aí?" As perguntas, tornadas um pungente requisitório, foram, há dias, formuladas por um trabalhador da France Telecom, numa manifestação contra o processo de "reestruturação" da empresa, cujos resultados têm conduzido à barbárie. Vinte e quatro trabalhadores suicidaram-se, nos últimos dezanove meses, e mais treze foram socorridos quando se preparavam para pôr fim à vida.

Em nome da "competitividade" e em obediência às leis do mercado, um "gestor", Louis-Pierre Wenes, procedeu, a partir de 2005 (ele entrara na empresa em 2002), adjuvado por Didier Lombard, à "modernização" da empresa, o terceiro operador de telemóveis da Europa e o primeiro fornecedor de acesso à Internet.

A brutalidade das decisões não olhou a meios para justificar os fins. Diz a France Press que "o plano redundou num controlo cerrado dos funcionários, dos tempos de pausa, uma pressão insuportável por ganhos de produtividade e desumanização nas relações laborais. Os comunicados dos sindicatos sublinham a incerteza organizada sobre a permanência de cada posto de trabalho, mudanças forçadas de funções, pressões insidiosas para que os trabalhadores se demitissem ou aceitassem despromoções, tentando fazê-los responsabilizar-se por essas novas situações."

O "mercado", o "neoliberalismo" e a globalização atingiram novos patamares de infâmia. Em Portugal desconhece-se a estatística de suicídios causados por compulsões semelhantes, e o facto de estarmos à beira dos setecentos mil desempregados deveria preocupar, seriamente, aqueles que nos governam. A desumanização que se regista no mundo do trabalho explica-se pelo facto de o "homem de organização", quero dizer: o "gestor", não pode permitir-se ter princípios ou escrúpulos: deve, isso sim ter reflexos.

A degradação da vida empresarial resulta dessa cartografia de horrores que consiste nos objectivos a atingir, nas etapas que se tem de percorrer, e dos lucros que terão de ser rápidos e vultosos. O "gestor" é muitíssimo bem pago para ser um cão-de-fila. Um universo sem paixões, gelado, uma mistura de indiferença humana com uma selvajaria abstracta.

"Que sociedade estamos a construir? Que mundo vem aí?" As dramáticas perguntas adquirem um novo relevo, quando se sabe que as "soluções" aplicadas pelos tais "gestores" revelam-se ineficazes e conduzem as empresas, mais tarde ou mais cedo, à falência. À falência económica e financeira, porque a falência moral já habita no corpo de quem as dirige.

A "organização", o "grupo", correspondem a esse capitalismo predador, que mantém uma "democracia de superfície", feroz e impositiva, que tem aniquilado sindicatos, partidos progressistas, organizações cristãs recalcitrantes, homens e mulheres, sobrepondo uma cultura que provoca a renúncia de pensar. O poder económico a sobrepujar o poder político. Ainda há semanas, o eng.º Francisco Van Zeller, presidente da CIP, se opunha, veementemente, à casualidade de o PS estabelecer acordos, parlamentares ou outros, com o Bloco de Esquerda. A sobreposição chega a ser aberrante. E o desprezo pela democracia, mesmo tão fanada como a portuguesa, associa-se a um postulado segundo o qual estaríamos no fim das ideologias. É verdade que o PSD nunca foi "social-democrata" (quando muito, conservador-liberal), e o PS foge do socialismo como Satanás da cruz (salvo seja). Esta confusa apropriação indevida de nomes causou estragos irreparáveis na "democracia" que por aí está.

O panorama nacional é assustador. Salvam-se os bancos, em nome não se sabe muito bem de quê e de quem, e destroem-se vidas. O tema da emancipação da humanidade não perdeu prestígio nem poder. As grandes questões do trabalho, do capitalismo, das novas relações sociais, do desemprego e da subida da miséria e da fome são omissos nos chamados órgãos de informação. No caso português, a ausência destes temas obedece a indicações e a ordenanças. As mais radicais das ideias reaccionárias afloram em numerosos artigos, comentários e debates. É a "democracia de superfície" em toda a sua expressão. Repare-se que o caso da France Telecom mereceu medíocres chamadas de primeira página, e notícias reduzidíssimas no interior dos jornais. E este é um assunto que, pela sua natureza trágica e pela dimensão social que exprime, deveria adquirir enunciações mais amplas.

Há algo de dissolução rápida nas nossas sociedades. Quando os laços relacionais são tão abruptamente cortados, como na France Telecom, temos de perceber que o problema não é isolado. E que a ameaça começou a constituir como perigo imediato. Nomeemos os problemas e saibamos enfrentar os riscos decorrentes. A Imprensa e os jornalistas honrados têm uma palavra a dizer. Não será a última mas é, certamente, a mais importante. Se eu lhes merecer, contem comigo.

IGO DE BAPTISTA BASTOS

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

INFORMAÇÃO ÚTIL

Caro cidadão,
A partir de hoje, tem ao seu dispor a plataforma autarquias.org.
Com o autarquias.org os cidadãos podem alertar os municípios para as mais variadas situações, desde Lixos na via pública, postes de iluminação que não funcionam, buracos na via pública, equipamento danificado, problemas nos abastecimentos, ou outros tipos de problemas, que muitas das vezes as Câmaras Municipais não tem conhecimento.

Os cidadãos podem acompanhar as respostas das autarquias aos alertas apresentados por outros cidadãos, como também participarem nesses mesmos alertas adicionando comentários.

O autarquias.org permite também a criação de debates por cidadãos que pretendem discutir assuntos que lhes pareçam pertinentes com outros cidadãos e com o próprio município ou questionar a autarquia sobre um assunto do interesse de todo o município., como também a abertura de petições.
Participe neste projecto.
autarquias.org/

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

PROFESSORES EM LUTA

PROmova subscreve Manifesto a apelar à suspensão imediata do modelo de avaliação (seus efeitos ou ausência deles) e à revogação da divisão da carreira
MANIFESTO
A escola não pode esperar mais
O actual modelo de avaliação de professores e a divisão arbitrária da carreira em duas categorias criaram o caos nas escolas. A burocracia, a desconfiança e o autoritarismo jogam contra a melhoria das aprendizagens e contra a dedicação total dos professores aos seus alunos. Quem perde é a escola pública de qualidade.
Este ambiente crispado e negativo promete agudizar-se nas próximas semanas. Com efeito, até ao dia 31 de Outubro, se até lá nada for feito, as escolas estão obrigadas por lei a fixar o calendário da avaliação docente para o ano lectivo que agora começou. Pior ainda, sucedem-se os Directores que teimam em recusar avaliar os docentes que não entregaram os objectivos individuais, aumentando a instabilidade e a revolta.
Independentemente das alternativas que importa construir de forma ponderada, é urgente que a Assembleia da República decida sem demoras parar já com as principais medidas que desestabilizaram a Educação, sob pena de arrastar o conflito em cada escola e nas ruas.
Porque a escola não pode esperar mais, os subscritores deste manifesto apelam à Assembleia da República que assuma como uma prioridade pública a suspensão imediata do actual modelo de avaliação de professores, a revogação de todas as penalizações para os que não entregaram os objectivos individuais e o fim da divisão da carreira docente. Sem perder mais tempo.
A ESCOLA NÃO PODE ESPERAR MAIS

Assim se educam os nossos jovens ( infelizmente)

Era Inverno e a noite fez o Colégio Militar mergulhar numa escuridão gelada. Vestido só com um fato de banho, R. foi molhado com água fria, levado para um local isolado e deixado em sentido. Tinha apenas 13 anos e sentiu frio. Frio e medo das ratazanas. Durou apenas uma hora, no final de 2005, mas uma hora assim não se esquece facilmente. Em Janeiro deste ano, ao ser ouvido como testemunha de colegas vítimas de maus tratos, recordou o castigo mais violento. Ao mesmo tempo que se apressou a sublinhar a sorte: ser "dos poucos" que nunca foi agredido no colégio.

Episódios como o de R. são normais no Colégio Militar. Percebe-se no processo de investigação que conduziu à acusação de oito antigos alunos. Só quatro queixas foram consideradas suficientemente fortes para seguirem para tribunal, mas nos últimos três anos as participações foram muitas. Continuam a chegar às autoridades. Ou ficam a meio caminho, na direcção da escola. No início do ano, quando foi ouvido pelos investigadores, o director, major-general Raul Passos, explicou que os castigos por alunos são totalmente proibidos e as situações irregulares investigadas. No ano lectivo anterior, exemplificou, foram aplicadas nada menos de 600 punições.

Disciplina e organização são palavras de alta patente no Colégio Militar. Os alunos organizam-se em companhias de 100 alunos, que por sua vez se dividem em pelotões de 20 ou 30 e secções de 10. Cada nível tem um graduado. Cada companhia um comandante. Seleccionados entre os finalistas, sujeitos a provas e a nomeação formal. E a "elevada responsabilidade que cabe aos alunos graduados", escreveu o subdirector à mãe de um dos alunos agredidos, é uma "mais-valia do colégio" e contribui "de forma significativa na formação da personalidade e carácter" dos mais novos.

Na mesma carta, o coronel Portela Ribeiro admitia que se trata de uma intervenção "particularmente difícil" e sublinhava que os alunos em grupo se comportam de forma diferente do que é normal individualmente, "pelo que o controlo nem sempre é tão eficaz como seria desejável". E terminava com uma conclusão pouco tranquilizadora: não é possível assegurar que incidentes não se repitam.

Tanto assim que se repetiram. Dos quatro alunos em quem o Ministério Público encontrou provas de maus tratos, dois são irmãos. O mais velho foi agredido em Fevereiro de 2007 e ficou com lesões permanentes no ouvido. Em Março deste ano continuava com medicação e apoio psicológico, dado existir "relação entre as cefaleias e as consequências psicológicas da agressão de que foi vítima", explica um dos muitos relatórios clínicos.

Em Janeiro de 2008, o irmão mais novo foi sujeito a exercício físico violento e passou três meses em recuperação - um em cadeira de rodas, dois com canadianas. Uma segunda agressão deixou os pais "ansiosos e com dificuldade em tomar decisões". Com a referência de um pai militar, primeiro-sargento na reforma, os dois adolescentes acabaram por continuar no colégio, onde cada mensalidade está fixada em 681 euros.

Um processo interno resultou em cinco dias de suspensão para os agressores. Um castigo leve para a culpa, considerou a mãe. O desapontamento e a tristeza valeram-lhe de pouco: o regulamento (vulgo guia do aluno) indica que das decisões do director, em matéria disciplinar, não cabe recurso.

Punidos internamente, os oito arguidos acusados de maus tratos, com idades entre os 20 e os 25 anos, aguardam agora o exame final. O que é indiciado por mais crimes, R., assegurou aos investigadores que os castigos são "hábito normal" do Colégio Militar. Não constam do regulamento, mas estão escritos nas entrelinhas. Ser graduado é ser responsável pelos mais novos, no seu caso 111. E quando os da sua companhia faziam erros, os oficiais chamavam-no a si e aos outros graduados à atenção, "para tentarem disciplinar os alunos".

O dicionário interno explica os castigos "instituídos". Completas: sucessão de flexões, pulo de galo (saltos de cócoras) e abdominais. Firmezas: exercício físico em simultâneo por todos os colegas. Apresentações: vestir e despir num curto espaço de tempo. E um dos mais graves, substantivo feminino escrito em letras gordas: chapada de luva castanha.

R. só entrou na zona cinzenta no segundo período de 2007. A suspensão de cinco dias, pena mais severa a seguir à expulsão, manchou-lhe um currículo de distinções e elogios. Um exemplo a seguir pelos camaradas mais novos. Conduta irrepreensível. Muito empenhado e responsável. Excelente prestação escolar. Sucessivas medalhas de prata de aplicação literária e de aptidão militar e física. Prémio Adido Exército do Brasil.

Os excessos que envergonham um colégio com 206 anos de história são minimizados pelo Exército, mas o porta-voz, Helder Perdigão, admite que a falta de vigilantes adultos é um problema. "É público que o Exército tem vindo a reduzir o seu pessoal civil, não é exclusivo do Colégio Militar. Muitos funcionários reformaram-se e não foram substituídos." O problema, garante, "já foi transmitido à tutela, a quem caberá resolver".

Garcia Pereira, que representa os dois irmãos agredidos, diz que hoje existem menos de 20 vigilantes, quando há duas décadas eram 200. Os alunos ficam "completamente sozinhos e entregues aos mais velhos, os graduados", lamenta. O advogado critica ainda a direcção, que responsabiliza pelo "grande clima

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

PORTUGAL...MEU PAÍS

O prémio Nobel, josé Saramago,dentro da liberdade de expressão que ( felizmente)conquistámos...criticou certas passagens da Biblia.
Não pretendeu ofender a religião, mas sim os que se servem dela para outros fins..
De qualquer modo, levantou-se por aí um corode indignação.
Um deputado europeu do PSD( quem é esse senhor?) até se deu ao luxo de dizer que SAramago devia deixar de ser português.
NO MESMO DIA UM RELATÓRIO INTERNACIONAL CONSTATOU QUE PORTUGAL É UM DOS PAÍSES DO MUNDO ONDE HÁ MAIS DIFERNÇA ENTRE OS RICOS E OS POBRES..UMA PROPORÇÃO DE 15 PARA UM.

NESSE ASPECTO ESTAMOS MESMO NA CAUDA NÃO SÓ DA EUROPA COMO DO MUNDO...
NÃO SERIA MELHOR QUEE SSES SENHORES SE PREOCUPASSEM EM TENTAR CORRIGIR ESSAS INJUSTIÇAS SOCIAIS?

TUDO DOIDO?

Em 2004 gastaram-se milhões em estádios de futebol que só serviram para enriquecer os barões da construção civil.
Estádios esses que, na sua maioria, continuam às moscas e só servem ( quando servem) para concertos musicais.
Segundo parece ..o Estádio de Aveiro até vaiser demolido.
Esses milhões custaram fortunas a todos nós..foram pagos com os nossos impostos.
E AGORA QUEREM REPETIRA BRINCADEIRA CONCORRENDO A QUE PORTUGAL ORGANIZE( em conjunto com a Espanha) o Mundial de 2018...
Esperemos que a FIFA não atribua essa organização a Portugal.
SE O FIZER ,,,NÃO SE ESQUEÇA...VCE EU PAGAMOS...
QUEM LUCRA?
SEMPRE OS MESMOS.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

ENERGIAS RENOVÁVEIS

Renováveis dariam emprego a 7 milhões, OJE de 20-10-2009

As indústrias renováveis poderão dar emprego a 6,9 milhões de pessoas até 2030, caso os líderes mundiais adoptem medidas efectivas que conduzam a um modelo energético e a um futuro mais verde, refere um relatório da Greenpeace e do Conselho Europeu para as Energias Renováveis (EREC), a que o OJE teve acesso. O relatório surge a dois meses da Cimeira de Copenhaga, onde será encontrado um substituto para o protocolo de Quioto, que termina em 2012 e não contou com a participação da China e dos EUA. O relatório “Working for the Climate: Renewable Industry & The Green Job [R]evolution” refere que, para além dos 6,9 milhões de postos de trabalho nas renováveis, há ainda a perspectiva de mais 1,1 milhões de empregos decorrentes de trabalhos em torno da eficiência

VERDADE? MENTIRA?

Freeport: fax fala em dois milhões de libras em «luvas»
TVI teve acesso a documento altamente confidencial. Confira todos os dados
Por: Redacção /Ana Leal e Carlos Enes | 19-10-2009 20: 04
Vote 12345Resultado 1234537 votos20 comentários VÍDEO O fax é altamente confidencial. Foi escrito a 17 de Dezembro de 2001, um dia depois das eleições que levaram à demissão de António Guterres e consequente queda do Governo do Partido Socialista.

Veja a reprodução do fax na versão original e a tradução em português .

Keith Payne é quem escreve a carta a dois dos homens fortes do Freeport em Londres: Ric Dattani e Gary Dawson. Payne é o inglês que, em Portugal, mantém informados os dois administradores do Freeport.

No fax, a que a TVI teve acesso, Keith Payne fala da mudança política em Portugal e da preocupação de José Sócrates já não ser Ministro do Ambiente: «Os efeitos dos acontecimentos do fim-de-semana, com os revezes sofridos pelo PS, nomeadamente nas eleições autárquicas, incluindo Lisboa, e a demissão do Governo de Guterres significam que Sócrates deixou de ser Ministro do Ambiente e que vai haver um compasso de espera de quatro ou cinco meses até que for eleito um novo Governo e nomeado um novo Ministro».

Rick Datani, o receptor do fax, reenvia-o logo de seguida para Jonathan Rawnsley, um administrador acima dele na hierarquia da empresa e acrescenta ao documento anotações escritas pelo seu próprio punho.

No final da carta é explicitamente referida a existência de subornos, concretamente dois milhões de libras em luvas. À época, qualquer coisa como três milhões e duzentos mil euros.

Ponto 4

«Jonathan, este é o fulano que me telefonou e sabe do suborno de dois milhões de libras. Sublinhei alguns pontos interessantes a partir do ponto 4. Se o Parlamento é dissolvido até às eleições, o secretário de Estado não pode aprovar nem rejeitar nada?»

Vamos, então, ver o ponto 4, para o qual Rick Datani chama a atenção do seu superior hierárquico. A frase sublinhada é esta: «Sócrates deixou de ser Ministro do Ambiente».

Para além do sublinhado no ponto 4, Rick Datani acrescenta ainda uma outra frase onde reafirma a existência de subornos. Sem acrescentos, a frase inicial era esta: «Se estamos face a uma possível rejeição (chumbo) do estudo de impacto ambiental, é pouco provável ser possível inverter uma tal decisão seja em que circunstância for, a dois dias da sua rejeição (chumbo) formal por parte do Ministro do Ambiente».

Datani acrescenta, novamente pela sua própria mão, a frase: «Antes do suborno».

O que fica, portanto, claro é que administradores do Freeport não só sabiam da existência de subornos, como estavam dispostos a pagá-los. Dois milhões de libras é o que parece estar em causa no licenciamento do outlet de Alcochete.

Este fax é um documento a que a polícia inglesa deu muita importância, a ponto de interrogar várias pessoas sobre o mesmo, mais especificamente sobre a nota de rodapé escrita à mão. Os ingleses queriam saber a quem se destinava os dois milhões de libras de subornos.

Charles Smith admitiu apenas uma anterior tentativa de suborno, não consumada, feita por um escritório de advogados. Quanto a Keith Payne, confirmou à polícia ter ouvido falar de pagamentos corruptos através de Charles Smith. A polícia inglesa não conseguiu, até ao momento, ouvir Rick Datani, o homem que escreveu precisamente a nota de rodapé e onde fala explicitamente de «bribe», ou seja, luvas ou suborno.

A TVI procurou obter uma reacção de Pedro Silva Pereira, secretário de Estado do Ordenamento do Território à altura, bem como de Rui Gonçalves, secretário de Estado do Ambiente nessa época.

Também procurou obter uma reacção de José Sócrates, à altura Ministro do Ambiente. Foram, por isso, endereçadas estas três perguntas , que não obtiveram resposta.
Relacionados

Freeport: PGR diz que Varela Martins tem todo os requisitos Freeport: procuradoria garante escolha aleatória de magistrado Notícia TVI: Procuradores do Freeport arguidos por um dia Freeport: procuradores não vão ser afastados Ministro da Justiça falou sobre procuradores com Lopes da Mota Freeport: alegado autor da carta anónima é assistente

ANEDOTA? TALVEZ NÃO

Está muito boa !!!

Cinco cirurgiões discutiam sobre quais os melhores pacientes numa sala de operações



Dizia o primeiro:
- Gosto de operar contabilistas porque, quando os abres, todos os órgãos
estão numerados e ordenados.
O segundo retorquiu:
- Sim, mas melhor são os electricistas porque todos os órgãos estão codificados por cores. Não há qualquer risco de engano.
Ao que respondeu o terceiro:
- Qual quê!!! Os melhores são os bibliotecários. Dentro deles tudo está ordenado alfabeticamente.
O quarto cirurgião opinou:
- Não há como os mecânicos. Eles até já transportam uma reserva dos órgãos que são necessários substituir.
Finalmente, disse o quinto:
- Deixem-me discordar de todos vocês, meus caros companheiros mas, em minha opinião, os melhores pacientes para operar são os políticos. Não têm coração, não têm estômago nem tomates. Além disso, pode-se-lhes trocar o cérebro com o cú que ninguém dá conta de nada ...


NOTA.
nÃO HÁ REGRA SEM EXCEPÇÃO. CABE-NOS A NÓS NO REGIME DEMOCRÁTICO EM QUE VIVEMOS( a-PESAR DE TUDO A DEMOCRACIA É O MENOR DOS MALES) ESCOLHER AS EXCEPÇÕES.

PORQUE NA DITADURA..EXISTEM DE IGUAL MODO OS POLITICOS E A ESSES NÃO OS PODEMOS ESCOLHER

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

NINGUÉM PODE VER ESTA MINISTRA

Centenário do Liceu Camões marcado por críticas à ministra
A cerimónia que assinalou os 100 anos do Liceu Camões teve a presença de Cavaco Silva e Maria de Lurdes Rodrigues. E dificilmente a ministra se esquecerá desta despedida do cargo, após ouvir o representante dos alunos acusá-la de «tirar credibilidade à democracia» e de "desprezo" pela voz dos estudantes.
...

domingo, 18 de outubro de 2009

HOJE É DOMINGO-..-.- PARA ENTRETER

O português e a letra "F"

Um homem chega ao restaurante, senta-se e, acenando com o braço, diz:
- Faz favor: frango frito, favas, farinheira...
- Acompanhado com quê?
- Feijão.
- Deseja beber alguma coisa?
- Fanta fresca.
- Um pãozinho antes da refeição?
- Fatias fininhas.
O empregado anota o pedido, já meio intrigado: "o tipo fala tudo com F's!"
Depois do homem terminar a refeição, o empregado pergunta-lhe:
- Vai querer sobremesa?
- Fruta.
- Tem alguma preferência?
- Figos.
Depois da sobremesa, o empregado:
- Deseja um café?
- Forte. Fervendo.
Quando o cliente termina o café:
- Então, como estava o cafézinho?
- Frio, fraco. Faltou filtrar formiguinha flutuando.
Aí o empregado pensa: "Vamos ver até aonde é que ele vai".
- Como é que o senhor se chama?
- Fernando Fagundes Faria Filho.
- De onde vem?
- Faro.
- Trabalha?
- Fui ferreiro.
- Deixou o emprego?
- Fui forçado.
- Por quê?
- Faltou ferro.
- E o que é que fazia?
- Ferrolhos, ferraduras, facas... ferragens.
- Tem um clube favorito?
- Fui Famalicense.
- E deixou de ser porquê?
- Futebol feio , farta.
- Qual é o seu clube, agora?
- Farense.
- O senhor é casado?
- Fui.
- E sua esposa?
- Faleceu.
- De quê?
- Foram furúnculos, frieiras... ficou fraquinha... finou-se.
O empregado de mesa perde a calma:
- Olhe! Se você disser mais 10 palavras começadas com a letra F... não
paga a conta. Pronto!
- Formidável, fantástico. Foi fácil ficar freguês falando frases fixes.
O homem levanta-se e dirige-se para a saída, enquanto o empregado ainda
lança:
- Espere aí! Ainda falta uma!
O homem responde, sem se virar:
- Faltava.

sábado, 17 de outubro de 2009

COMO É POSSÍVEL TER TANTA" LATA"



OS PROFESSORES PORTUGUESES SABEM, QUE ELA FOI A PIOR MINISTRA DA EDUCAÇÃO DE SEMPRE.
POR MUITO QUE DIGA..FICARÁ ETERNAMENTE NA LISTA NEGRA DO ENSINO EM PORTUGAL.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

RESPEITO PELOS ELEITORES? DEIXA-ME RIR...

Meia hora depois da tomada de posse dos novos deputados, João de Deus Pinheiro, do PSD, renunciou ao cargo.
O antigo eurodeputado e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros foi eleito pelas listas do PSD em Braga e será substituído pelo líder da JSD, Pedro Rodrigues

comentário do Chefe de Estado Maior da Armada

Almada, 15 Out (Lusa) -- O Chefe de Estado-Maior da Armada (CEMA), almirante Melo Gomes, apelou hoje, para que a "cíclica miopia marítima que tem afectado Portugal nos últimos anos, não sofra uma recaída irreversível" e considerou "imprescindíveis" os novos submarinos.
Comentar Artigo Aumentar a fonte do texto do Artigo Diminuir a fonte do texto do Artigo Ouvir o texto do Artigo em formato �udio
"A miopia marítima é factor que atravessou a nossa história e sempre que Portugal não se preocupou com o mar, nós tivemos um decréscimo do nosso impacto perante outras nações e perante amigos e adversários", explicou.

No seu discurso durante a Cerimónia de abertura do Ano Operacional da Marinha de Guerra Portuguesa, o almirante destacou a aquisição dos dois novos submarinos -- o "Tridente" (actualmente a efectuar provas no mar e será recebido em 2010) e o "Arpão", chegará em 2011.


MEU COMENTÁRIO:

mAS A QUEM FAZEM FALTA OS SUBMARINOS?
A QUEM POSSA GANHAR COMISSÕES COM A SUA COMPRA ?
aO POVO PORTUGUÊS QUE CADA VEZ TEM MAIS DIFICULDADES?
deixem-se de submarinos..as guerras de alecrim e mangeirona já acabarm...tratem é de melhoara a saúde..a educação... o nosso nível de vida

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

SOU UM PROFESSOR ( ESCRITO POR jOHN SCHLATTER)

Sou um professor
(John W. Schlatter)


Eu sou um professor.

Nasci no primeiro momento em que uma pergunta saltou da boca de uma criança.


Tenho sido muitas pessoas em muitos lugares.

Sou Sócrates, estimulando a juventude de Atenas para descobrir novas idéias usando perguntas.

Sou Anne Sullivan, tamborilando os segredos do universo sobre a mão estendida de Helen Keller.

Sou Esopo e Hans Christian Andersen, revelando a verdade por meio de muitas, muitas estórias.

Sou Darcy Ribeiro, construindo uma universidade a partir do nada no planalto brasileiro.

Sou Ayrton Senna, que transforma sua fama de herói esportista em recursos para educar crianças em seu país.

Sou Anísio Teixeira, na sua luta de democratização da educação para que todas as crianças brasileiras tenham acesso à escola.

Os nomes daqueles que exerceram minha profissão constituem uma galeria da fama da humanidade: Buda, Paulo Freire, Confúcio, Montessori, Emilia Ferreiro, Moisés, Jesus.

Eu sou também aqueles nomes e rostos que já foram esquecidos, mas cujas lições e cujo caráter serão para sempre lembrados nas realizações dos que educaram.

Já chorei de alegria em casamentos de ex-alunos, ri de felicidade pelo nascimento de seus filhos e me quedei de cabeça baixa, em dor e confusão, junto a sepulturas cavadas cedo demais para corpos jovens demais.

No decorrer de um dia já fui chamado para ser artista, amigo, enfermeiro, médico, treinador; tive de encontrar objetos perdidos, emprestar dinheiro, fui motorista de táxi, psicólogo, substituto de pai e mãe, vendedor, político e guardião da fé.

Apesar de mapas, gráficos, fórmulas, verbos, histórias e livros, na verdade não tive nada a ensinar aos meus alunos porque o que eles de fato têm de aprender é quem eles são. E eu sei que é preciso um mundo para ensinar a uma pessoa quem ela é.

Eu sou um paradoxo. Quanto mais escuto, mais alta se faz ouvir minha voz. Quanto mais estou disposto a receber com simpatia o que vem de meus alunos, mais tenho para oferecer-lhes.

Riqueza material não faz parte dos meus objetivos, mas eu sou um caçador de tesouros, dedicado em tempo integral à procura de novas oportunidades para meus alunos usarem seus talentos e buscando sempre descobrir seu potencial, às vezes enterrado sob o sentimento do fracasso.

Sou o mais afortunado dos trabalhadores.

Um médico pode trazer uma vida ao mundo num só momento mágico. A mim é dado cuidar que a vida renasça a cada dia com novas perguntas, melhores idéias e amizades mais sólidas.

Um arquiteto sabe que, se construir com cuidado, sua estrutura pode durar séculos. Um professor sabe que, se construir com amor de verdade, sua obra com certeza durará para sempre.

Sou um guerreiro que luta todos os dias contra a pressão de colegas, a negatividade, o medo, o conformismo, o preconceito, a ignorância e a apatia. Mas tenho grandes aliados: a inteligência, a curiosidade, o apoio dos pais, a individualidade, a criatividade, a fé, o amor e o riso. Todos vêm reforçar minha trincheira.

E a quem devo agradecer pela vida maravilhosa que tenho senão a vocês, pais, que me honraram ao me confiar seus filhos, que são sua maior contribuição para a eternidade.

E assim tenho um passado rico em recordações. Tenho um presente desafiador, cheio de aventuras e alegrias, porque me é dado passar todos os meus dias com o futuro.

Sou um professor... e agradeço a Deus por isso, todos os dias.


* John W. Schlatter é um ex-professor americano. Seu poema foi extraído do best seller Chicken Soup for the Soul (Canja de Galinha para a Alma), de Jack Canfield e Mark Victor Hansen. Tradução de Tatiana Belinky e adaptação de Guiomar Namo de Mello

Fonte: revista Nova Escola - outubro 19


nb- ATENÇÃO QUE HÁ MUITOS"SÓCRATES" ...NÃO HAJA CONFUSÕES ENTRE AQUELE QUEÉ REFERIDIO NO ARTIGO E O QUE (nOS) GOVERNA

UM VÍDEO PERTURBANTE



este vídeo transcreve declarações da ex ministra de saúde da Finlândia.
´É , no minimo, perturbador.<

A BOLSA

Em 2009, as empresas cotadas do índice PSI-20 ganharam 100 milhões de euros em cada sessão da bolsa de Lisboa. Pela primeira vez desde Junho de 2008, a capitalização bolsista destas empresas atingiu os 70 mil milhões esta semana. O presidente da Euronext Lisboa aproveitou para recusar o aumento da tributação das mais valias, dizendo que poderá "levar a uma deslocalização da indústria financeira para outros mercados..

e...LÁ VEM A CHANTAGEM DE QUE "ELES" ( "ELES" ... SEMPRE OS MESMOS... FOGEM DO PAÍS.
TERÃO FUGIDO DE OUTROS PAÍSES ONDE A TRIBUTAÇÃO É MAIOR QUE CÁ?
ESTAREMOS SEMPRESUJEITOS A QUE SEJAM sempre OS PARASITAS A COMANDAR A NOSSA VIDA?

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

MAIS UM VÍDEO( DEDICADO AO ALENTEJO)

LA BODA




Hoje, para variarde tema, deixo aqui uma lindamúsica( copiada do Youtube)

terça-feira, 13 de outubro de 2009

RANKING DE ESCOLAS

Este Ministério insiste em classificar as escolas como se fosse o ranking dos clubes de futebol.
Claro..afirma que as privadas são as melhores...
Afinal o que faz correr o Ministério?
Quer que os pais vão a correr tentar matricular os filhos nas escolas melhor classifiocadas?
Quer desmotivar aindamais os professores e os alunos das escolas que ficam nos piores lugares?
Com que critérios faz essa classificação? Segundo parece ..apenas o das notas dadas aos alunos...
Não é a confirmação de que apenas pretende que os progessores atribuam boas notas independentemente do que os educandos sabem ou não?
Ignora completamente que é muito diferente a um professor ensinar e a um aluno aprender na Quinta daMarinha ou na Cova daMoura?
Felizmente e se todos os partidos cumprirem o prometido esta equipa ministerial vai levar um pontapé no traseiro.
E bem merece...

ERNANI LOPES

o SENHOR ERNANI lOPES CUJA QUANTIDADE DE "tACHOS" , DESDER EX-MINISTRO A PRESIDENTE DUMA TAL SOCIEDADE LUSO-ESPANHOLA,DIRECTOR DA SAER-SOCIEDADE DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS E RISCO DIZ QUE É PRECISO REDUZIR O NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS E QUE NOS PRÓXIMOS ANOS OS EUROPEUS VÃO TRABALHAR MAIS E RECEBER MENOS.

PODERIA COMEÇAR POR ELE ..SERIA BOA IDÉIA?

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

FRASES MARCANTES SOBRE FUTEBOL

QI Futebolês
Frases marcantes do futebol que ficaram para a História...
São frases inesquecíveis que ficam sempre na memória e cá vão algumas delas. Para começar tal poesia o primeiro "poeta do futebol" é o famoso comentador desportivo que entusiasmou milhares de pessoas com a sua forma majestosa de abordar cada jogo de futebol é ele o Senhor Gabriel Alves, que para ele falar de futebol é a oitava arte:
Gabriel Alves
- Juskowiak a vantagem de ter duas pernas!
- É um estádio bonito, moderno, arejado..."
- "A selecção não jogou nem bem nem mal, antes pelo contrario..."
- "Reparem como os jogadores do Bayern movimentam-se descrevendo figuras geométricas....O futebol é uma arte plástica.... "
- "Existem muitos jogadores alemães a jogarem no campeonato germânico"
- "Kenneth Anderson, 1 metro e 93 de golo..."
- Joao Pinto vai centrar para o meio da confusão... mas não está lá ninguém!
- Remate rasteiro a meia altura por cima da barra!!!
- E o jogador foi atingido por um objecto lançado provavelmente por algum telespectador.
- "...neste estádio OUVE-SE UM SILÊNCIO ENSURDECEDOR..."
- Fica na retina um cheiro de bom Futebol»
- "Giggs, um jogador que remata bem do meio-campo para a frente"
- "E aí está uma enorme cavalgada de Thuram... este homem é um leão"

João Pinto ex-defesa do F.C.Porto
- "Comigo, ou 'sem-migo', o Porto vai ser campeão!"
- Sim, estamos felizes porque estamos contentes
- "Não foi nada de especial, chutei com o pé que estava mais a mão!"
- "O meu coração só tem uma côr: azul e branco."
- "O meu clube estava a' beira do precipício, mas tomou a decisão correcta: Deu um passo em frente...."
Jardel
- "Nestes jogos, sobe-me a NAFTALINA!..."
- " Clássico é clássico, e VICE-VERSA..."
- "O difícil, como vocês sabem, não é fácil"

Jaime Pacheco
- "...Vamos jogar ao ataque, fechadinhos lá atrás..."
- "Jogar à defesa pode ser uma faca de dois legumes"
- "Querem fazer do Boavista um BODE RESPIRATÓRIO"


Jorge Jesus
- o processo de NEUTRALIZAÇÃO do jogador pertence ao FORNO interno do clube.

Roger ex-jogador do Benfica
- Nem que eu tivesse dois pulmões eu alcançava essa bola.

Rui Barros ex-avançado do F.C. Porto
- "...Vou dar o meu melhor de mim."

Ricardo do Sporting
- Quando se leva um pontapé nas canelas ...dói mas não aleija.
Nuno Gomes
- "Nós somos humanos como as pessoas "
Derlei
- "Eu DISCONCORDO com o que você disse"
José Peseiro
- "não quero estar aqui a numerar nomes"
Barroso ex-jogador do Sporting de Braga
- "não deu para fazer mais, estou de caganeira!"

Nuno Luz reporter da SIC
- "Inácio fechou os olhos e olhou para o céu."
José Marinho jornalista da SporTV
- "Henry não é um homem...é uma manada
Djair ex-jogador do Belenenses, quando chegou ao Restelo
- "Tenho o maior orgulho de jogar na terra onde Cristo nasceu

AFINAL TODOS ELES NASCERAM PARA PERCEBER DE BOLA

"Escutas" no Palácio de Belem.



SEMPRE ERA VERDADE

Escrita por António Lobo Antunes

Ainda há esperança...se com o Valentim e o Isaltino... tornámos a ter mais do mesmo( embora com maiorias diminuídas) já a Fátima e o Avelino foprm á vida de vez...
E, certamente, não se vão queixar da vidinha que o tempo de presidentes de câmara lhes vai proporcionar.
Para descontrair e senm qualquer relação com eleições aqui fica um escrito de Lobo Antunes


Pachos na testa, terço na mão,
Uma botija, chá de limão,·
Zaragatoas, vinho com mel,
Três aspirinas, creme na pele
Grito de medo, chamo a mulher.
Ai Lurdes que vou morrer.
Mede-me a febre, olha-me a goela,
Cala os miúdos, fecha a janela,
Não quero canja, nem a salada,
Ai Lurdes, Lurdes, não vales nada.
Se tu sonhasses como me sinto,
Já vejo a morte nunca te minto,
Já vejo o inferno, chamas, diabos,
anjos estranhos, cornos e rabos,
Vejo demónios nas suas danças
Tigres sem listras, bodes sem tranças
Choros de coruja, risos de grilo
Ai Lurdes, Lurdes fica comigo
Não é o pingo de uma torneira,
Põe-me a Santinha à cabeceira,
Compõe-me a colcha, Fala ao prior,
Pousa o Jesus no cobertor.
Chama o Doutor, passa a chamada,
Ai Lurdes, Lurdes nem dás por nada.
Faz-me tisana e pão de ló,
Não te levantes que fico só,
Aqui sózinho a apodrecer,
Ai Lurdes, Lurdes que vou morrer. unes.

sábado, 10 de outubro de 2009

APENAS ANEDOTA'

Num tribunal de uma pequena cidade, o advogado de acusação chamou a sua primeira testemunha; uma senhora de idade avançada.

Aproximou-se da testemunha e perguntou:

- D. Ermelinda, a senhora conhece-me?

- Claro. Conheço-te desde pequenino e francamente, desiludiste-me. Mentes descaradamente, enganas a tua mulher, manipulas as pessoas e falas mal delas pelas costas. Julgas que és uma grande personalidade quando não tens sequer inteligência suficiente para ser varredor. É claro que te conheço.

O advogado ficou branco, sem saber que fazer. Depois de pensar um pouco, apontou para o outro extremo da sala e perguntou:
- D. Ermelinda, conhece o defensor oficioso?
- Claro que sim. Também o conheço desde a infância. É frouxo, tem problemas com a bebida, com a ereção, não consegue ter uma relação normal com ninguém e na qualidade de advogado, bem... é um dos piores que já vi. Não me esqueço também de referir que engana a mulher com três mulheres diferentes, uma das quais, curiosamente, é a tua própria mulher. Sim, também o conheço. E muito bem.

O defensor, ficou em estado de choque.

Então, o Juiz pediu a ambos os advogados que se aproximassem do estrado e com uma voz muito ténue diz-lhes:

- Se algum dos dois perguntar à puta da velha se me conhece, juro-vos que vão todos presos.

PARA DESCONTRAIR

No Museu do Louvre
>
>
> Depois de mais uma reunião da UE, alguns Ministros resolvem passar pelo
> Louvre para "aliviar" o stress e param meditativos perante um excelente
> quadro de Adão e Eva no Paraíso.
>
> Desabafa Angela Merkel:
> - Olhem que perfeição de corpos: ela esbelta e esguia, ele com este
> corpo atlético, os músculos perfilados.... São necessariamente
> estereótipos alemães.
>
> Imediatamente Sarkosy reagiu:
> - Não acredito. É evidente o erotismo que se depreende de ambas as
> figuras... ela tão feminina... ele tão masculino... sabem que em breve
> chegará a tentação... Só poderiam ser franceses.
>
> Movendo negativamente a cabeça, o Gordon Brown arrisca:
> - Of course not! Notem... a serenidade dos seus rostos, a delicadeza
> da pose, a sobriedade do gesto... Só podem ser Ingleses.
>
> Depois de alguns segundos mais de contemplação, Sócrates exclama:
> - NÃO CONCORDO. Reparem bem: não têm roupa, não têm sapatos, não têm
> casa, só têm uma maçã para comer... não protestam e ainda pensam que
> estão no Paraíso... Não tenham a menor dúvida, são portugueses!

BASTONÁRIO DOS ADVOGADOS FALA

Coimbra, 09 Out (Lusa) - O bastonário da Ordem dos Advogados comparou hoje as buscas em escritórios de advocacia decretadas por magistrados às práticas da polícia antes do 25 de Abril, quando havia suspeita de representarem clientes opositores ao regime.
Comentar Artigo Aumentar a fonte do texto do Artigo Diminuir a fonte do texto do Artigo Ouvir o texto do Artigo em formato �udio "Isto não pode acontecer num Estado de Direito. Era assim que faziam antigamente. Eram polícias e agora são magistrados. As mesmas práticas que os polícias tinham antes do 25 de Abril. Isto não pode continuar. É preciso haver respeito", afirmou Marinho Pinto, ao participar hoje numa acção de formação da Secção Regional de Coimbra da Ordem dos Advogados (OA).

Para o dirigente, "é preciso que alguns magistrados metam na cabeça que não vale tudo em matéria de investigação criminal".

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

COMPROMISSO EDUCAÇÃO

Num momento político único em que todos os partidos da oposição subscreveram o COMPROMISSO EDUCAÇÃO e vêm reafirmando, publicamente, a vontade de concretizarem as principais reivindicações dos professores através de iniciativas legislativas no Parlamento, onde garantiram uma maioria absoluta, é importante que as escolas/agrupamentos e os professores e educadores façam chegar aos Grupos Parlamentares a expectativa e o empenho em verem revogadas, com a maior urgência possível, a divisão da carreira e a implementação do modelo de avaliação do desempenho em vigor.
Para a obtenção deste efeito, o PROmova desencadeia a partir de hoje a operação "COMPROMISSO EDUCAÇÃO É PRA VALER", disponibilizando textos modelos (meras propostas) e incentivando todos os professores/educadores, sindicatos e movimentos a organizarem subscrições colectivas destes textos, escola a escola, de forma a que os mesmos possam ser remetidos aos Grupos Parlamentares dos partidos da oposição, logo que arranquem os trabalhos parlamentares.
Naquelas escolas/agrupamentos em que não seja possível, por medo, acomodação ou falta de organização/liderança, desencadear a dinâmica que permita aos professores e educadores subscreverem o texto colectivo, estes podem sempre remeter a sua própria posição pessoal, utilizando, para o efeito, o texto relativo à "Posição Individual".
É muito importante que à tomada de posição colectiva ou individual se anexe, para envio, o documento do COMPROMISSO EDUCAÇÃO que aqui é, igualmente, disponibilizado.
Os endereços dos grupos parlamentares são os seguintes:
Grupo Parlamentar PSD: gp_psd@psd.parlamento.pt
Grupo Parlamentar CDS/PP: gp_pp@pp.parlamento.pt
Grupo Parlamentar BE: blocoar@ar.parlamento.pt
Grupo Parlamentar PCP: gp_pcp@pcp.parlamento.pt

As subscrições dos textos podem começar a ser desencadeadas desde já, devendo depois aguardar-se pelo início da nova legislatura e pela tomada de posse dos novos deputados para as mesmas serem enviadas.
Por fim, o PROmova agradece que as escolas/agrupamentos e os professores nos dêem conhecimento dos envios efectuados para o e-mail profsmovimento@gmail.com
Valeu e continua a valer a pena a mobilização de todos, porque o objectivo está quase atingido!...

Aquele abraço,
PROmova
PROFESSORES - Movimento de Valorização

PROFESSORES...(2)

material escolar mais barato que existe na praça é o professor!
É jovem, não tem experiência.
É velho, está superado.
Não tem automóvel, é um pobre coitado.
Tem automóvel, chora de "barriga cheia".
Fala em voz alta, vive gritando.
Fala em tom normal, ninguém escuta.
Não falta ao colégio, é um "Adesivo".
Precisa faltar, é um "turista".
Conversa com os outros professores, está "malhando" nos alunos.
Não conversa, é um desligado.
Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
Brinca com a turma, é metido a engraçado.
Não brinca com a turma, é um chato.
Chama a atenção, é um grosso.
Não chama a atenção, não se sabe impor.
A prova é longa, não dá tempo.
A prova é curta, tira as hipóteses do aluno.
Escreve muito, não explica.
Explica muito, o caderno não tem nada.
Fala correctamente, ninguém entende.
Fala a "língua" do aluno, não tem vocabulário.
Exige, é rude.
Elogia, é debochado.
O aluno é retido, é perseguição.
O aluno é aprovado, deitou "água-benta".
É! O professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele.

ATESTADO MÉDICO

O atestado médico por José Ricardo Costa

Imagine o meu caro que é professor, que é dia de exame do 12º ano e
vai ter de fazer uma vigilância. Continue a imaginar. O despertador
avariou durante a noite. Ou fica preso no elevador. Ou o seu filho, já
à porta do infantário, vomitou o quente, pastoso, húmido e fétido
pequeno-almoço em cima da sua imaculada camisa. Teve, portanto, de
faltar à vigilância. Tem falta.

Ora esta coisa de um professor ficar com faltas injustificadas é
complicada, por isso convém justificá-la. A questão agora é: como
justificá-la?

Passemos então à parte divertida. A única justificação para o facto de
ficar preso no elevador, do despertador avariar ou de não poder ir
para uma sala do exame com a camisa vomitada, ababalhada e
malcheirosa, é um atestado médico. Qualquer pessoa com um pouco de bom
senso percebe que quem precisa aqui do atestado médico será o
despertador ou o elevador. Mas não. Só uma doença poderá justificar
sua ausência na sala do exame. Vai ao médico. E, a partir deste
momento, a situação deixa de ser divertida para passar a ser
hilariante. Chega-se ao médico com o ar mais saudável deste mundo.
Enfim, com o sorriso de Jorge Gabriel misturado com o ar rosado do
Gabriel Alves e a felicidade do padre Melícias.

A partir deste momento mágico, gera-se um fenómeno que só pode ser
explicado através de noções básicas da psicopatologia da vida
quotidiana. Os mesmos que explicam uma hipnose colectiva em
Felgueiras, o holocausto nazi ou o sucesso da TVI. O professor sabe
que não está doente. O médico sabe que ele não está doente. O
presidente do executivo sabe que ele não está doente. O director
regional sabe que ele não está doente. O Ministério da Educação sabe
que ele não está doente. O próprio legislador, que manda a um
professor que fica preso no elevador apresentar um atestado médico,
também sabe que o professor não está doente.

Ora, num país em que isto acontece, para além do despertador que não
toca, do elevador parado e da camisa vomitada, é o próprio país que
está doente. Um país assim, onde a mentira é legislada, só pode mesmo
ser um país doente.

Vamos lá ver, a mentira em si não é patológica. Até pode ser racional,
útil e eficaz em certas ocasiões. O que já será patológico é o desejo
que temos de sermos enganados ou a capacidade para fingirmos que a
mentira é verdade. Lá nesse aspecto somos um bom exemplo do que dizia
Goebbels: uma mentira várias vezes repetida transforma-se numa
verdade. Já Aristóteles percebia uma coisa muito engraçada: quando
vamos ao teatro, vamos com o desejo e uma predisposição para sermos
enganados. Mas isso é normal. Sabemos bem, depois de termos chorado
baba e ranho a ver o 'ET', que este é um boneco e que temos de poupar
a baba e o ranho para outras ocasiões.

O problema é que em Portugal a ficção se confunde com a realidade.
Portugal é ele próprio uma produção fictícia, provavelmente mesmo
desde D.Afonso Henriques, que Deus me perdoe. A começar pela política.
Os nossos políticos são descaradamente mentirosos. Só que ninguém leva
a mal porque já estamos habituados. Aliás, em Portugal é-se penalizado
por falar verdade, mesmo que seja por boas razões, o que significa que
em Portugal não há boas razões para falar verdade.

Se eu, num ambiente formal, disser a uma pessoa que tem uma nódoa na
camisa, ela irá levar a mal. Fica ofendida se eu digo isso é para a
ajudar, para que possa disfarçar a nódoa e não fazer má figura. Mas
ela fica zangada comigo só porque eu vi a nódoa, sabe que eu sei que
tem a nódoa e porque assumi perante ela que sei que tem a nódoa e que
sei que ela sabe que eu sei. Nós, portugueses, adoramos viver
enganados, iludidos e achamos normal que assim seja.

Por exemplo, lemos revistas sociais e ficamos derretidos (não falo do
cérebro, mas de um plano emocional) ao vermos casais felicíssimos e
com vidas de sonho. Pronto, sabemos que aquilo é tudo mentira, que
muitos deles divorciam-se ao fim de três meses e que outros vivem um
alcoolismo disfarçado. Mas adoramos fingir que aquilo é tudo verdade.

Somos pobres, mas vivemos como os alemães e os franceses. Somos
ignorantes e culturalmente miseráveis, mas somos doutores e
engenheiros. Fazemos malabarismos e contorcionismos financeiros, mas
vamos passar férias a Fortaleza. Fazemos estádios caríssimos para dois
ou três jogos em 15 dias, temos auto-estradas modernas e europeias,
mas para ver passar, a seu lado, entulho, lixo, mato por limpar,
eucaliptos, floresta queimada, barracões com chapas de zinco, casas
horríveis e fábricas desactivadas.

Portugal mente compulsivamente. Mente perante si próprio e mente
perante o mundo.

Claro que não é um professor que falta à vigilância de um exame por
ficar preso no elevador que precisa de um atestado médico. É Portugal
que precisa, antes que comece a vomitar sobre si próprio.